Rede Voltaire

François Hollande, sionista de sempre

François Hollande fez-se eleger presidente cultivando ambiguidades. Bastaria, no entanto, ler as suas declarações prévias para constatar o apoio sem falha ao Estado de Israel. A mudança que ele havia anunciado aos seus eleitores não se verificou. Foi pelo contrário a continuidade com a política do seu predecessor. Constata-se assim que a França abandonou progressivamente a sua política de independência para se alinhar ao lado dos Estados Unidos e do último Estado colonial.

| Damasco (Síria)
+
JPEG - 29.7 kb
Valérie Trierweiler e François Hollande recebidos por Shimon Pérès e Benyamin Netanyahu (18 de novembro de 2013).

Certos comentadores explicaram a posição francesa aquando das negociações 5+1 com o Irão como ditadas pela Arábia Saudita, ou fazendo ainda referência ao judaísmo do seu ministro dos Negócios Estrangeiros(Relações Exteriores-Br), Laurent Fabius. Ora, é ignorar que, em nove anos, a política francesa no Próximo- Oriente mudou profundamente.

Tudo começou, em 2004, com a rotura entre Jacques Chirac e Bachar el-Assad. O presidente sírio tinha prometido ao seu homólogo francês favorecer a Total(companhia Francesa de petróleo-ndT) num concurso oficial. Mas, quando a proposta francesa chegou ao palácio presidencial, ela era tão desvantajosa para o país que o presidente mudou de opinião. Furioso, Jacques Chirac rompeu com a Síria e apresentou a resolução 1559 ao Conselho de segurança.

Depois os Franceses elegeram Nicolas Sarkozy, sem saber que ele tinha sido parcialmente criado por um dos principais chefes da CIA, Frank Wisner Jr. Como se lhe não bastasse ter sido fabricado pelos Estados Unidos, ele arranjou uma descoberta de raízes judias e cultivou com afinco as suas relações israelitas(israelenses-Br). A sua política internacional era ditada por Washington, mas como na época não havia diferença entre a de Israel e a dos Estados Unidos, ele surgia de facto como fazendo bloco com eles.

Durante dez anos, François Hollande havia sido designado como secretário geral do seu partido em razão da sua mediocridade: não dirigindo nenhuma corrente, e não sendo vassalo de nenhum líder, ele podia controlar a situação mantendo para isso um equilíbrio entre os pretendentes ao Eliseu (palácio-sede da presidência Francesa- ndT). Ele esforçou-se para nunca mostrar uma opinião pessoal que o vinculasse a ser o mais transparente possível. De tal maneira que, durante a sua campanha eleitoral presidencial, qualquer um cria estar perante um homem moderado que saberia rodear- se de personalidades experimentadas. Os seus eleitores foram nisto as primeiras vítimas.

A real face de François Hollande só se revelou uma vez chegado ao Eliseu. Perito em política interna, ele não sabia grande coisa de relações internacionais. Neste domínio, as suas convicções advinham-lhe de ilustres personalidades socialistas.

Assim, colocou a sua investidura sob os auspícios de Jules Ferry, teórico da colonização. No Le Figaro, o seu amigo, o presidente israelita Shimon Perez comparou-o, elogiosamente, a Léon Blum e a Guy Mollet, mesmo que este último não seja particularmente popular em França. Em 1936, o primeiro havia proposto copiar o Reino Unido(refca do autor à Declaração Balfour-ndT) para criar o Estado de Israel no Líbano, que estava então sob mandato francês. Em 1956, o segundo tentou apoderar-se do Canal do Suez com a ajuda do exército israelita.

Durante os seus dez anos à cabeça do Partido socialista, François Hollande limitou as suas intervenções sobre o Próximo-Oriente, eis, pois, aqui um breve ramalhete:
• Em 2000, enquanto o Sul do Líbano é ocupado, ele prepara com Bertrand Delanoe a viagem do Primeiro-ministro Lionel Jospin à Palestina. O seu discurso inclui uma condenação do Hezbolá, que ele assimila a um grupo terrorista.
• Em 2001, ele exigiu a demissão do geo-politólogo Pascal Boniface, culpado por ter criticado, numa nota interna, o apoio cego do Partido a Israel.
• Em 2004, ele escreveu ao Conselho superior do Audiovisual para questionar a autorização de licença de emissão dada à Al-Manar. Ele só parou as pressões quando a cadeia (TV-ndT) da Resistência foi abafada.
• Em 2005, ele foi recebido, à porta fechada, pelo Conselho representativo das instituições judaicas de França(CRIF). Segundo o relato transpirado da reunião, teria dado o seu apoio a Ariel Sharon, e teria criticado vivamente a política árabe gaulista. Ele terá declarado: « há uma tendência que remonta ao passado, e que chamam de política árabe da França e não é admissível que uma administração tenha uma ideologia. Há um problema de recrutamento no Quai d’Orsay(ministério dos Negócios estrangeiros da França-ndT) e na ENA, e este recrutamento deveria ser reformulado».
• Em 2006, ele tomou posição contra o presidente Ahmadinejad que convidara para Teerão rabinos e historiadores, alguns dos quais negacionistas (que negam o Holocausto-ndT). Ele fingiu ignorar o sentido do congresso, que visava mostrar que os Europeus tinham substituído a sua cultura cristã pela religião do Holocausto. E, a contra-senso, ele explica que o presidente iraniano entende negar o direito dos Israelitas a existir e que se apresta a prosseguir o Holocausto.
• Ele mobilizou-se pela libertação do soldado israelita Gilad Shalit, com a desculpa que este teria a dupla nacionalidade francesa. Pouco importa que o jovem tenha sido feito prisioneiro enquanto servia num exército de ocupação, em guerra contra a Autoridade palestina igualmente aliada da França.
• Em 2010, ele publicou, junto com Bertrand Delanoe e Bernard-Henri Lévy, uma carta aberta no Le Monde para se opôr ao boicote dos produtos israelitas. Segundo ele, o boicote seria uma punição colectiva, infligida também aos Israelitas que trabalham para a paz com os Palestinos. Um raciocínio que ele não mostrara aquando de campanha similar contra o apartheid na África do Sul.

Em conclusão, antes da aproximação franco-saudita, e mesmo antes de ser presidente, François Hollande tinha já expresso o seu apoio ao Estado colonial israelita. E ele havia já condenado o eixo da Resistência (Irão, Síria, Hezbolá). A verdade é, pois, inversa: aplicando o Acordo de Quincy a Arábia saudita reaproximou-se da França devido à sua política pró-israelita.

A política do Partido socialista em geral e de François Hollande em particular encontra as suas raízes no colonialismo do século XIXo, onde Jules Ferry era um dos arautos e Theodor Herzl um promotor. Hoje em dia, os sionistas do partido reagruparam-se, por iniciativa de Dominique Strauss-Kahn, no seio do discreto e poderoso Circulo Léon Blum, ...cujo presidente honorário, Jean-Marc Ayrault, se tornou o actual Primeiro-ministro de François Hollande.

Tradução
Alva

Fonte
Al-Watan (Síria)

Thierry Meyssan

Thierry Meyssan Intelectual francês, presidente-fundador da Rede Voltaire e da conferência Axis for Peace. As suas análises sobre política externa publicam-se na imprensa árabe, latino-americana e russa. Última obra em francês: Sous nos yeux. Du 11-Septembre à Donald Trump. Outra obras : L’Effroyable imposture: Tome 2, Manipulations et désinformations (ed. JP Bertrand, 2007). Última obra publicada em Castelhano (espanhol): La gran impostura II. Manipulación y desinformación en los medios de comunicación (Monte Ávila Editores, 2008).

 
Rede Voltaire

Voltaire, edição internacional

Este artigo encontra-se sob licença creative commons

Poderá reproduzir livremente os artigos da Rede Voltaire desde que cite a fonte, não modifique o conteúdo e não os utilize para fins comerciais (licença CC BY-NC-ND).

Apoiar a Rede Voltaire

Utilizando este site poderá encontrar análises de elevada qualidade que o ajudarão a formar a sua compreensão do mundo. Para continuar com este trabalho necessitamos da sua colaboração.
Ajude-nos através de uma contribuição.

Como participar na Rede Voltaire?

Os participantes na rede são todos voluntários.
- Tradutores de nível profissional: pode participar na tradução de artigos.