Rede Voltaire
O início da guerra de terror dos Estados Unidos (2/3)

Serviços secretos paralelos

Na continuação da sua análise, Peter Dale Scott mostra como os acordos de ligação entre serviços secretos de Estados aliados permitem desenvolver serviços secretos paralelos e realizar operações sem controlo. Este antigo diplomata canadiano põe assim às claras o método que permitiu aos conspiradores do 11 de setembro de 2001 utilizar os meios do aparelho de estado Norte-americano à vista dos seus próprios colegas.

+
JPEG - 20 kb

Este artigo é a continuação de «A CIA, o 11 de setembro, Afeganistão e a Ásia Central».

Os acordos de ligação com outros serviços de inteligência

Penso que Khaled al-Mihdhar e Nawaf al-Hazmi inicialmente terão beneficiado de proteção porque tinham sido enviados para os Estados Unidos pelos serviços de inteligência da Arabia Saudita (o GID). Isso explicaria porque, depois da sua chegada, parecem ter sido financiados de forma indireta pela embaixada da Arabia Saudita em Washington. Paul Church resumiu bem esses factos no Asia Times Online (edição de 12 de fevereiro de 2012):

«Entre 1998 e 2002, cerca de 73 000 dólares em cheques bancários foram transmitidos por Hayfa bint Faysal, a esposa de [embaixador da Arabia Saudita em Washington, o príncipe] Bandar, a duas famílias californianas conhecidas por terem financiado al-Midhar [sic] e al-Hazmi (Bandar descreveu um dia George H. W. Bush e sua esposa como a “minha mãe e o meu pai”). [...] A princesa Hayfa enviava com regularidade pagamentos mensais que iam de 2 000 a 3 500 dólares a Majeda Dweikar, a mulher de Osama Basnan – que teria sido um espião do governo saudita, segundo vários investigadores. Numerosos cheques eram [também] endossados a Manal Bajadr, a mulher de Omar al-Bayuni, ele mesmo suposto de trabalhar secretamente para o reino [saudita]. Anteriormente, as famílias Basnan, al-Bayuni e os dois piratas aéreos do 11 de setembro tinham partilhado o mesmo imóvel em San Diego. Foi Omar al-Bayuni que recebeu os assassinos quando chegaram aos Estados Unidos pela primeira vez e que lhes proporcionou um apartamento e cartões da segurança social (além de outras formas de ajuda). Inclusive ajudou-os a inscreverem-se em várias escolas de pilotagem aérea na Florida.» [1]

Se os dois sauditas foram realmente enviados pelo GID ou não, é praticamente certo que foram admitidos nos Estados Unidos no quadro de um acordo de ligação entre o GID e a CIA [2]. O príncipe Turki ben Faisal, ex-director do GID, declarou que ele mesmo trocava as suas informações sobre al-Qaeda com a CIA e que em 1997 os sauditas «estabeleceram uma comissão mista de inteligência com os Estados Unidos para trocar informações sobre el terrorismo em geral e sobre [...] al-Qaeda em particular» [3]. O Relatório da Comissão sobre o 11 de Setembro acrescenta que, na sequência de entrada do ano 2000, foram iniciadas reformas no Centro de Contra-terrorismo (CTC), o que incluía a Alec Station (a Unidade bin Laden da CIA). Nesse contexto, o CTC queria instaurar o seu plano, adotado 6 meses antes, que consistia em «melhorar as capacidades dos serviços de segurança estrangeiros que tinham proporcionado informação através da ligação» [4].

Essa era uma especialidade de Richard Blee. Steve Coll informou que Blee e a sua superior, Cofer Black, estavam muito entusiasmados com as possibilidades que se abriam graças aos acordos de ligação, já que permitiam estender a influência e a capacidade de acção da CIA em regiões cruciais. Assim que, em 1999, Cofer Black e Richard Blee voaram juntos para Tachkent, onde negociaram um novo acordo de ligação com o Uzbequistão [5]. Segundo Steve Coll e oWashington Post, aquele arranjo conduziu ao rápido estabelecimento de uma ligação da CIA com a Aliança do Norte, no Afeganistão, através de Tachkent [6]. Thomas Ricks e Susan Glasser reportaram no Washington Post que depois dos atentados à bomba contra as embaixadas dos Estados Unidos em Dar es Salaam e Nairobi, em 1998, «os Estados Unidos e o Uzbequistão realizaram discretamente operações secretas comuns tendentes a contrariar o regime taliban no poder no Afeganistão, assim como os seus aliados terroristas [...], segundo os responsáveis desses dois países» [7].

Este envolvimento no Uzbequistão correspondia a um esquema regional muito mais amplo. Após 1997, os Estados Unidos tinham iniciado uma série de manobras militares anuais com as forças armadas Cazaques, Quirguizes e Uzbeques. Estes exercícios simulavam uma possível colocação de forças de combate norte-americanas na região:

«CENTRAZBAT’97, como se designava, era claramente um teste sobre a capacidade americana de projeção de forças na bacia do Cáspio em caso de crise. “Não existe sobre a face do planeta nenhuma nação que esteja fora do nosso alcance”, declarou o general Jack Sheehan [...] o oficial de mais alta patente neste exercício. E para quem tivesse dúvidas sobre a natureza dos nossos interesses nesta região, Catherine Kelleher, que acompanhava Sheehan como assistente do secretário adjunto da Defesa, citou “a presença de enormes recursos energéticos” como justificação do envolvimento militar dos Estados Unidos. A operação de 1997 foi a primeira de uma série de exercícios anuais [batizados] CENTRAZBAT, concebidos para por à prova a rapidez com que Washington poderia diretamente deslocar para esta região forças estacionadas nos Estados Unidos e empreender aqui operações de combate.» [8]

Por outras palavras, a actividade do Pentágono no Uzbequistão precedia em 4 anos o acordo público assinado em outubro de 2001 por Donald Rumsfeld e o presidente Islom Karimov.

Voltemos ao acordo de ligação que Richard Blee e Cofer Black negociaram com o Uzbequistão. Como ex-diplomata que sou, permitam-me observar que um acordo de ligação teria provavelmente requerido acreditações especiais para os que estivessem ao corrente desse arranjo, e que se

trocariam informações no quadro dessa ligação [9]. Isto explicaria a exclusão dos agentes do FBI que não estavam autorizados a ter acesso àquela informação, assim como o comportamento dos demais agentes não acreditados da CIA que continuavam a recolher e a disseminar informação sobre os dois presumíveis piratas aéreos. O «grupo Alec Station» necessitava das duas categorias de agentes para proteger a dupla identidade do tandem de sauditas, e de se assegurar que não fossem presos pelo FBI, o que teria sido fonte de embaraço.

É quase certo que a CIA tinha importantes acordos de cooperação, não só com o GID saudita e com Uzbequistão mas também com a Direção de Inteligência Interserviços do Paquistão (ISI, sigla em inglês de Inter- Services Intelligence). A CIA também tinha estabelecido acordos com os serviços de inteligência do Egipto, e provavelmente inclusive com os de Iémen e Marrocos. Existem inclusive razões para pensar que Ali Mohamed foi autorizado a residir nos Estados Unidos como agente de um serviço estrangeiro (provavelmente egípcio) no quadro de algum arranjo desse tipo [10].

Mohamed era um agente duplo cuja prisão no Canadá tinha sido evitada pelo FBI, o que lhe permitiu organizar os atentados de 1998 contra as embaixadas norte-americanas. Figura ao mesmo tempo entre as fontes e o conteúdo do célebre Briefing Presidencial Quotidiano de 6 de agosto de 2001 (PDB, sigla em inglês de Presidential Daily Briefing), no qual a CIA alertou o presidente Bush que «Bin Laden [estava] determinado a atacar os Estados Unidos» [11].

Segundo Jack Cloonan, que fazia ligação de Ali Mohamed com o FBI, «todas essas informações [contidas no contacto presidencial] vinham de Ali», enquanto o PDB atribuía aquelas importantes revelações ao que «um agente operacional da Jihad Islâmica Egípcia (JIE, segundo a sigla em inglês) declarou a um serviço [---]» [12]. (É evidente que Ali Mohamed era membro da JIE e que o serviço em questão provavelmente era egípcio), mas quando Ali Mohamed foi indevidamente admitido nos Estados Unidos, tal como Khaled al-Mihdhar e Nawaf al-Hazmi, não foi a CIA mas sim «outra agência federal» que se encarregou dele [13].

Provavelmente tratava-se de uma agência do Pentágono já que, entre 1987 e 1989, Ali Mohamed «esteve destacado no [SOCOM,] Comando de Operações Especiais [do exército] norte-americano em Fort Bragg, a base dos Boinas Verdes e da Força Delta – a unidade de elite de contra- terrorismo» [14]. O SOCOM, que inclui o Comando Misto para as Operações Especiais (JSOC, sigla em inglês do Joint Special Operations Command), tem a sua própria divisão de inteligência [15]. Por outro lado,

o SOCOM é o comando que estabeleceu em 1999 o programa Able Danger para vigiar os agentes da al-Qaeda e que, sem a menor explicação o parou antes do 11 de setembro e destruiu a sua base de dados [16]. Por outro lado, o SOCOM operava no Uzbequistão com agentes da CIA graças ao acordo de ligação que tinham negociado Cofer Black e Richard Blee, ambos membros do CTC, o Centro de Contra-terrorismo da CIA.

Por todas essas razões, eu sugiro reconceptualizar o que Kevin Fenton chama o anormal «grupo Alec Station». Poderemos considerar essa facção como uma equipa (ou várias equipas) de ligação interagências dispondo de acreditações especiais e que incluía membros de Alec Station, colaboradores do FBI e provavelmente elementos do SOCOM. (Um desses colaboradores era a agente Dina Corsi, agente do FBI que, segundo Fenton, ocultou informação vital ao seu colega o agente Steve Bongardt, inclusive depois da NSA ter autorizado o acesso da mesma ao dito agente). [17]

Volta atrás: o Safari Club e William Casey

Sob diferentes formas, esses arranjos têm a sua origem pelo menos nos anos 1970. Naquela época, importantes dirigentes da CIA, tanto no activo como já retirados (entre os quais se encontrava Richard Helms), estavam descontentes pelos cortes de pessoal que o director da CIA Stanfield Turner tinha realizado sob a presidência de James Carter. Em resposta, organizaram uma rede alternativa conhecida como Safari Club.

Supervisionado pelos diretores dos serviços de inteligência da França, Egipto, Arabia Saudita, Marrocos e Irão (naquela época sob o poder do xá), o Safari Club tornou-se numa base para oficiais da CIA como Theodore Shackley e Thomas Clines, marginalizados, ou despedidos, pelo diretor da CIA Stansfield Turner. Como explicaria depois o príncipe Turki ben Faysal, o objetivo do Safari Club não era o simples intercâmbio de informação, mas também a condução de operações secretas que a CIA não podia continuar a realizar diretamente por causa do escândalo do Watergate e das reformas que se realizaram como consequência daquele escândalo. [18]

Nos anos 1970, o diretor da CIA William Casey tomou decisões cruciais na condução da guerra secreta no Afeganistão. Todavia todas aquelas decisões foram tomadas fora do quadro burocrático da CIA dirigida por Casey já que tinham sido preparadas com os diretores da inteligência saudita primeiramente com Kamal Adham e depois com o príncipe Turki ben Faysal. Entre essas decisões podemos citar a criação de uma legião estrangeira destinada a ajudar a os mujahedin afegãos que lutavam contra

os soviéticos – por outras palavras, a criação de uma rede de apoio que posteriormente iriamos conhecer como al-Qaeda quando acabou aquela guerra entre a União Soviética e o Afeganistão [19]. Casey burilou os detalhes daquele plano com os dois chefes da inteligência saudita e com o diretor do Bank of Credit and Commerce International (BCCI), o banco paquistanês-saudita do queal tanto Kamal Adham como o príncipe Turki ben Fayçal eram accionistas.

Ao fazê-lo, Casey estava dirigindo então uma segunda Agência, ou uma CIA fora dos canais, construindo com os sauditas a futura al-Qaeda no Paquistão, apesar da hierarquia oficial da Agência, que lhe estava subordinada em Langley, «pensar [com toda razão] que aquilo era uma imprudência» [20].

Em American War Machine (edição francesa: La Machine de Guerre américaine -A Máquina de Guerra Americana N d T), eu situei o Safari Club e o BCCI numa sucessão de arranjos elaborados no seio de uma «CIA alternativa» ou de uma «segunda CIA» que datavam da criação, em 1948, do Bureau de Coordenação Política (OPC, sigla em inglês de Office of Policy Coordination). É portanto compreensível que George Tenet, o diretor da CIA na altura de George W. Bush, seguisse o precedente de Casey e se reunisse quase mensalmente com o príncipe Bandar, o então embaixador da Arabia Saudita em Washington, sem revelar o conteúdo daquelas conversações aos oficiais da Agência encarregados das questões sauditas [21].

Kevin Fenton invocou ele próprio o exemplo do Safari Club para propor uma possível explicação pelo facto de Richard Blee e Tom Wilshire utilizarem uma «rede paralela» para vigiar a al-Mihdhar e al-Hazmi em território norte-americano. Segundo Kevin Fenton, «reter as informações sobre Almihdhar et Alhazmi [sic] só tem sentido se a CIA estava a vigiar os dois homens nos próprios Estados Unidos, oficialmente ou não» [22]. Entretanto, poderíamos analisar uma terceira possibilidade. Com efeito, o GID poderia ter estado a vigiar os seus movimentos, o que corresponderia às afirmações do príncipe Bandar que os serviços de segurança sauditas tinham «seguido activamente os movimentos da maioria dos terroristas [,] de maneira precisa» [23].

Joseph e Susan Trento ouviram dizer a um ex-oficial da CIA – que tinha estado colocado em Arabia Saudita – que «Hasmi y Mihdar eram ambos agentes sauditas» [24]. Se isso é verdadeiro, eles eram claramente agentes duplos, agindo como (ou fazendo-se passar) por terroristas ao mesmo tempo que agiam como (ou faziam-se passar por) informadores. No

domínio da espionagem os agentes duplos são preciosos e por vezes úteis; mas em certas ocasiões confiar neles pode também provar-se perigoso - como o demonstra o exemplo de Ali Mohamed.

E isto foi particularmente verdade para a CIA em relação à Arabia Saudita. E com efeito, o GID respaldava energicamente a al-Qaeda em países como a Bósnia, em virtude de um acordo que estipulava que essa organização jihadista «não interferiria nos assuntos políticos da Arabia Saudita ou de qualquer outro país árabe» [25]. O ministro do Interior da Arabia Saudita, Nayef ben Abdelaziz, tinha negociado aquele compromisso com Osama bin Laden. O ISI paquistanês estava ainda mais activamente envolvido com a al-Qaeda e certos elementos dessa agência de inteligência provavelmente sentiam-se mais próximos dos objectivos ideológicos dessa organização que do governo nominalmente laico do Paquistão.

Seja como for, recorrer a informadores ilegais não só é perigoso e imprevisível como é também um factor de corrupção. Com efeito, para desempenhar o seu papel os informadores têm que infringir a lei, e os seus supervisores conhecendo essa necessidade têm que protegê-los abstendo-se de denunciá-los. Assim frequentemente, eles intervêm com o fim de evitar a sua prisão por outras agências. É por isso que os supervisores se tornam constantemente cúmplices dos crimes dos seus informadores [26].

Inclusive nas melhores circunstâncias, a agência interessada se vê obrigada a decidir se autoriza o informador a perpetrar seu crime ou se o impede, arriscando-se nesse último caso a que o informador deixe de ser-lhe útil. Nestas circunstâncias, as agências tendem na maioria das vezes a tomar decisões contrárias ao interesse geral.

Um exemplo muito pertinente para o ilustrar é o primeiro atentado à bomba contra o World Trade Center, em 1993. Este caso é interessante porque Khalid Sheikh Mohamed, o suposto cérebro do 11 de setembro, também esteve entre os organizadores do atentado de 1993. Entre eles o FBI tinha um informador, chamado Emad Salem. Mais tarde, baseando-se nas provas extraídas das gravações dos seus encontros com o FBI, Salem declarou que o próprio FBI decidiu não contrariar o projeto terrorista planeado contra o World Trade Center. Escrito por Ralp Blumenthal para New York Times, eis o relatório detalhado deste precedente ao mistério do 11 de setembro de 2001:

«Revelou-se aos agentes das forças da ordem [o FBI] que os terroristas estavam em vias de conceber uma bomba, que foi finalmente utilizada para fazer explodir o World Trade Center. Eles pensaram frustrar os malfeitores substituindo secretamente os explosivos por uma pólvora inofensiva,

declarou um informante após o atentado.
Este último era suposto ajudar os malfeitores a fabricar a bomba e a fornecer-lhes a pólvora falsa, mas este plano foi anulado por um supervisor do FBI que tinha outras ideias sobre a maneira de utilizar o informador, [chamado] Emad A. Salem.
Este relato, tirado da retranscrição de centos de horas de gravações que o senhor Salem realizou em segredo durante as suas conversas com agentes das forças da ordem, demonstra que as autoridades estavam em melhor posição do que afirmaram para frustrar os atentados à bomba de 26 de fevereiro contra as torres mais altas de Nova Iorque. A explosão matou 6 pessoas, feriu mais de 1 000 e provocou danos que ultrapassaram o meio- milhão de dólares. Quatro homens estão actualmente acusados ante o Tribunal federal de Manhattan por aquele ataque.» [27]

O que torna o complô de 1993 ainda mais interessante é o facto que, segundo várias fontes, Emad Salem era um agente do serviço de inteligência egípcio enviado aos Estados Unidos para espiar as acções de Omar Abdel Rahman, cognominado o «xeque cego» [28]. É portanto possível que o supervisor do FBI que tinha «outras ideias» sobre a maneira de utilizar Emad Saled fizesse parte de uma equipa de ligação, não podendo revelar o que sabia aos outros agentes do Bureau (FBI). Por exemplo, é possível que esse supervisor estivesse ao corrente de uma possível recusa da secreta egípcia a destapar a cobertura de Salem. Essa possibilidade é ao mesmo tempo hipotética e problemática. Mas tem o mérito de dar uma explicação relativamente coerente a um comportamento do FBI que se pode qualificar como desconcertante.

Esta explicação não exclui de forma alguma a possibilidade de alguns funcionários do FBI terem tido motivações mais sinistras permitindo a ocorrência de atentados à bomba, e dissimulá-lo posteriormente. Com efeito, naquele exato momento, o xeque Omar Abdel Rahman era um dos elementos centrais de um programa saudita sensível, no qual igualmente participavam funcionários norte-americanos. Este programa estava destinado a recrutar e encaminhar combatentes mujaedins para a Bósnia para lutar contra a Sérvia (incluindo indivíduos, como Ayman al-Zawahiri, que posteriormente foram acusados no complô do 11 de setembro) [29].

À vista do comportamento dos investigadores e das autoridades judiciais, resulta evidente que um certo número de agências norte-americanas não queria interferir nas actividades do xeque Rahman. Inclusive depois da sua inculpação, em 1995, num caso de associação de malfeitores com vista a cometer atentados contra vários monumentos de Nova Iorque, o governo

dos Estados Unidos continuou protegendo a Ali Mohamed, que era um personagem crucial neste assunto.

Pior ainda para o FBI, o facto de permitir a realização destes atentados à bomba inscreve-se numa série de asneiras e de oportunidades desperdiçadas – todas ligadas entre si – cujo apogeu foi o11 de setembro de 2001. A primeira desta série começa em 1991, com o assassinato do extremista judeu Meir Kahane. Neste caso, o FBI e a NYPD [sigla em inglês do Departamento de Policia de Nova Iorque. N d T.] prenderam dois dos assassinos para os libertar em seguida, permitindo-lhes participar posteriormente nos atentados à bomba de 1993 contra o World Trade Center. Um dos principais instrutores destes dois indivíduos era Ali Mohamed, que naquela altura era ainda membro das Forças Especiais norte-americanas. A sua identidade foi sistematicamente ocultada da opinião pública por Patrick Fitzgerald, o procurador encarregue da acusação pelo ministério público neste assunto. Em 1994, quando Ali Mohamed foi detido no aeroporto de Vancouver pela Policia Montada do Canadá, o FBI interveio para obter a sua libertação. Esta iniciativa do Bureau (FBI) permitiu que Mohamed viajasse para o Quénia, onde se converteu no principal organizador do atentado à bomba de 1998 contra a embaixada dos Estados Unidos em Nairobi. [30]

Ali Mohamed foi finalmente preso pelos norte-americanos em 1998, mas não foi encarcerado de imediato. É evidente que foi em liberdade que Ali Mohamed confiou sem reservas a Jack Cloonan, o seu contacto no FBI, que conhecia pelo menos três dos presumíveis piratas aéreos do 11 de setembro, e que tinha também contribuído para ensiná-los a sequestrar aviões. [31] Segundo afirma Ali Soufan, num livro publicado em setembro de 2011, Ali Mohamed continuava a aguardar a sua condenação em 2011, doze anos depois de se ter dado como culpado, em maio de 1999. [32]

Temos de concluir que nos Estados-Unidos, há um profundo disfuncionamento, e isto muito antes do 11 de Setembro. Na realidade, este problema atravessou as duas maiorias políticas. As condições de confidencialidade garantidas pelas acreditações especiais não só mascararam estas anomalias de funcionamento, mas como demonstrarei contribuíram para engendrá-las. A história da espionagem demonstra que o poder secreto, quando exercido na esfera das actividades ilegais, se torna pouco a pouco numa força contrária ao poder público democrático. [33] Quanto mais restrito é o grupo de planificadores especiais dispondo das suas próprias acreditações, menos possibilidades há que as suas decisões correspondam às exigências das leis nacionais e internacionais, e ainda menos á moral comum e ao bom senso.

Juntem-se a estas ambíguas condições de confidencialidade as relações fundamentalmente malsãs e corruptas que mantêm as agências de inteligência norte-americanas com as da Arabia Saudita e Paquistão. Até ao presente estas relações têm sido profundamente antidemocráticas, tanto na Ásia como no nosso país. Por um mecanismo de reciclagem de riquezas, a dependência norte-americana do petróleo saudita subvencionou de facto uma propagação do islamismo através do mundo. Ao mesmo tempo, o que os 99,9% dos norte-americanos pagam pela sua gasolina e o seu gaz gera somas gigantescas, somas que os sauditas reciclam nas instituições financeiras dos 0,1% que encabeçam a cúpula dominante em Wall Street.

Da mesma maneira, a obscura relação dos Estados Unidos com o ISI paquistanês deu lugar a um considerável aumento do tráfico internacional de droga, essencialmente graças aos clientes afegãos da CIA e do ISI. [34] Em resumo, o mau funcionamento burocrático de que falamos a propósito do11 de setembro é o sintoma de um disfuncionamento muito maior. Este problema tem a sua fonte profunda no tipo de relação mantida pelos Estados Unidos com a Arabia Saudita, com o Paquistão e – através destes países – com o resto do mundo.

Os acordos de ligação e a protecção de Khaled al- Mihdhar e Nawaf al-Hazmi

Mesmo sem entrar em linha de conta com o sugestivo precedente do atentado à bomba de 1993 contra o World Trade Center, é legítimo presumir que acordos de ligação teriam podido impedir a detenção de Khaled al-Mihdhar e de Nawaf al-Hazmi. Debrucemo-nos primeiro sobre as descobertas de Kevin Fenton: «É claro que estas informações [sobre os dois indivíduos] não foram retidas devido a uma sucessão de erros estranhos mas sim de forma intencional». [35] Eu considero que esta descoberta é impressionante e indiscutível. Todavia não podemos estar tão seguros da explicação avançada por Fenton, segundo a qual «o objectivo da retenção de informação era agora permitir o desenrolar dos ataques». [36]

Na realidade, eu penso que por trás dessa intenção há um certo número de possibilidades, que vão desde a explicação relativamente inocente (os bloqueios devidos a um acordo de ligação) até à mais espantosa. Antes de analisá-las temos que estudar a noção de «permitir o desenrolar dos ataques». É evidente que se os presumíveis piratas aéreos não foram detidos nas portas de embarque dos aeroportos, iriam certamente morrer pessoas - mas quantas? Recordemo-nos que nos documentos da operação Northwoods [37], que encarava a planificação de ataques sob bandeira falsa afim de justificar uma intervenção militar em Cuba, responsáveis do

Comité de chefes de Estados Maiores Inter-armas (JCS) tinham escrito: «Poderíamos desenvolver uma campanha de terrorismo [falsamente atribuída aos comunistas de Cuba]» durante a qual «poderíamos afundar um barco de cubanos». [38] A perda de 4 aviões comerciais cheios de passageiros teria sido uma tragédia muito diferente desta então cogitada?

Bem entendido, a dimensão trágica do 11 de setembro foi consideravelmente amplificada quando os aviões se espatifaram contra as Torres Gémeas e contra o Pentágono. Apesar disso é possível que as pessoas que estavam ao corrente do acordo de ligação sobre os dois sauditas não imaginassem que tais indivíduos fossem capazes de semelhantes proezas. Lembremo-nos que as suas lições de pilotagem, e incluindo a bordo de um Cessna, foram tão desastrosas que terminaram prematuramente. O seu instrutor atirou-lhes á cara que «simplesmente não tinham nascido para pilotar». [39]

Permitam-me sugerir que existem três etapas distintas nos ataques do 11 de setembro: os sequestros aéreos, os choques contra os edifícios e os surpreendentes colapsos dos 3 imóveis do World Trade Center. É possível que a equipa de ligação do «grupo Alec Station» tivesse encarado unicamente a primeira etapa, sem nunca imaginar as duas outras que se seguiram.

Uma explicação inicial das retenções de informação sobre dois dos presumíveis piratas do ar – ao mesmo tempo simples e menos retorcida – seria a hipótese que eu propus no caso de Emad Salem: o acesso restrito às informações devido às acreditações especiais requeridas pelo acordo de ligação. No entanto, tal como em 1993, os poderes secretos constituídos atrás da muralha das acreditações restritivas teriam podido ser exploradas para outros fins. A perigosa situação então criada – a de potenciais piratas aéreos sendo protegidos de prisão enquanto se antevia um ataque – poderia ter incitado certos indivíduos a explorar as condições de segredo assim estabelecidas como uma oportunidade para planificar um incidente necessário para justificar a guerra. É preciso sublinhar aqui uma importante analogia entre o 11 de setembro e o falso segundo ataque do Golfo de Tonquim, em agosto de 1964, utilizado para justificar o ataque ao Vietname do Norte. Com efeito, tal como naquela época, existia uma poderosa facção no topo do Estado que estava decidida a desencadear uma acção militar unilateral. Tratava-se da clique do PNAC, manobrando no seio do governo dos Estados Unidos em 2001. [40]

Um dos indícios apoiando esta sinistríssima intenção é o facto que o modelo de dissimulação detalhado por Kevin Fenton não se limita aos dois sauditas e seus supervisores da estação da CIA. Também podemos constatar um encadeamento de várias retenções de informação por parte de outras agências. Mais precisamente, de informações da célula Able Danger que foram destruídas pelo SOCOM, assim como da dissimulação – que manifestamente cometeu a NSA – duma intercepção importante, aparentemente relativa aos presumíveis piratas aéreos e a Zacarias Moussaui. [41]

Se a NSA dissimulava então informações aos responsáveis interessados, este comportamento lembrar-nos-ia o papel dessa agência na época do segundo incidente de Tonquim, em agosto de 1964. Num momento crucial, a NSA enviou 15 segmentos de ROEM (dados de espionagem de origem electromagnética) que indicavam – mal – um ataque levado a cabo pelos norte-vietnamitas contra dois destroyers norte-americanos. Ao mesmo tempo, ela escondeu 107 segmentos de ROEM que demostravam – com total exatidão – que não tinha sido lançado nenhum acto hostil da parte dos norte-vietnamitas. [42] Naquela época, o comportamento da NSA encontrava eco na CIA. Ambas as agências estavam conscientes da existência de um forte consenso no seio da administração Johnson. Com efeito, esta última já tinha se tinha posto de acordo sobre a necessidade de provocar o Vietname do Norte na esperança de criar uma oportunidade para uma resposta militar. [43]

Graças a numerosos relatos provenientes de fontes internas da administração Bush, nós sabemos que antes do 11 de setembro existia também um poderoso consenso pró guerra na cúpula do Estado. Esse consenso estava centrado em Dick Cheney, Donald Rumsfeld e na chamada facção do PNAC (o Projecto para o Novo Século Americano), que tinha desenvolvido um lobbing intenso a favor de uma acção militar contra o Iraque antes da eleição de George W. Bush.

Nós sabemos também que a resposta imediata de Rumsfeld aos atentados do 11 de setembro foi propor um ataque contra o Iraque, e que a planificação de tal ataque se iniciou a 17 de setembro de 2001. [44] Por consequência, é útil encarar a possibilidade que os indivíduos que protegeram os presumíveis piratas do ar tenham podido compartilhar essas ambições bélicas. [45]

(A Continuar...)

Tradução
Alva

[1] O Relatório da Comissão sobre o 11 de Setembro minimizou a importância de al-Bayumi (ver 9/11 Commission Report, pp.217-18); mas o Relatório da Comissão Mista do Congresso encarregue de investigar o 11 de setembro, apesar de consideravelmente censurado, oferece-nos informações que corroboram o anterior (pp.173-77). Estas incluem um relatório indicando que Basnan tinha organizado uma festa para o «xeque cego» Omar Abdel Rahman, implicado no primeiro atentado à bomba contra o World Trade Center 1993.

[2] Inicialmente, tal como outros observadores, eu suspeitei que estes dois homens eram agentes duplo sauditas. É igualmente possível que tivessem sido enviados aos Estados Unidos como alvos marcados para ser vigiados individualmente ou em conjunto por sauditas e norte-americanos. Um dos meus raros desacordos com Kevin Fenton sobrevem quando ele chama a al- Mihdhar «um dos agentes mais experientes [entre os piratas do ar]» (Fenton, Disconnecting the Dots, p.205). Pelo contrário, eu tenho antes a impressão que ele era um espião inexperiente ou incompetente, ou então alguém que se expunha deliberadamente à deteção para testar as capacidades de resposta dos EU.

[3] Summers, Eleventh Day, p.396.

[4] 9/11 Commission Report, p.184.

[5] Steve Coll, Ghost Wars: the secret history of the CIA, Afghanistan, and bin Laden, from the Soviet invasion to September 10, 2001 (Penguin, Nova Iorque, 2004), pp.456-57.

[6] Thomas E. Ricks y Susan B. Glasser, Washington Post, 14 de outubro de 2001.

[7] Ricks y Glasser, Washington Post, 14 de outubro de 2001.

[8] Michael Klare, Blood and Oil (Metropolitan Books/Henry Holt, Nova Iorque, 2004), pp.135-36; citando a R. Jeffrey Smith, «U.S. Leads Peacekeeping Drill in Kazakhstan», Washington Post, 15 de setembro de 1997. Cf. Kenley Butler, «U.S. Military Cooperation with the Central Asian States», 17 de setembro de 2001.

[9] Em 1957, como jovem diplomata canadiano, eu mesmo dispus de um acesso especial, que era uma acreditação de um nível superior ao «top secret», para consultar informações da OTAN – uma ligação relativamente aberta e direta.

[10] Para o relato de Ali Mohamed, ver Scott, La Route vers le Nouveau Désordre Mondial, pp.213-225 (capítulo 8).

[11] Ibidem, 158; citando a John Berger, «Unlocking 9/11: Paving the Road to 9/11»: «Ali Mohamed foi uma das principais Fontes do tristemente celébre Contacto Presidencial Cotidiano (PDB, siglas em inglês de Presidential Daily Briefing) de 6 de agosto de 2001entitulado “Bin Laden decidido a atacar os Estados Unidos”.» Na minha opinião, o PDB, frequentemente citado como um exemplo da boa performance da CIA, ilustra provavelmente mais como a Unidade Bin Laden engendrava o que iriam tornar-se os arquivos em antecipação aos controlos post-11 de setembro. Sem o mencionar, o PDB refere-se três vezes a Ali Mohamed descrevendo-o como uma ameaça, apesar do facto de estar então sob controlo das autoridades federais e de esperar a sua condenação devido ao seu papel nos atentados de 1998 contra as embaixadas norte-americanas. Por outras palavras, o PDB parece ter sido redigido para enfeitar os arquivos, tal como o trabalho de Wilshire no FBI, durante aquele mesmo mês de agosto de 2001.

[12] John Berger, Ali Mohamed, p.20 (Cloonan); 9/11 Commission Report, p.261 (PDB).

[13] James Risen, New York Times, 31 de outubro de 1998; em Scott, La Route vers le Nouveau Désordre Mondial, pp.439-41.

[14] Raleigh News and Observer, 13 de novembro de 2001; em Scott, La Route vers le Nouveau Désordre Mondial, pp.440-41. Eu juntei a palavra «exército». O Quartel-General do USSOCOM está situado em Forte MacDill, uma base aérea da US Air Force (Força Aérea-N d T) na Florida.

[15] Dana Priest e William M. Arkin, «‘Top Secret America’: A look at the military’s Joint Special Operations Command», Washington Post, 2 de setembro de 2011.

[16] Fenton, Disconnecting the Dots, pp.168-69; Summers, Eleventh Day, p.371, p.550.

[17] Ibidem, p.372.

[18] Scott, American War Machine, p.161; Scott, La Route vers le Nouveau Désordre Mondial, pp.101-03.

[19] Ahmed Rashid, Taliban: Militant Islam, oil, and fundamentalism in Central Asia (Yale UP, New Haven CT, 2000), p.129.

[20] John Prados, Safe for Democracy, p.489; conversação em Scott, American War Machine, pp.12-13.

[21] James Risen, State of War: the secret history of the CIA and the Bush administration (Free Press, Nova Iorque, 2006), pp.188-89.

[22] Fenton, Disconnecting the Dots, p.104.

[23] Summers, Eleventh Day, p.397.

[24] Joseph J. y Susan B. Trento, citados por Summers, Eleventh Day, p.399. Depois que apresentei este ensaio na conferência internacional de Toronto a 11 de setembro de 2011, «Bob Kerrey, [antigo senador] pelo Nebraska, um democrata que fez parte da [...] Comissão sobre o 11 de Setembro, [declarou] num testemunho sob juramento [...] que “importantes interrogações [permaneciam] sem respostas” quanto ao papel das instituições sauditas. “Nunca se seguiram verdadeiramente as provas indicando uma plausível implicação de agentes do governo saudita nos ataques do 11 de setembro”, declarou o Sr. Kerrey»(«Saudi Arabia May Be Tied to 9/11, 2 Ex-Senators Say», New York Times, 29 de fevereiro de 2011.). Para mais informações sobre este caso, não tratado pela media francesa, ver «11-Septembre: Deux anciens sénateurs US déposent sous serment et mettent en cause l’Arabie Saoudite (+ Vidéo) – 11 de Setembro: Dois antigos senadores dos EU depõem sob juramento e põem em causa a Arabia Saudita (+ Video) – N d T», ReOpen911, 5 de março de 2012.

[25] Wright, Looming Tower, p.161; citado por Summers, Eleventh Day, p.216.

[26] Este tipo de corrupção é previsível e está muito disseminada. Nos célebres exemplos de Gregory Scarpa e Whitey Bulger, agentes do FBI colocados nos gabinetes de Nova Iorque e de Boston,estes foram acusados de fornecer aos seus informadores da mafia dados que deram lugar a mortes de testemunhas e de rivais. Os agentes do antigo Departamento de Estupefacientes (FBN, sigla de Federal Bureau of Narcotics) em Nova Iorque envolveram-se de tal modo no tráfico de droga dos seus informantes que o FBN foi fechado e reorganizado.

[27] Ralph Blumenthal, «Tapes Depict Proposal to Thwart Bomb Used in Trade Center Blast», New York Times, 28 de outubro de 1993, informação anexada. No dia seguinte, o Times publicou uma pequena correção: «As transcrições das fitas gravadas em segredo por um informador, Emad A. Salem, mostram que este último tinha avisado o governo sobre o facto de estar a ser fabricada uma bomba. No entanto, as transcrições não permitem estabelecer claramente se as autoridades federais sabiam que o alvo era o World Trade Center.»

[28] Scott, La Route vers le Nouveau Désordre Mondial, pp.205-06.

[29] Peter Dale Scott, «La Bosnie, le Kosovo et à présent la Libye: les coûts humains de la collusion perpétuelle entre Washington et les terroristes», Mondialisation.ca, 17 de outubro de 2011. Evan Kohlmann descreveu como um escritório em Zagreb, aberto para ajudar os jihadistas apoiados pela Arabia Saudita na Bósnia, recebia «diretamente todas as suas ordens e os seus fundos da principal agência de al-Kifah nos Estados Unidos, situada na Atlantic Avenue [no Brooklyn] e controlada pelo xeque Omar Abdel Rahman» (Evan Kohlmann, Al-Qaida’s Jihad in Europe, pp. 39-41; citando Steve Coll e Steve LeVine, «Global Network Provides Money, Haven», Washington Post, 3 de agosto de 1993).

[30] Scott, La Route vers le Nouveau Désordre Mondial, pp.215-16, pp.440-41; citando o artigo «Canada freed top al-Qaeda operative», Globe and Mail de Toronto, 22 de novembro de 2001.

[31] Scott, ibidem, pp.213-225 (capítulo 8).

[32] Ali Soufan, The Black Banners, pp.94-95, p.561.

[33] A corrupção parece ser inevitável para as superpotências – estes Estados que acumularam um poderio excessivo face ao que é requerido para garantir a sua própria defesa. Este processo é menos perceptível em Estados menos poderosos, como Canadá.

[34] Peter Dale Scott, «America’s Afghanistan: The National Security and a Heroin-Ravaged State», Asia-Pacific Journal: Japan Focus, N°20, 18 de maio de 2009. Cf. «U.S. looks into Afghan air force drug allegations», CNN, 8 de março de 2012: «Os Estados Unidos estão em vias de investigar as acusações visando membros da força aérea afegã, que teriam utilizado os seus aviões para transportar droga, segundo declarou quinta-feira um porta-voz do exército norte-americano. Os investigadores querem saber se estas acusações de tráfico de droga, inicialmente reportadas no Wall Street Journal, têm relação com o tiroteio que matou 8 oficiais da US Air Force no aeroporto de Cabul, a capital afegã. “Verificamos as acusações sobre o uso indevido de aparelhos de AAF”, declarou o tenente-coronel Tim Staufer, referindo-se às alegações segundo as quais equipamento da força aérea afegã teria sido utilizado para transportar ilegalmente armas e droga.»

[35] Fenton, Disconnecting the Dots, p.310.

[36] Ibidem, p.371, cf. p.95.

[37] Ver «Quand l’état-major américain planifiait des attentats terroristes contre sa population», por Thierry Meyssan, e «Document déclassifié: L’Opération Northwoods (1962)», Réseau Voltaire, 5 de novembro de 2001.

[38] Comité de chefes de Estados-Maiores Inter-armas (JCS), «Courses of Action Related to Cuba (Case II)»; citado em Scott, American War Machine, p.196.

[39] Washington Post, 30 setembro de 2001; em Summers, Eleventh Day, p.293; cf. 9/11 Commission Report, pp.221-22.

[40] Ver Scott, American War Machine, pp.199-203.

[41] Fenton, Disconnecting the Dots, pp.360-61, p.385. É evidente que também houve uma retenção de informações nas altas esferas do Comando Misto Inter-armas (USJFCOM, sigla de US Joint Forces Command): «O vice-almirante Martin J. Meyer, comandante-em-chefe adjunto (DCINC) do USJFCOM, foi um dos responsáveis que assistiram ao briefing do DO5 [uma unidade de inteligência do USJFCOM encarregue da vigilância do terrorismo visando os Estados Unidos]. [...] No entanto, duas semanas antes do 11 de setembro, apesar dos alertas lançados durante aquela reunião, Meyer terá dito ao major-general Larry Arnold – o comandante do NORAD para a região continental dos Estados Unidos (CONR) – e a outros altos responsáveis do CONR que as suas inquietações sobre Osama bin Laden como possível ameaça para os Estados Unidos eram infundadas e que, citando-o,“ se toda gente deixasse simplesmente de ligar a CNN, não existiria nenhuma ameaça chamada Osama bin Laden’» (Jeffery Kaye e Jason Leopold, «EXCLUSIVE: New Documents Claim Intelligence on Bin Laden, al-Qaeda Targets Withheld From Congress’ 9/11 Probe», Truthout.org, 13 de junio de 2001).

[42] Scott, American War Machine, p.201.

[43] Ibidem, pp.200-02.

[44] Clarke, Against All Enemies, pp.30-33 ; Summers, Eleventh Day, pp.175-76 ; James Bamford, A Pretext for War, p.287.

[45] Mark Selden descreveu o processo da «exacerbação das paixões nacionalistas provocadas por ataques provenientes de não se sabe donde» como o elemento que «respaldou o “modo de guerra americano” desde 1898» (Mark Selden, «The American Archipelago of Bases, Military Colonization and Pacific Empire: Prelude to the Permanent Warfare State», a ser publicado em 2012, International Journal of Okinawan Studies).

 
A manipulação dos dados da inteligência pelo Estado profundo
A manipulação dos dados da inteligência pelo Estado profundo
O início da guerra do terror dos Estados Unidos (3/3)
 
A CIA, o 11 de setembro, o Afeganistão e a Ásia Central
A CIA, o 11 de setembro, o Afeganistão e a Ásia Central
O início da guerra do terror dos Estados Unidos (1/3)
 
Rede Voltaire

Voltaire, edição internacional

Este artigo encontra-se sob licença creative commons

Poderá reproduzir livremente os artigos da Rede Voltaire desde que cite a fonte, não modifique o conteúdo e não os utilize para fins comerciais (licença CC BY-NC-ND).

Apoiar a Rede Voltaire

Utilizando este site poderá encontrar análises de elevada qualidade que o ajudarão a formar a sua compreensão do mundo. Para continuar com este trabalho necessitamos da sua colaboração.
Ajude-nos através de uma contribuição.

Como participar na Rede Voltaire?

Os participantes na rede são todos voluntários.
Autores: diplomatas, economistas, geógrafos, historiadores, jornalistas, militares, filósofos, sociólogos ... poderá enviar-nos seus artigos.
Tradutores de nível profissional: pode participar na tradução de artigos.

O início da viragem do mundo
A estratégia russa face ao imperialismo anglo-saxónico
O início da viragem do mundo
Thierry Meyssan
Ucrânia, objectivo na mira
«A arte da guerra»
Ucrânia, objectivo na mira
Manlio Dinucci, Rede Voltaire
 
Os «salvadores» do Iraque
«A arte da guerra»
Os «salvadores» do Iraque
Manlio Dinucci, Rede Voltaire
 
Ofensiva global NATO
"A arte da guerra"
Ofensiva global NATO
Rede Voltaire
 
Quem é o inimigo?
Israel
Quem é o inimigo?
Thierry Meyssan, Rede Voltaire
 
A metamorfose de Bachar el-Assad
A metamorfose de Bachar el-Assad
Thierry Meyssan, Rede Voltaire
 
Extensão da guerra do gaz ao Levante
«Sob os nossos olhos»
Extensão da guerra do gaz ao Levante
Thierry Meyssan, Rede Voltaire