Rede Voltaire
«Sob os nossos olhos»

François Hollande quer armar os emiratos islâmicos

| Damasco (Síria)
+
JPEG - 24.3 kb
© Présidence de la République - Laurent Bienvennec

Na tribuna da Assembleia geral das Nações Unidas, a 25 de setembro, o presidente francês François Hollande tinha afirmado a sua convicção que a mudança de regime na Síria era « certa » e por consequência que Paris reconheceria « o governo provisório, representativo da nova Síria, assim que ele fosse formado ». Ele pensava poder designá-lo ele próprio apoiando-se para isso no Conselho nacional, organização fantoche criada pela DGSE e financiada pelo Catar.

No entanto, os Estados-Unidos foram rápidos a retomar o controlo das coisas. A secretária de Estado Hillary Clinton estigmatizou a representatividade do Conselho nacional, composto por gente que « há cerca de 20,30 ou 40 anos não vai à Síria » e organizou a sua imersão. Aquando da reunião de Doha, tida a 11 de novembro sob os auspícios da Liga árabe, o embaixador dos EU Robert Ford incorporou-o numa Coligação nacional, colocada diretamente sob o seu controlo. Isto não melhorou evidentemente o conhecimento da Síria pelas pessoas que já lá não iam « desde há 20, 30 ou 40 anos », mas modificou a opinião que o departamento de Estado tem sobre eles: logo que obedecem a Washington, são considerados como legítimos.

Entretanto, a França prossegue o seu sonho de recolonização da Síria. Na ONU, François Hollande pediu que o Conselho de segurança estabelecesse um mandato para administrar as « zonas libertadas pelos rebeldes »,baseado no modelo do mandato outorgado à França pela SDN – (Sociedade das Nações, N d T) - de 1923 a 1944 sobre a totalidade da Síria. Prosseguindo esta lógica, a França e o Conselho de cooperação do Golfe reconheceram a Coligação nacional síria como «o único representante legítimo do povo sírio » chamado a « constituir um governo provisório ». Por outro lado, Paris pediu à União europeia — que acaba de receber o Prémio Nobel da Paz – para levantar o embargo de armas, de maneira a poder aprovisionar as « zonas libertadas ».

Parece que os dirigentes franceses, levados pelas suas quimeras, não perceberam a gravidade dos seus propósitos se eles viessem a realizar-se. Trata-se nada mais, nada menos, que pôr em causa o princípio da soberania dos Estados-Nações, que forma a base do direito internacional desde o Tratado de Westfália, em 1648 ; um princípio tornado universal em 1945 com a Carta das Nações Unidas e a descolonização que se seguiu.

Goste-se ou não de Bachar el-Assad, é forçoso constatar que ele governa actualmente o essencial do território sírio com o apoio da maioria do povo sírio. Ora a França pretende abstrair-se desta realidade para poder definir arbitrariamente quem constitui o governo sírio. Nesta base, ela pensa dar-se o direito de administrar e de armar as « zonas libertadas » nas quais flutua a bandeira das três estrelas que já anteriormente impusera a este país. Este procedimento era admissível antes de 1945 para justificar certas formas de colonização, embora fosse recusado nas regiões do mundo onde se aplicava o princípio da soberania dos Estados-Nações.

Há 73 anos, a Alemanha impôs um Primeiro-ministro nazi em Viena e apoiou-se nisso para anexar a Áustria. Seguiram-se uma série de conquistas territoriais que apenas puderam ser paradas pela Segunda Guerra mundial. Não há nenhuma dúvida que se o raciocínio francês fosse aplicado, ele abriria a via a uma Terceira Guerra mundial, como o sublinhou Bachar el-Assad na sua entrevista de 8 de novembro à Russia Today.

Os dirigentes franceses não parecem ter percebido que forma prática tomaria o seu projeto se o viessem a aplicar. O que eles chamam « zonas libertadas » são regiões de contornos fluidos e incertos controlados por brigadas do ESL (exército sírio livre- N d T). A única vez em que uma destas zonas ficou estável foi num quarteirão no sudoeste de Homs, no final de 2011- início de2012. A Katiba ( Falange - N d T) Al-Farouk proclamou lá o Emirato islâmico de Baba Amr. As escolas foram destruídas e a Sharia, ( conjunto de leis religiosas islâmicas-N d T ), tornou-se a Lei. Todos os habitantes não-sunitas foram caçados e mais de 150 pessoas foram condenadas por um « tribunal revolucionário » a serem degoladas em público.

Quatro meses após a queda deste Emirato islâmico, o presidente François Hollande recebeu com grande pompa em Paris alguns dos seus líderes em fuga. Foi a 6 de julho por ocasião da reunião do « Grupo dos amigos do povo sírio » (sic). No presente, a França encara a hipótese de apoiar a criação de novos Emiratos islâmicos no território de um Estado soberano, membro das Nações Unidas.

Nestas condições, a França teria de reconhecer o Emirato islâmico do Afeganistão a par do Paquistão e da Arabia Saudita em vez de estar a sacrificar 88 dos seus soldados para combater os Talibãs. E não se percebe porque é que ela mantem ainda relações diplomáticas com a Federação da Rússia em lugar de reconhecer o governo provisório da Ichkeria (Chechénia).

Coloquemos de lado este raciocínio pelo seu absurdo. Em 1970, a Assembleia geral das Nações Unidas adotou a resolução nº 2625 explicitando os princípios do Direito internacional redigidos na Carta. Este texto proclama : « Todos os Estados se devem também abster de organizar, de ajudar, de fomentar, de financiar, de encorajar ou de tolerar actividades armadas subversivas ou terroristas destinadas a mudar pela violência o regime de um outro Estado assim como de intervir nas lutas intestinas de um outro Estado ». Enquanto presidente da República francesa, é dever de François Hollande ser o garante do respeito destes princípios.

Tradução
Alva

Thierry Meyssan

Thierry Meyssan Intelectual francês, presidente-fundador da Rede Voltaire e da conferência Axis for Peace. As suas análises sobre política externa publicam-se na imprensa árabe, latino-americana e russa. Última obra em francês: L’Effroyable imposture: Tome 2, Manipulations et désinformations (ed. JP Bertrand, 2007). Última obra publicada em Castelhano (espanhol): La gran impostura II. Manipulación y desinformación en los medios de comunicación (Monte Ávila Editores, 2008).

 
O início da viragem do mundo
O início da viragem do mundo
A estratégia russa face ao imperialismo anglo-saxónico
 
Extensão da guerra do gaz ao Levante
Extensão da guerra do gaz ao Levante
«Sob os nossos olhos»
 
Rede Voltaire

Voltaire, edição internacional

Este artigo encontra-se sob licença creative commons

Poderá reproduzir livremente os artigos da Rede Voltaire desde que cite a fonte, não modifique o conteúdo e não os utilize para fins comerciais (licença CC BY-NC-ND).

Apoiar a Rede Voltaire

Utilizando este site poderá encontrar análises de elevada qualidade que o ajudarão a formar a sua compreensão do mundo. Para continuar com este trabalho necessitamos da sua colaboração.
Ajude-nos através de uma contribuição.

Como participar na Rede Voltaire?

Os participantes na rede são todos voluntários.
Autores: diplomatas, economistas, geógrafos, historiadores, jornalistas, militares, filósofos, sociólogos ... poderá enviar-nos seus artigos.
Tradutores de nível profissional: pode participar na tradução de artigos.

O início da viragem do mundo
A estratégia russa face ao imperialismo anglo-saxónico
O início da viragem do mundo
Thierry Meyssan
Ucrânia, objectivo na mira
«A arte da guerra»
Ucrânia, objectivo na mira
Manlio Dinucci, Rede Voltaire
 
Os «salvadores» do Iraque
«A arte da guerra»
Os «salvadores» do Iraque
Manlio Dinucci, Rede Voltaire
 
Ofensiva global NATO
"A arte da guerra"
Ofensiva global NATO
Rede Voltaire
 
Quem é o inimigo?
Israel
Quem é o inimigo?
Thierry Meyssan, Rede Voltaire
 
A metamorfose de Bachar el-Assad
A metamorfose de Bachar el-Assad
Thierry Meyssan, Rede Voltaire
 
Extensão da guerra do gaz ao Levante
«Sob os nossos olhos»
Extensão da guerra do gaz ao Levante
Thierry Meyssan, Rede Voltaire
 
O «Curdistão», versão israelita
«Sob os nossos olhos»
O «Curdistão», versão israelita
Thierry Meyssan, Rede Voltaire