Rede Voltaire
Brasil

Um Chico Mendes para Mato Grosso

| Sâo Paulo (Brasil)
+
JPEG - 7.1 kb
Chico Mendes

Agora, sim, o Brasil pode dormir tranqüilo. Chico Mendes foi declarado Herói da Pátria. Será entronizado no Panteão da Pátria e da Liberdade, em Brasília, ao lado de figuras como o marechal Deodoro e o duque de Caxias, mas também de Tiradentes e de Zumbi.

Dezesseis anos depois de ter sido assassinado no Acre, por liderar "empates" contra o desmatamento promovido por criadores de gado, ganha reconhecimento oficialista para a notoriedade mundial que granjeara com a própria pele.

A condecoração é correlata da presença de sua companheira Marina Silva no governo Lula, uma espécie de homenagem que o vício presta à virtude. Foi também com o propósito de ficar bem na fita "ecológica" que Fernando Collor nomeou ministro o incensado José Lutzenberger. Na prática, essas figuras impolutas terminam imoladas no altar do pragmatismo governante, "de resultados" -para o bolso ou para os bancos.

Se estivesse vivo e na ativa, Chico Mendes estaria hoje em Mato Grosso. O Estado governado por Blairo Maggi, o Rei da Soja, foi responsável no último período medido (2002-2003) por 44% do desmatamento em toda a Amazônia, ou 10,4 mil km2 -quase dois distritos federais- de um total de 23,8 mil km2. Neste ano, já é o recordista em pontos de queimada detectados por satélite. E isso no Estado da Amazônia que tem o melhor sistema para monitorar desmatamentos...

Seria injusto culpar só o governo estadual, Maggi ou a soja por esse estado de coisas. O dinamismo do agronegócio vai muito além das fronteiras matogrossenses, tem ramificações até no crescimento parrudo da economia da China, com seu apetite por soja e carne. Ou, ainda, na construção civil do Estado de São Paulo, maior consumidor de madeiras amazônicas, cuja extração -muitas vezes ilegal- é o primeiro elo da cadeia da devastação.

Os sojicultores se defendem dizendo, com razão, que é muito demorado e custoso abrir florestas virgens para plantar. O usual é ocuparem áreas já abertas para constituição de pastagens, como nos 350 km2 -de um total de 820 km2- que proprietários anteriores haviam derrubado na Fazenda Tanguro, do Grupo Maggi, em Querência (oeste do MT). Ocorre que a pecuária de corte também vive um ciclo de expansão na Amazônia, turbinado pela demanda crescente no mercado internacional, o que cria um incentivo perverso para aumentar o desmatamento.

Esse círculo expansionista do agronegócio na Amazônia - que traz divisas essenciais para o Brasil, é bom lembrar- ganhou um reforço de monta, há coisa de dez dias, do Banco Mundial (o assunto foi tema desta coluna há duas semanas).

Um financiamento de US$ 30 milhões para o Grupo Maggi capitanear a plantação de 800 km2 adicionais de soja em Mato Grosso está sendo aprovado pela IFC (International Finance Corporation, braço do Bird para o setor privado) como uma atividade de impacto ambiental médio (categoria B) e não alto (categoria A), como defendiam várias organizações não-governamentais brasileiras.

O valor não é lá muito elevado, nem a área envolvida chega a alarmar, diante das cifras de desmatamento. Mas é preciso ter em mente que se trata de apenas um financiamento, para uma única empresa. O que importa é o precedente.

Nunca foi tão verdadeiro o dito de Galileu na peça de Bertolt Brecht: infeliz do país que precisa de heróis.

Marcelo Leite

colunista da Folha - cienciaemdia@uol.com.br

 
Alia2 em português

A Agência Latino-americana de Informação e Análise-dois (Alia2), é um meio de comunicação independente e plural que refleta a realidade venezuelana e latino-americana com olhos latino-americanos em diferentes formatos (texto, som, imagem e vídeo) e nos idiomas inglês, francês, português e no espanhol.

Este artigo encontra-se sob licença creative commons

Poderá reproduzir livremente os artigos da Rede Voltaire desde que cite a fonte, não modifique o conteúdo e não os utilize para fins comerciais (licença CC BY-NC-ND).

Apoiar a Rede Voltaire

Utilizando este site poderá encontrar análises de elevada qualidade que o ajudarão a formar a sua compreensão do mundo. Para continuar com este trabalho necessitamos da sua colaboração.
Ajude-nos através de uma contribuição.

Como participar na Rede Voltaire?

Os participantes na rede são todos voluntários.
Autores: diplomatas, economistas, geógrafos, historiadores, jornalistas, militares, filósofos, sociólogos ... poderá enviar-nos seus artigos.
Tradutores de nível profissional: pode participar na tradução de artigos.