Rede Voltaire
«Sob os nossos olhos»

O Curdistão e o Califado

Em poucas semanas, duas entidades, às quais poucas pessoas garantiam um futuro, estão em vias de o concretizar: o Curdistão e o Califado. A análise de Thierry Meyssan, segundo quem estas duas entidades agem, ambas, sob instigação de Washington, é confirmada pelos acontecimenos. Ele examina aqui os últimos desenvolvimentos.

| Damasco (Síria)
+
JPEG - 19.1 kb

Desde a queda de Mossul eu afirmava que a guerra actual no Iraque não devia ser interpretada como uma acção do EIIL, mas sim como uma ofensiva combinada dos jihadistas e do governo local curdo, afim de aplicar o plano norte-americano de remodelagem do país [1]. Estava, então, sózinho, e esta visão das coisas ia contra a corrente. Três semanas depois ela tornou-se evidente.

A criação do Curdistão

A 20 de junho, Israel comprava ao governo local curdo o petróleo que ele havia roubado em Kirkurk, apesar do alerta internacional emitido pelo governo federal iraquiano [2]. O trânsito do petróleo tinha sido facilitado pelo EIIL, que controla o oleoduto, e pela Turquia que deixou a mercadoria ser carregada num navio-tanque no porto (turco-ndT) de Ceyhan.

A 25 de junho, os partidos políticos curdos do Iraque punham de lado as suas discordâncias e formavam um governo de unidade local. Até aí, eles estavam divididos entre duas grandes coligações (coalizões-Br), uma pró-turca e pró-israelita dirigida pelo Partido democrático do Curdistão (PDK) dos Barzani (clã-ndT), e o outro pró-iraniano e pró-sírio, dirigido pela União patriótica do Curdistão (UPK) de Talabani (Jalal-ndT). A união, entre estas duas facções, não teria sido possível sem um acordo prévio entre Telavive, Washington e Teerão (Teerã-Br).

Mendi Safadi, um responsável político druso que assegura a ligação entre Israel e os Contras na Síria, transmitia a Reuven Rivlin uma carta do Partido curdo de esquerda na Síria para o felicitar pela sua eleição para o Knesset (parlamento de Israel-ndT), e apelar ao seu apoio à criação de um Curdistão independente, às custas da Síria e do Iraque.

A 26 e 27 de junho, o ministro britânico dos Negócios Estrangeiros (Relações Exteriores-Br), William Hague, estava de visita a Bagdade e Erbil. Como estabelecido, ele apelou ao Primeiro-ministro, Nouri al-Maliki, para formar um governo inclusivo, sabendo de antemão que ele não o faria. Este exercício estilístico fez sorrir a imprensa londrina, para a qual o seu conselho chegava «um pouco tarde» [3]. Depois, ele discutiu com Massoud Barzani a independência futura do Curdistão. Como de costume a passagem dos britânicos é um momento decisivo.

A 29 de junho o Primeiro-ministro israelita, Benyamin Netanyahou, quebrava o tabu: anunciava que Israel apoiava a criação de um Estado curdo independente, aquando de um discurso no Instituto para os estudos de Segurança Nacional, da universidade de Telavive. Prudentemente ele absteve-se de precisar as fronteiras, que poderão sempre vir a evoluir com o tempo [4].

A 3 de julho o presidente do governo local do Curdistão, Massoud Barzani, apelava ao seu parlamento para organizar um referendo de autodeterminação. Sem surpresa, a Casa Branca comentava publicamente reiterando o seu apoio a «um Iraque democrático, pluralista e unido», enquanto o vice-presidente Joe Biden recebia, em privado, o chefe de gabinete de M. Barzani, Fouad Hussein, para afinar os detalhes do referendo.

Não parece que o PDK (maioritário no Iraque, mas uma minoria na Síria) seja capaz de organizar um referendo em simultâneo nos dois países. Washington deverá, pois, dar-se por satisfeito com um Curdistão separado do Iraque actual, e remeter para mais tarde as partições da Síria e da Turquia. No período actual, ele multiplica as mensagens apaziguadoras em direcção a Damasco, (com o qual volta a falar de novo), e para Ancara que não acredita em nada disso.

A pergunta que toda a gente se coloca é qual será a política externa deste novo Estado. Até aqui Barzani tinha conseguido criar uma ilha de prosperidade, mas tinha- a alinhado com Israel. Se esta opção se mantiver isso modificaria completamente as relações estratégicas na região.

O espectro do Califado

No entretanto o EIIL (rebatizado IA) proclamou o Califado. Num longo texto lírico, salpicado com citações do Alcorão, ele anunciou que tendo sido capaz de impôr a Sharia no vasto território sob seu controle, na Síria e no Iraque, chegara à conclusão que o tempo do Califado tinha chegado. Anunciou ter eleito Califa o seu chefe, Abu Bakr al-Baghdadi, e que todo o crente, onde quer que se encontrasse, tem o dever de a isso se submeter [5]. Como nenhuma fotografia do novo chefe de Estado foi difundida ninguém pode saber se al-Bagdhadi realmente existe, ou se o nome do «califa Ibrahim» não é mais que um engodo.

Embora a tomada do norte do Iraque tenha sido bem recebida por uma parte do mundo muçulmano, duvida-se que esta pretensão a governá-lo, como um todo, não tenha sido apreciada de modo muito diferente.

A Al-Qaida no Magrebe Islâmico (AQMI) tem dado o seu apoio «aos heróis do Emirado Islâmico». Enquanto a Al-Qaida na Península Arábica (AQAP) enviou-lhe os seus melhores votos de êxito e de vitórias. Os outros grupos afiliados à Al-Qaida, como o Boko Haram, na Nigéria, e a Shabaab na Somália, deverão jurar fidelidade em breve. Assistir-se-ia assim, a uma mutação Al-Qaida, que passaria do estatuto (estatus-Br) de rede terrorista internacional para o de Estado não reconhecido.

Seja como fôr, o EI continua a progredir com cautela. Ele sabe lutar dentro de certos limites, e é cuidadoso para não ofender os interesses de Washington e seus aliados, inclusive os circunstanciais. Assim, em Samarra, ele cuidadosamente evitou atacar os mausoléus dos imãs xiitas de forma a não provocar o Irão (Irã-Br).

Desde já, muitas vozes se levantam em Washington para confirmar a remodelação do Iraque. Assim, Michael Hayden, antigo director da NSA e da CIA, pronuncia na Fox News o seguinte veredicto: «Com a conquista pelos insurgentes da maior parte do território sunita, o Iraque praticamente já deixou de existir. A partição é inevitável». As suas declarações são acompanhadas por pedidos de intervenção. O antigo assessor de George Bush, depois embaixador no Iraque de Barack Obama, James Jeffrey, comentou: «[Os jihadistas] nunca pararam, mesmo quando eu estava lá em 2010 e 2011. Eles foram completamente vencidos e perderam a sua população. Nós estávamos nos seus calcanhares e eles não se conseguiram aguentar. Não há nenhum meio de os conseguir moderar, nenhum modo de os conter, há que limpá-los». A imprensa atlantista interpreta estas tomadas de posição como um debate entre partidários da divisão do Iraque e de apoio da sua unidade, pela força. Na verdade, o programa de Washington não poderia ser mais claro: primeiro deixar os jihadistas particionar o Iraque, (e possívelmente a Arábia Saudita), em seguida esmagá-los, uma vez o seu trabalho concluído.

Nesta perspectiva o presidente Obama ouve os conselheiros e arrasta o assunto ao máximo. Em violação dos acordos de Defesa iraquiano-americanos ele só enviou para o local 800 homens, dos quais apenas 300 para orientar as forças iraquianas, os outros estando destinados à protecção da sua embaixada.

Tradução
Alva

Fonte
Al-Watan (Síria)

[1] «Washington relança o seu projecto de partição do Iraque» ; «Jihadismo e indústria petrolífera»; «EIIL que alvo após o Iraque», por Thierry Meyssan, Al- Watan/Rede Voltaire, 16, 23, 30 Junho de 2014.

[2] “Israel accepts first delivery of disputed Kurdish pipeline oil” (Ing-«Israel aceita primeiro fornecimento de disputado petróleo de oleoduto Curdo»-ndT) , por Julia Payne, Reuters, 20 junho de 2014.

[3] «William Hague flies in to Baghdadwith an appeal for unity – but it’s a bit late for that» (Ing-«W.Hague voa para Bagdade com apelo à unidade—mas é um pouco tarde par tal»-ndT), por Patrick Cockburn, The Independent, 26 junho de 2014.

[4] «Address by PM Netanyahu at the Institute for National Security Studies» (Ing-«Discurso do PM Netanyahu no Instituto para os Estudos de Segurança Nacional»-ndT), PM’s Office, 29 junho de 2014.

[5] «Proclamation du Califat» (Fr-«Proclamação do Califado»-ndT), Réseau Voltaire, 1er juillet 2014.

Thierry Meyssan

Thierry Meyssan Intelectual francês, presidente-fundador da Rede Voltaire e da conferência Axis for Peace. As suas análises sobre política externa publicam-se na imprensa árabe, latino-americana e russa. Última obra em francês: Sous nos yeux. Du 11-Septembre à Donald Trump. Outra obras : L’Effroyable imposture: Tome 2, Manipulations et désinformations (ed. JP Bertrand, 2007). Última obra publicada em Castelhano (espanhol): La gran impostura II. Manipulación y desinformación en los medios de comunicación (Monte Ávila Editores, 2008).

 
O islão político contra a China
O islão político contra a China
O Pentágono prepara uma nova guerra no Sudeste da Ásia
 
Rede Voltaire

Voltaire, edição internacional

Este artigo encontra-se sob licença creative commons

Poderá reproduzir livremente os artigos da Rede Voltaire desde que cite a fonte, não modifique o conteúdo e não os utilize para fins comerciais (licença CC BY-NC-ND).

Apoiar a Rede Voltaire

Utilizando este site poderá encontrar análises de elevada qualidade que o ajudarão a formar a sua compreensão do mundo. Para continuar com este trabalho necessitamos da sua colaboração.
Ajude-nos através de uma contribuição.

Como participar na Rede Voltaire?

Os participantes na rede são todos voluntários.
- Tradutores de nível profissional: pode participar na tradução de artigos.