Rede Voltaire
«Sob os nossos olhos»

Fiasco Sírio, não há responsáveis em Washington

+
JPEG - 30.9 kb

Na hora da sua retirada, a secretária de Estado Hillary Clinton defendeu o seu trabalho numa entrevista dada ao New York Times. [1]. Circunstancialmente, ela acrescentou em «off» algumas confidencias aos jornalistas que as introduziram num artigo em separado. [2].

Preocupada em conservar as suas “chances” para a eleição presidencial de 2016, ela esforçou-se em atirar a responsabilidade do seu falhanço na Síria sobre o presidente Barack Obama. Na esteira de dois anos de guerra secreta, os grupos armados encarregados de justificar uma intervenção da OTAN, depois incapazes de derrubar o regime por si mesmos, perderam a sua aura de «revolucionários» para aparecer como simples fanáticos. Vivo e continuando sempre no cargo, o presidente Bachar el- Assad é mais do que nunca incontornável. A diplomacia dos E.U. que anunciava a cada semana a «queda do tirano» saiu ridicularizada, enquanto a Rússia e a China, que a bateram por três vezes com os seus vetos, saíram como os grandes vencedores.

Tudo isto deriva, segundo a secretária de Estado cessante, de não a terem escutado devidamente. Com o seu antigo inimigo, tornado entretanto seu aliado, o director da CIA David Petraeus, ela tinha submetido à Casa-Branca, em fins de Junho de 2012, um plano de apoio militar aos grupos combatentes. Mas o presidente Obama, preocupado apenas com a sua reeleição, infelizmente rejeitou-o em proveito do Protocolo de Genebra negociado por Kofi Annan.

Ter-se-ia tratado de retomar as coisas em mão já que estavam mal orientadas pela França, pelo Reino-Unido e pelos Estados do Golfo. Estes, ainda por cima, apoiados em repulsivos jihadistas. Pelo contrário, a secretária de Estado trabalharia para «criar uma oposição legitima que teria servido, através de negociações, para deslegitimar o presidente el-Assad». Afim de reparar os erros dos outros (França, R. Unido e C.C.Golfo - NdT), ela teria pois proposto que os Estados-Unidos armassem e enquadrassem directamente os grupos combatentes.

Durante a sua audição pela Comissão das Forças armadas do Senado, o chefe de Estado-maior Martin Dempsey confirmou a existência deste plano. Ele acrescentou que o secretário da Defesa Leon Panetta e ele próprio apoiavam tal plano.

A verdade é menos poética. Partindo do princípio que ela trabalhou para derrubar o regime criando para tal «uma oposição legítima», quer dizer «democrática e multi-confessional», a Sra Clinton admite que tal oposição não existia e nem nunca chegou a existir até aos dias de hoje. Mais, ela admite que a legitimidade estava e permanece do lado do presidente el-Assad.

Tornando público que ela apresentou um plano de intervenção ao presidente Obama em Junho, ela admite que sempre se opôs ao Protocolo de Genebra. E tudo leva a crer que foi realmente ela e David Petraeus quem o sabotaram na altura. Contrariamente ao que ela declara, as preocupações eleitorais de Barack Obama não o pressionaram a rejeitar o plano, mas sim a não sancionar imediatamente os que sabotaram o Protocolo anunciado pelo comunicado de Genebra. A Casa-Branca esperou, pois, pelo dia seguinte à vitoria eleitoral para forçar o general Petraeus à demissão. Talvez também tenha (a Casa-Branca, NdT) tomado a iniciativa que se impunha para neutralizar Hillary Clinton e a manter um longo mês longe do seu gabinete.

As revelações do general Dempsey a propósito do seu apoio e do de Léon Panetta visam, também, esconder isto atrás de um biombo. Entretanto, como as responsabilidades são diferentes, eles agem de maneira diferente também. Para eles, declarar que estavam prontos a intervir mostra que não falharam e portanto não têm nenhuma responsabilidade no fiasco. Na realidade, foram eles quem, após os vetos russos e chineses, validaram a análise segundo a qual se podia derrubar o regime sírio utilizando para tal os «contras» em grande escala.

Seja como for, o facto que os dirigentes cessantes em Washington procurem justificar-se confirma o voltar da página. Obama muda de equipa e de política.

Tradução
Alva

Fonte
Al-Watan (Síria)

[1] « Interview With Hillary Clinton » par Michael R. Gordon et Mark Lander, The New York Times, 2 février 2012.

[2] « Backstage Glimpses of Clinton as Dogged Diplomat, Win or Lose » par Michael R. Gordon et Mark Lander, The New York Times, 2 février 2012.

Thierry Meyssan

Thierry Meyssan Intelectual francês, presidente-fundador da Rede Voltaire e da conferência Axis for Peace. As suas análises sobre política externa publicam-se na imprensa árabe, latino-americana e russa. Última obra em francês: L’Effroyable imposture: Tome 2, Manipulations et désinformations (ed. JP Bertrand, 2007). Última obra publicada em Castelhano (espanhol): La gran impostura II. Manipulación y desinformación en los medios de comunicación (Monte Ávila Editores, 2008).

 
Rede Voltaire

Voltaire, edição internacional

Este artigo encontra-se sob licença creative commons

Poderá reproduzir livremente os artigos da Rede Voltaire desde que cite a fonte, não modifique o conteúdo e não os utilize para fins comerciais (licença CC BY-NC-ND).

Apoiar a Rede Voltaire

Utilizando este site poderá encontrar análises de elevada qualidade que o ajudarão a formar a sua compreensão do mundo. Para continuar com este trabalho necessitamos da sua colaboração.
Ajude-nos através de uma contribuição.

Como participar na Rede Voltaire?

Os participantes na rede são todos voluntários.
Autores: diplomatas, economistas, geógrafos, historiadores, jornalistas, militares, filósofos, sociólogos ... poderá enviar-nos seus artigos.
Tradutores de nível profissional: pode participar na tradução de artigos.