Rede Voltaire
Um lobista da Shell à cabeça da Coligação nacional síria

As múltiplas caras do xeque Ahmad Moaz Al-Khatib

Totalmente desconhecido do público internacional, ainda apenas há uma semana, o xeque Moaz al-Khatib foi propulsado a presidente da Coligação nacional síria, representando a oposição pró-ocidental ao governo de Damasco. Descrito através de uma intensa campanha de relações públicas como uma alta personalidade moral sem ligações partidárias ou económicas, ele é na realidade membro dos Irmãos muçulmanos e quadro da companhia petrolífera Shell.

| Damasco (Síria)
+
JPEG - 58.8 kb
O xeque Ahmad Moaz Al-Khatib

A decomposição da oposição síria armada reflete os conflitos entre os países que tratam de impor a « mudança de regime » em Damasco.
O componente mais falado é o Conselho Nacional Sírio (CNS), conhecido também como Conselho de Istambul, por ter sido constituído nessa cidade turca. Controlado com mão de ferro pela DGSE [1] e financiado pelo Catar. Os seus membros, a quem se concedeu o direito de residência em França e diversas facilidades, estão debaixo da pressão constante dos serviços secretos, que lhes ditam até as mínimas declarações.
Os Comités Locais de Coordenação (CLC) representam, no terreno, os civis que apoiam a luta armada.
E, finalmente, o Exército Sírio Livre (ESL), controlado principalmente pela Turquia, ao que pertencem a maioria dos combatentes, incluindo as brigadas da al-kaida. Cerca de 80% das suas unidades reconhecem como seu chefe espiritual o xeque takfirista Adnan Al-Arour, que reside na Arábia Saudita.

Tentando de recuperar o controlo e por ordem nesta cacofonia, Washington orientou a Liga Árabe para convocar uma reunião em Doha, torpedeou o CNS e obrigou o maior número possível de grupúsculos a integrar uma estrutura única : a Coligação Nacional de Forças da Oposição e da Revolução.

Nos bastidores, foi o próprio embaixador norte-americano Robert S. Ford que distribuiu os postos e as prebendas. Para terminar, ele impôs como presidente da Coligação uma personalidade que nunca antes havia sido mencionada na imprensa : o xeque Ahmad Moaz Al-Khatib.

JPEG - 18.6 kb
O embaixador norte-americano Robert S. Ford

Robert S. Ford é considerado como o principal especialista do Médio Oriente no Departamento de Estado. Foi o assistente de John Negroponte, de 2004 a 2006, quando o este mestre-espião norte-americano aplicou no Iraque o método que ele tinha elaborado nas Honduras : o uso intensivo de esquadrões da morte e de Contras. Pouco antes do começo dos incidentes na Síria, o presidente Obama nomeou-o embaixador em Damasco, cargo que assumiu apesar da oposição do Senado norteamericano. Ele aplicou imediatamente o método Negroponte, à Síria com os resultados que se conhecem.

JPEG - 16.4 kb
A esposa do embaixador Robert S. Ford, Alison Barkley, supervisiona a logística da embaixada dos Estados Unidos na Arábia Saudita.

Embora a criação da Coligação Nacional confirme que Washington retoma o controlo da oposição armada, esse acto em si mesmo não resolve o problema da sua representatividade. Vários componentes do E.S.L. rapidamente expressaram o seu desacordo com ela. Sobretudo porque a Coligação exclui das suas fileiras a oposição hostil à luta armada, como a Coordenação Nacional pela Mudança Democrática de Haytham al-Manna.

A escolha do xeque Ahmad Moaz al-Khatib como presidente responde a uma necessidade de aparência : para obter o reconhecimento dos combatentes, o presidente da Coligação tinha que ser um religioso ; mas para ser aceite pelos ocidentais, tinha que parecer um moderado. O mais importante é que, neste período de intensas negociações, era preciso que este presidente tivesse sólidos conhecimentos para discutir o futuro do gás sírio… embora disto não convenha falar-se em público.

Rapidamente, os especialistas americanos de marketing modificaram o look do xeque Ahmad Moaz al-Khatib metendo-o dentro de um traje de fato sem gravata. Vários media transformaram-no já num líder « modelo ». Por exemplo, um grande quotidiano norte-americano apresenta-o como « um produto único da sua cultura, como Aung San Suu Kyi na Birmânia » [2].

Vejamos o retrato que faz deste personagem a Agência France Presse (AFP) :

« Xeque Ahmad Moaz Al-Khatib, o homem do consenso

Nascido em 1960, o xeque Ahmad Moaz al-Khatib é um religioso moderado que foi por um tempo imã da Mesquita dos Omeídas de Damasco e não pertence a nenhum partido político.
Foi essa independência, e a sua proximidade com Riad Seif promotor da iniciativa de uma coligação ampla, que fez dele um candidato de consenso para a direção da oposição.
Surgido do islão sufi, este dignatário religioso, que estudou relações internacionais e diplomacia, não está ligado nem aos Irmãos Muçulmanos nem a nenhuma força de oposição islamista.
Detido em varias ocasiões em 2012 por ter apelado publicamente à queda do regime de Damasco, foi proibido de fazer uso da palavra nas mesquitas por ordem das autoridades e encontrou refúgio no Catar.
Originário de Damasco, desempenhou um papel decisivo na mobilização na periferia da capital, sobretudo em Duma, muito activa desde o começo da mobilização pacífica em março de 2011.
“O xeque al-Khatib é uma figura de consenso que goza de um verdadeiro apoio popular no terreno” sublinha Khaled al-Zeini, membro do Conselho Nacional Sírio (CNS). » [3].

A verdade é muito diferente.

JPEG - 14.8 kb
O xeque Ahmad Moaz al- Khatib, já metamorfoseado, em traje ocidental e sem gravata.

Não existe nenhum indício de que o xeque Ahmad Moaz al- Khatib tenha estudado alguma vez algo parecido a relações internacionais e diplomacia, mas ele tem uma formação de engenheiro em geofísica e trabalhou durante 6 anos para a al- Furat Petroleum Company (de 1985 a 1991). Esta companhia é una joint-venture entre a companhia nacional e várias companhias estrangeiras, entre elas a anglo-holandesa Shell, à que ele se manteve vinculado.
Em 1992 herdou do seu pai, o xeque Mohammed Abu al-Faraj al-Khatib, o prestigioso cargo de pregador na Mesquita dos Omeídas. Foi rápidamente afastado dessas funções e foi proibido de pregar em território sírio. No entanto este episódio não foi em 2012 e nem teve nada que ver com a actual contestação, mas sim há 20 anos, sob governo de Hafez al-Assad. A Síria apoiava então a intervenção internacional para libertar o Kuweit,quer por respeito ao direito internacional como para acabar com o rival iraquiano e aproximar-se do Ocidente. Mas o xeque opôs-se à Tempestade do Deserto por motivos religiosos que eram os mesmos que proclamava… Osama Ben Laden –cujas ideias ele defendia então–, especificamente quanto à recusa da presença ocidental em terras da Arábia, considerada como um sacrilégio. Isto conduziu-o a proferir arengas anti-semitas e anti-ocidentais.
Em seguida, o xeque dedicou-se a uma actividade de ensino religioso, nomeadamente no Instituto Neerlandés de Damasco. Ele empreendeu numerosas viagens ao estrangeiro, principalmente aos Países Baixos, Grã-Bretanha e Estados Unidos. Finalmente, fixou-se no Catar.
Em 2003-2004, voltou à Síria como lobista do grupo Shell aquando da atribuição das concessões para a prospecção de petróleo e de gás.
Em princípios de 2012, regressou novamente à Síria onde incendiou os protestos no bairro de Duma (nos arrabaldes de Damasco). Preso e posteriormente amnistiado, saiu do país em julho e instalou-se no Cairo.
A sua família é de tradição sufi. No entanto, contrariamente às afirmações da AFP, o xeque é membro da confraria dos Irmãos Muçulmanos, e aliás mostrou-o no final do seu discurso de investidura em Doha. Seguindo a técnica habitual da Irmandade, ele não só adapta a forma mas também o conteúdo dos seus discursos ao auditório que tem pela frente. Por vezes é favorável a uma sociedade multi-religiosa, outras é pela implantação da sharia. Nos seus escritos, qualifica as pessoas de religião judaica como « inimigos de Deus » e aos muçulmanos shiitas como « hereges rejeicionistas », qualificativos que equivalem a uma condenação à morte.

Definitivamente, o embaixador Robert S. Ford fez uma bela jogada. Uma vez mais os Estados Unidos enrolam os seus aliados. Tal como na Líbia, a França assumiu todos os riscos mas, na grande partilha que se anuncia, a Total não obterá nenhuma concessão vantajosa.

Tradução
Alva

[1] A Direcção Geral de Segurança Exterior é o serviço de inteligencia externa da França. NdT

[2] «A model leader for Syria?», editorial do Christian Science Monitor, 14 de novembro de 2012.

[3] «Un religieux, un ex-député et une femme à la tête de l’opposition syrienne», AFP, 12 de novembro de 2012.

Thierry Meyssan

Thierry Meyssan Intelectual francês, presidente-fundador da Rede Voltaire e da conferência Axis for Peace. As suas análises sobre política externa publicam-se na imprensa árabe, latino-americana e russa. Última obra em francês: L’Effroyable imposture: Tome 2, Manipulations et désinformations (ed. JP Bertrand, 2007). Última obra publicada em Castelhano (espanhol): La gran impostura II. Manipulación y desinformación en los medios de comunicación (Monte Ávila Editores, 2008).

 
O início da viragem do mundo
O início da viragem do mundo
A estratégia russa face ao imperialismo anglo-saxónico
 
Extensão da guerra do gaz ao Levante
Extensão da guerra do gaz ao Levante
«Sob os nossos olhos»
 
Rede Voltaire

Voltaire, edição internacional

Este artigo encontra-se sob licença creative commons

Poderá reproduzir livremente os artigos da Rede Voltaire desde que cite a fonte, não modifique o conteúdo e não os utilize para fins comerciais (licença CC BY-NC-ND).

Apoiar a Rede Voltaire

Utilizando este site poderá encontrar análises de elevada qualidade que o ajudarão a formar a sua compreensão do mundo. Para continuar com este trabalho necessitamos da sua colaboração.
Ajude-nos através de uma contribuição.

Como participar na Rede Voltaire?

Os participantes na rede são todos voluntários.
Autores: diplomatas, economistas, geógrafos, historiadores, jornalistas, militares, filósofos, sociólogos ... poderá enviar-nos seus artigos.
Tradutores de nível profissional: pode participar na tradução de artigos.

O início da viragem do mundo
A estratégia russa face ao imperialismo anglo-saxónico
O início da viragem do mundo
Thierry Meyssan
Ucrânia, objectivo na mira
«A arte da guerra»
Ucrânia, objectivo na mira
Manlio Dinucci, Rede Voltaire
 
Os «salvadores» do Iraque
«A arte da guerra»
Os «salvadores» do Iraque
Manlio Dinucci, Rede Voltaire
 
Ofensiva global NATO
"A arte da guerra"
Ofensiva global NATO
Rede Voltaire
 
Quem é o inimigo?
Israel
Quem é o inimigo?
Thierry Meyssan, Rede Voltaire
 
A metamorfose de Bachar el-Assad
A metamorfose de Bachar el-Assad
Thierry Meyssan, Rede Voltaire
 
Extensão da guerra do gaz ao Levante
«Sob os nossos olhos»
Extensão da guerra do gaz ao Levante
Thierry Meyssan, Rede Voltaire
 
O «Curdistão», versão israelita
«Sob os nossos olhos»
O «Curdistão», versão israelita
Thierry Meyssan, Rede Voltaire