Rede Voltaire

Al-Qaida, «aliado» inesperado dos E.U. contra Al Assad, ameaça o Hezbollah

+

Não há outra explicação lógica. Todas as análises e investigações apontam nessa direcção. Agora se entende e se explica porque os atentados de 11 de setembro de 2001 foram possíveis, porquê uns quantos homens saídos das cavernas do Afeganistão venceram o mais poderoso sistema de inteligência e de defesa do planeta.

Todas estas informações e investigações que se vão documentando pouco a pouco, deixam ver o que antes parecia inconcebível e inimaginável á opinião pública mundial : os Estados Unidos e outras potências europeias, se não engendraram o monstro da Al-Qaida como eles afirmam negando-o, em todo o caso hoje em dia alimentam-no, manipulam-no, apoiam-no, dirigem-no e apadrinham-no para os seus propósitos geopolíticos. Isto já é mais que um facto, é uma realidade. Ver artigos anexos:
- David Shayler: «Abandonei os serviços secretos britânicos quando o MI6 decidiu financiar os sócios de Osama bin Laden»;
- «Como a Al-Qaida chegou ao poder em Trípoli»;
- «Al Qaida no Iraque: será que devemos acreditar em George Bush ou nos seus generais?»;
- «Inimigos da OTAN no Iraque e no Afeganistão, aliados na Líbia» e;
- Martin Scheinin: « A Al Qaeda é uma metáfora e não existe “ampla” guerra contra o terrorismo».

Al-Qaida ameaça o Hezbollah por apoiar o regime «criminoso»

O comandante do ramo sírio da Al-Qaida ameaça atacar o movimento islamista libanês Hezbollah pelo seu apoio ao regime «criminoso» de Bashar Al Assad na Síria e por mentir quando diz que os E.U. e Israel instigam a rebelião síria.

Os muçulmanos xiitas do Líbano devem deixar o movimento libanês Hezbollah «se não querem ser os alvos dos ataques da Al Qaida», assegurou o recentemente nomeado líder da brigada Abdullah Azzam (ramo da Al Qaida na Síria), Majd al-Majd, segundo publicam os sites web da organização. Al-Majd, que supostamente dirige uns 6.000 combatentes da organização sunita que se infiltraram na Síria a partir do Iraque e da Turquia, justificou as suas ameaças com duas acusações contra o Hezbollah.

Em primeiro lugar assegura que a responsabilidade pelo assassinato do primeiro- ministro libanês, Rafik Al-Hariri, que morreu em 2005 em Beirute num atentado com carro bomba, não recai sobre Israel e os E.U., como afirmou o Hezbollah, mas sim sobre esta mesma organização libanesa.

O comandante da Al-Qaida também refutou as alegações do Hezbollah que tanto Telavive, como Washington fomentam a rebelião contra Al Assad na Síria, qualificando-as de «infundadas», segundo o diário israelita Haaretz.

Estranhas amizades

Deste modo, a organização considerada terrorista tanto por Israel, como pelos E.U., que a continua a tentar destruir após o 11-Setembro, assumiu de facto a posição dos seus supostos inimigos.

Recentemente, Telavive prometeu atacar o Líbano se o Hezbollah provocar Israel, respondendo dessa forma às ameaças do líder do grupo, Hassan Nasrallah, de criar «um inferno» em Israel e de matar «dezenas de milhares» de israelitas.

Quanto aos E.U., a organização terrorista quase repetiu as declarações dos funcionários estadounidenses que reclamam a deposição do regime eleito de Al Assad que, segundo eles, «perdeu a sua legitimidade» e comete crimes contra o seu povo.

De facto, cada vez surgem mais informações que indicam que a Al- Qaida reforça a sua ajuda aos insurgentes da Síria, enquanto Washington colabora abertamente com a oposição armada síria.

A religião é o que conta

Tais posições da Al-Qaida poderiam ser explicadas pelos desacordos religiosos dentro da região Médio- oriental, que poderiam prevalecer sobre os desacordos políticos e culturais com o mundo Ocidental. Não é por acaso que, a Al-Qaeda, assim como o Qatar, Turquia e Arabia Saudita-principais detratores de Al Assad na Síria- professam o Sunismo (ainda que a Al-Qaida defenda a visão mais radical).

E o Governo de Bashar Al Assad represente a minoria Xiita da Síria, apoiada pelo Irão, um estado Xiita poderoso do Oriente Médio. Por sua vez, o Hezbollah, proveniente do Líbano (onde 26% da população é xiita e 27% - sunita) apoia a Síria e o Irão contra a pressão vinda dos E.U. e de Israel.

Tradução
Alva

Rede Voltaire

Voltaire, edição internacional

Este artigo encontra-se sob licença creative commons

Poderá reproduzir livremente os artigos da Rede Voltaire desde que cite a fonte, não modifique o conteúdo e não os utilize para fins comerciais (licença CC BY-NC-ND).

Apoiar a Rede Voltaire

Utilizando este site poderá encontrar análises de elevada qualidade que o ajudarão a formar a sua compreensão do mundo. Para continuar com este trabalho necessitamos da sua colaboração.
Ajude-nos através de uma contribuição.

Como participar na Rede Voltaire?

Os participantes na rede são todos voluntários.
Autores: diplomatas, economistas, geógrafos, historiadores, jornalistas, militares, filósofos, sociólogos ... poderá enviar-nos seus artigos.
Tradutores de nível profissional: pode participar na tradução de artigos.

O início da viragem do mundo
A estratégia russa face ao imperialismo anglo-saxónico
O início da viragem do mundo
Thierry Meyssan
Ucrânia, objectivo na mira
«A arte da guerra»
Ucrânia, objectivo na mira
Manlio Dinucci, Rede Voltaire
 
Os «salvadores» do Iraque
«A arte da guerra»
Os «salvadores» do Iraque
Manlio Dinucci, Rede Voltaire
 
Ofensiva global NATO
"A arte da guerra"
Ofensiva global NATO
Rede Voltaire
 
Quem é o inimigo?
Israel
Quem é o inimigo?
Thierry Meyssan, Rede Voltaire
 
A metamorfose de Bachar el-Assad
A metamorfose de Bachar el-Assad
Thierry Meyssan, Rede Voltaire