Rede Voltaire
A crise económica da União Europeia vista desde América Latina

Na verdade o que a Troika busca

Apesar dos milhares de milhões de euros já desembolsados... para salvar a banca, a crise que estremece as economias da União Europeia não minga nem pela Fé. Não seria mais correcto denominá-la burla?

| Cidade do México (México)
+
JPEG - 19.1 kb

A Europa vai de mal a pior e até a Alemanha já vê as orelhas ao lobo com o abrandar das suas exportações. Em Espanha, o aumento do IVA [ imposto sobre valor acrescentado] tem sido letal para o consumo interno. Como mortais são também os cortes nos ordenados dos funcionários públicos, os despedimentos, o congelamento das pensões e os cortes nas prestações para os desempregados, que chegam agora a 26%. Enquanto, a segurança social perde cada vez mais contribuintes e descontos mês após mês.

Em Portugal, consolida-se a tendência para o pagamento de uma série de serviços de saúde pública, o que torna mais vulneráveis os cidadãos, enquanto outra reforma laboral embaratece mais o despedimento e o aumento dos impostos empobrece cada vez mais os cidadãos comuns (não os ricos). Todas essas medidas, ás que se junta a privatização de diversas empresas públicas, são um puro saque. E que dizer da Grécia?

Uma recente investigação do Center for Economic and Policy Research – (Centro para a Pesquisa Económica e Política, NdT) dos Estados Unidos demonstra que as políticas de austeridade que o Fundo Monetário Internacional (FMI) impõe à Europa são muito prejudiciais para a imensa maioria dos cidadãos, porque provocam efeitos contrários aos que dizem buscar. Talvez por isso começam a ouvir-se algumas vozes críticas contra a política de austeridade.

O próprio Olivier Blanchard, economista-chefe do FMI, reconheceu que é um erro recomendar, sem nuances, cortes de ordenado aos governos europeus, porque isso pode travar o crescimento económico. Mas os economistas do FMI obstinam-se em manter essa política, em vez de emendá-la, e inclusivé insistem em que os funestos resultados actuais não significam que a política de austeridade seja «má». Apesar da ruína do povo português, o FMI aconselha Passos Coelho, o primeiro-ministro de Portugal, que despeça mais funcionários, que alargue o horário laboral dos empregados públicos (pagando-lhes o mesmo soldo), que reduza ainda mais os subsídios por desemprego e que baixe cada vez mais as pensões “para ser competitivo”.

Talvez para o FMI seja irrelevante que o desemprego alcance já 17% e que o PIB (produto interno bruto) já vá retroceder cerca de 1,5 em 2013. Que significa ser «competitivo» se a maioria dos cidadãos se afunda na pobreza?

Será assim tão estúpida a Troika? A resposta está na história mais recente.

Em 1953, apenas 4 anos após a sua fundação, a República Federal da Alemanha afundava-se sob o peso das suas dívidas a ameaçava arrastar na sua queda aos demais países europeus. Naquela altura, os 21 países credores da RFA reuniram-se em Londres e decidiram ajustar as suas exigências à capacidade de pagamento do país devedor. Reduziram a dívida acumulada em 60% e concederam uma moratória de 5 anos mais um adiamento de 30 anos para o reembolso e, além disso, incluíram nos acordos uma cláusula de desenvolvimento que estabelecia que o país devedor – recordemos que se tratava da República Federal da Alemanha – dedicaria ao pagamento da dívida só a vigésima parte de seus ganhos com as exportações.

Porque não age a Europa hoje da mesma maneira?

Talvez porque o objetivo real prioritário da Troika não seja cobrar a dívida. Talvez porque o que se procura é desmantelar os direitos sociais na Europa (o mal chamado Estado de bem-estar, porque lhe podem pedir que tenha menos bem-estar, mas não que renuncie aos seus direitos). Talvez porque esta crise permite que a minoria rica aumente obscenamente os seus ganhos, como o demonstram os dados.

Mas o que interessa é anular a maior parte da dívida porque se trata, além do mais, de uma dívida impagável. Como explica John Ralston, há que acabar com toda a dívida porque essa dívida está afundando a Europa. E, metaforicamente, propõe Ralston que «guardemos» a dívida num envelope, que escrevamos nele «muito importante», que o metamos numa gaveta, a fechemos à chave e... atiremos a chave fora.

Se não se anular grande parte da dívida, ao mesmo tempo que se refaçam os sistemas fiscais progressivos e se comece a arrumar como deve ser os paraísos fiscais, e também a banca da “sombra”, à Europa não a salvará nem a misericórdia divina. Se a houver.

Tradução
Alva

Fonte
Contralínea (México)

Este artigo encontra-se sob licença creative commons

Poderá reproduzir livremente os artigos da Rede Voltaire desde que cite a fonte, não modifique o conteúdo e não os utilize para fins comerciais (licença CC BY-NC-ND).

Apoiar a Rede Voltaire

Utilizando este site poderá encontrar análises de elevada qualidade que o ajudarão a formar a sua compreensão do mundo. Para continuar com este trabalho necessitamos da sua colaboração.
Ajude-nos através de uma contribuição.

Como participar na Rede Voltaire?

Os participantes na rede são todos voluntários.
Autores: diplomatas, economistas, geógrafos, historiadores, jornalistas, militares, filósofos, sociólogos ... poderá enviar-nos seus artigos.
Tradutores de nível profissional: pode participar na tradução de artigos.

O início da viragem do mundo
A estratégia russa face ao imperialismo anglo-saxónico
O início da viragem do mundo
Thierry Meyssan
Ucrânia, objectivo na mira
«A arte da guerra»
Ucrânia, objectivo na mira
Manlio Dinucci, Rede Voltaire
 
Os «salvadores» do Iraque
«A arte da guerra»
Os «salvadores» do Iraque
Manlio Dinucci, Rede Voltaire
 
Ofensiva global NATO
"A arte da guerra"
Ofensiva global NATO
Rede Voltaire
 
Quem é o inimigo?
Israel
Quem é o inimigo?
Thierry Meyssan, Rede Voltaire
 
A metamorfose de Bachar el-Assad
A metamorfose de Bachar el-Assad
Thierry Meyssan, Rede Voltaire
 
Extensão da guerra do gaz ao Levante
«Sob os nossos olhos»
Extensão da guerra do gaz ao Levante
Thierry Meyssan, Rede Voltaire
 
O «Curdistão», versão israelita
«Sob os nossos olhos»
O «Curdistão», versão israelita
Thierry Meyssan, Rede Voltaire