Rede Voltaire
«Sob os nossos olhos»

Fiasco Sírio, não há responsáveis em Washington

+
JPEG - 30.9 kb

Na hora da sua retirada, a secretária de Estado Hillary Clinton defendeu o seu trabalho numa entrevista dada ao New York Times. [1]. Circunstancialmente, ela acrescentou em «off» algumas confidencias aos jornalistas que as introduziram num artigo em separado. [2].

Preocupada em conservar as suas “chances” para a eleição presidencial de 2016, ela esforçou-se em atirar a responsabilidade do seu falhanço na Síria sobre o presidente Barack Obama. Na esteira de dois anos de guerra secreta, os grupos armados encarregados de justificar uma intervenção da OTAN, depois incapazes de derrubar o regime por si mesmos, perderam a sua aura de «revolucionários» para aparecer como simples fanáticos. Vivo e continuando sempre no cargo, o presidente Bachar el- Assad é mais do que nunca incontornável. A diplomacia dos E.U. que anunciava a cada semana a «queda do tirano» saiu ridicularizada, enquanto a Rússia e a China, que a bateram por três vezes com os seus vetos, saíram como os grandes vencedores.

Tudo isto deriva, segundo a secretária de Estado cessante, de não a terem escutado devidamente. Com o seu antigo inimigo, tornado entretanto seu aliado, o director da CIA David Petraeus, ela tinha submetido à Casa-Branca, em fins de Junho de 2012, um plano de apoio militar aos grupos combatentes. Mas o presidente Obama, preocupado apenas com a sua reeleição, infelizmente rejeitou-o em proveito do Protocolo de Genebra negociado por Kofi Annan.

Ter-se-ia tratado de retomar as coisas em mão já que estavam mal orientadas pela França, pelo Reino-Unido e pelos Estados do Golfo. Estes, ainda por cima, apoiados em repulsivos jihadistas. Pelo contrário, a secretária de Estado trabalharia para «criar uma oposição legitima que teria servido, através de negociações, para deslegitimar o presidente el-Assad». Afim de reparar os erros dos outros (França, R. Unido e C.C.Golfo - NdT), ela teria pois proposto que os Estados-Unidos armassem e enquadrassem directamente os grupos combatentes.

Durante a sua audição pela Comissão das Forças armadas do Senado, o chefe de Estado-maior Martin Dempsey confirmou a existência deste plano. Ele acrescentou que o secretário da Defesa Leon Panetta e ele próprio apoiavam tal plano.

A verdade é menos poética. Partindo do princípio que ela trabalhou para derrubar o regime criando para tal «uma oposição legítima», quer dizer «democrática e multi-confessional», a Sra Clinton admite que tal oposição não existia e nem nunca chegou a existir até aos dias de hoje. Mais, ela admite que a legitimidade estava e permanece do lado do presidente el-Assad.

Tornando público que ela apresentou um plano de intervenção ao presidente Obama em Junho, ela admite que sempre se opôs ao Protocolo de Genebra. E tudo leva a crer que foi realmente ela e David Petraeus quem o sabotaram na altura. Contrariamente ao que ela declara, as preocupações eleitorais de Barack Obama não o pressionaram a rejeitar o plano, mas sim a não sancionar imediatamente os que sabotaram o Protocolo anunciado pelo comunicado de Genebra. A Casa-Branca esperou, pois, pelo dia seguinte à vitoria eleitoral para forçar o general Petraeus à demissão. Talvez também tenha (a Casa-Branca, NdT) tomado a iniciativa que se impunha para neutralizar Hillary Clinton e a manter um longo mês longe do seu gabinete.

As revelações do general Dempsey a propósito do seu apoio e do de Léon Panetta visam, também, esconder isto atrás de um biombo. Entretanto, como as responsabilidades são diferentes, eles agem de maneira diferente também. Para eles, declarar que estavam prontos a intervir mostra que não falharam e portanto não têm nenhuma responsabilidade no fiasco. Na realidade, foram eles quem, após os vetos russos e chineses, validaram a análise segundo a qual se podia derrubar o regime sírio utilizando para tal os «contras» em grande escala.

Seja como for, o facto que os dirigentes cessantes em Washington procurem justificar-se confirma o voltar da página. Obama muda de equipa e de política.

Tradução
Alva

Fonte
Al-Watan (Síria)

[1] « Interview With Hillary Clinton » par Michael R. Gordon et Mark Lander, The New York Times, 2 février 2012.

[2] « Backstage Glimpses of Clinton as Dogged Diplomat, Win or Lose » par Michael R. Gordon et Mark Lander, The New York Times, 2 février 2012.

Thierry Meyssan

Thierry Meyssan Intelectual francês, presidente-fundador da Rede Voltaire e da conferência Axis for Peace. As suas análises sobre política externa publicam-se na imprensa árabe, latino-americana e russa. Última obra em francês: L’Effroyable imposture: Tome 2, Manipulations et désinformations (ed. JP Bertrand, 2007). Última obra publicada em Castelhano (espanhol): La gran impostura II. Manipulación y desinformación en los medios de comunicación (Monte Ávila Editores, 2008).

 
O início da viragem do mundo
O início da viragem do mundo
A estratégia russa face ao imperialismo anglo-saxónico
 
Rede Voltaire

Voltaire, edição internacional

Este artigo encontra-se sob licença creative commons

Poderá reproduzir livremente os artigos da Rede Voltaire desde que cite a fonte, não modifique o conteúdo e não os utilize para fins comerciais (licença CC BY-NC-ND).

Apoiar a Rede Voltaire

Utilizando este site poderá encontrar análises de elevada qualidade que o ajudarão a formar a sua compreensão do mundo. Para continuar com este trabalho necessitamos da sua colaboração.
Ajude-nos através de uma contribuição.

Como participar na Rede Voltaire?

Os participantes na rede são todos voluntários.
Autores: diplomatas, economistas, geógrafos, historiadores, jornalistas, militares, filósofos, sociólogos ... poderá enviar-nos seus artigos.
Tradutores de nível profissional: pode participar na tradução de artigos.

O início da viragem do mundo
A estratégia russa face ao imperialismo anglo-saxónico
O início da viragem do mundo
Thierry Meyssan
Ucrânia, objectivo na mira
«A arte da guerra»
Ucrânia, objectivo na mira
Manlio Dinucci, Rede Voltaire
 
Os «salvadores» do Iraque
«A arte da guerra»
Os «salvadores» do Iraque
Manlio Dinucci, Rede Voltaire
 
Ofensiva global NATO
"A arte da guerra"
Ofensiva global NATO
Rede Voltaire
 
Quem é o inimigo?
Israel
Quem é o inimigo?
Thierry Meyssan, Rede Voltaire
 
A metamorfose de Bachar el-Assad
A metamorfose de Bachar el-Assad
Thierry Meyssan, Rede Voltaire