Rede Voltaire

Novo plano de invasão contra a Síria

+

A França, o Reino Unido, Israel e o Catar preparam um enésimo plano de ingerência na Síria. À volta de 6 000 jihadistas, 4 000 de entre eles provenientes do Líbano, poderiam atacar a qualquer momento o bairro residencial de Mazzeh, a sul de Damasco, onde se acham numerosas embaixadas e residências de altos responsáveis civis e militares. Orquestrar-se-ia além disso um incidente com armas químicas no outro extremo do país como meio de agravar a tensão. O cenário inclui um general traidor que afirmaria ter tomado o controlo do poder e que pediria ajuda aos ocidentais, justificando assim uma intervenção militar estrangeira sem mandato da ONU. Várias tentativas de golpe de Estado militar foram orquestrados já pelos ocidentais ao longo de 2012. Todos fracassaram e nada permite crer que desta vez possa suceder o contrário.

O tempo esgota-se para os países que se opõem à aplicação do plano de paz de Genebra, concluído entre os Estados Unidos e a Rússia, já que o ditoplano, que deve ser apresentado ao Conselho de Segurança da ONU em fevereiro de 2013, ou seja precisamente depois da confirmação da nova administração Obama por parte do Senado norte-americano. Isso implica que todo o tipo de novas intentonas anti-governamentais preparadas no exterior tenham que produzir-se durante os dois próximos meses.

Ignora-se ainda como reagirão a Rússia e o Irão ante a nova operação contra a Síria. O presidente russo Vladimir Putin declarou que está pronto para defender a Síria «até às ruas de Moscovo», ou seja que está disposto a entrar em guerra. Pela sua parte, o Irão assinalou sempre que a Síria faz parte da sua linha de defesa e, por conseguinte, que não a deixará só. Ainda que estas declarações fossem como palavras ao vento, ao tomar a iniciativa de iniciar uma intervenção militar contra a Síria, os governos da França, Grã- Bretanha, Israel e Catar estariam a arriscar-se a provocar um incêndio generalizado na região.

Tradução
Alva

Rede Voltaire

Voltaire, edição internacional

Este artigo encontra-se sob licença creative commons

Poderá reproduzir livremente os artigos da Rede Voltaire desde que cite a fonte, não modifique o conteúdo e não os utilize para fins comerciais (licença CC BY-NC-ND).

Apoiar a Rede Voltaire

Utilizando este site poderá encontrar análises de elevada qualidade que o ajudarão a formar a sua compreensão do mundo. Para continuar com este trabalho necessitamos da sua colaboração.
Ajude-nos através de uma contribuição.

Como participar na Rede Voltaire?

Os participantes na rede são todos voluntários.
Autores: diplomatas, economistas, geógrafos, historiadores, jornalistas, militares, filósofos, sociólogos ... poderá enviar-nos seus artigos.
Tradutores de nível profissional: pode participar na tradução de artigos.

O início da viragem do mundo
A estratégia russa face ao imperialismo anglo-saxónico
O início da viragem do mundo
Thierry Meyssan
Ucrânia, objectivo na mira
«A arte da guerra»
Ucrânia, objectivo na mira
Manlio Dinucci, Rede Voltaire
 
Os «salvadores» do Iraque
«A arte da guerra»
Os «salvadores» do Iraque
Manlio Dinucci, Rede Voltaire
 
Ofensiva global NATO
"A arte da guerra"
Ofensiva global NATO
Rede Voltaire
 
Quem é o inimigo?
Israel
Quem é o inimigo?
Thierry Meyssan, Rede Voltaire
 
A metamorfose de Bachar el-Assad
A metamorfose de Bachar el-Assad
Thierry Meyssan, Rede Voltaire
 
Extensão da guerra do gaz ao Levante
«Sob os nossos olhos»
Extensão da guerra do gaz ao Levante
Thierry Meyssan, Rede Voltaire
 
O «Curdistão», versão israelita
«Sob os nossos olhos»
O «Curdistão», versão israelita
Thierry Meyssan, Rede Voltaire