Rede Voltaire

Djibuti, a primeira base naval do exército chinês no exterior

+

A construção de uma base naval chinesa, civil-militar, em Obock (Djibuti) foi anunciada há mais de um ano. Os trabalhos acabam de arrancar, disse o porta-voz do Ministério da Defesa, o coronel Wu Qia, a 25 de Fevereiro de 2016.

A 25 de Fevereiro de 2014, os ministros da Defesa da China e do Djibuti, o general Chang Wanquan e Darar Houffaneh, assinavam um acordo de parceria estratégica autorizando a Marinha chinesa a utilizar um porto já existente.

Em maio de 2015, o Presidente Ismail Omar Guelleh anunciava que estavam a decorrer negociações para construir uma base naval chinesa no seu país. A 21 de Janeiro de 2016, o porta-voz do Ministério Chinês dos Negócios Estrangeiros, Hong Lei, confirmava que as discussões haviam sido concluídas pelo Presidente Xi aquando da sua viagem a Joanesburgo, para a cimeira do Fórum de Cooperação sino-africano.

No contexto da instalação chinesa em Djibuti e da instalação de 10. 000 homens em África, a República Popular irá construir uma linha de caminho de ferro(estrada de ferro-br) ligando Djibuti a Addis-Abeba no montante de US $ 3 bilhões de dólares.

Obock será a primeira base naval chinesa de dupla utilização, civil e militar, no estrangeiro desde a odisseia do almirante Zheng He, o «grande-eunuco das três jóias», que no XVº século tentou restaurar a «rota da seda» por via marítima, precisamente com o Djibuti.

Oficialmente esta «instalação» naval será utilizada na luta contra os piratas somalis. No entanto, ela terá, sobretudo, por função garantir a segurança da nova «rota da seda» marítima.

A Marinha chinesa tinha já evacuado, em Março e Abril de 2015, os seus expatriados do Iémene. Tratou-se de uma primeira operação deste tipo fora da esfera de influência tradicional de Pequim.

A Índia observa com inquietação a implantação militar chinesa à sua volta torno.

Tradução
Alva

Rede Voltaire

Voltaire, edição internacional

Este artigo encontra-se sob licença creative commons

Poderá reproduzir livremente os artigos da Rede Voltaire desde que cite a fonte, não modifique o conteúdo e não os utilize para fins comerciais (licença CC BY-NC-ND).

Apoiar a Rede Voltaire

Utilizando este site poderá encontrar análises de elevada qualidade que o ajudarão a formar a sua compreensão do mundo. Para continuar com este trabalho necessitamos da sua colaboração.
Ajude-nos através de uma contribuição.

Como participar na Rede Voltaire?

Os participantes na rede são todos voluntários.
- Tradutores de nível profissional: pode participar na tradução de artigos.