Rede Voltaire

Síria : talvez a guerra limitada ?

Cada vez que o Exército Árabe Sírio bate os jiadistas, novos combatentes se infiltram, aos milhares, no país. Forçoso é constatar que esta guerra é alimentada do exterior, e que ela durará tanto, quanto, para aí se enviar combatentes para morer. Assim sendo, será preciso compreender as razões externas que a fazem prosseguir sem parar. Então e só então, se poderá elaborar uma estratégia que poupe vidas.

| Damasco (Síria)
+
JPEG - 49.4 kb
A antiga «Rota da Seda» ligava o Irão à costa Síria, atravessando o Iraque e passando por Palmira. É geograficamente impossível abrir outras grandes vias de comunicação através do deserto. Por consequência, a cidade tornou-se o centro do jogo na guerra da Síria. Após ter sido ocupada durante um ano pelo Daesh(E.I.), ela foi libertada pelo Exército Árabe Sírio e acaba de acolher dois concertos, televisionados na Síria e na Rússia, para celebrar a vitória sobre o terrorismo.

Eis que há mais de cinco anos que a Síria está em guerra. Aqueles que apoiaram este conflito explicavam-no, à partida, pelo avançar das «primaveras árabes». Mas, hoje, mais ninguém mantêm este discurso. Simplesmente porque os governos saídos destas «primaveras» foram já derrubados. Longe de serem uma promoção democrática, estes acontecimentos eram apenas uma táctica de mudança de regimes laicos a favor dos Irmãos Muçulmanos.

Pretende-se agora que a «primavera» síria foi desviada por outras forças; que a «revolução» –-que nunca existiu--- teria sido devorada por jiadistas bem reais.

Como o fez ressaltar o Presidente Vladimir Putin, em primeiro lugar o comportamento dos Ocidentais e dos países do Golfo é incoerente. É impossível, no campo de batalha, combater, ao mesmo tempo, tanto os jiadistas como a República e fingir tomar uma terceira posição. Ora, ninguém assumiu publicamente a sua escolha, de tal modo que a guerra prossegue.

A verdade é que esta guerra não tem nenhuma causa interna. É o fruto de um ambiente não regional, mas, antes global. Quando ela foi declarada pelo Congresso dos EUA, ao votar o Syrian Accountability Act (Lei de Responsabilização da Síria- ndT), em 2003, o objectivo de Dick Cheney era deitar a mão às gigantescas reservas de gaz do país. Sabe-se, hoje em dia, que o «pico petrolífero» do crude oil(petróleo bruto) não marca o fim do petróleo e que Washington vai, em breve, explorar outras formas de hidrocarbonetos no Golfo do México. O objectivo estratégico dos Estados Unidos mudou, portanto. Agora, é para travar o desenvolvimento económico e político da China e da Rússia, forçando-as a comerciar exclusivamente pelas rotas marítimas controladas pelos seus porta-aviões.

Desde a sua chegada ao poder, em 2012, o Presidente Xi Jinping anunciou a intenção do seu país de superar esta limitação e construir duas rotas comerciais continentais em direcção à União Europeia. A primeira, sobre o antigo traçado da Rota da Seda, a segunda via Rússia até à Alemanha. De imediato dois conflitos surgiram: primeiramente a guerra na Síria não teve, nunca, como objetivo mudar o regime, mas criar o caos, enquanto o mesmo caos se instalava, sem outra razão, na Ucrânia. Depois, a Bielorrússia aproximou-se da Turquia e dos Estados Unidos, estendendo ao Norte a divisão da Europa em duas. Assim, estes dois conflitos, sem fim, cortam as duas Rotas.

A boa nova, é que ninguém pode negociar uma vitória na Ucrânia contra uma derrota na Síria, uma vez que as duas guerras têm o mesmo objectivo. A má notícia, é que o caos continuará, em ambas as frentes, enquanto a China e a Rússia não conseguirem construir um outro eixo de comunicação.

Por consequência, não há nada a esperar de uma negociação com pessoas que são pagas para fazer durar o conflito. Mais valia fazer prova de pragmatismo, aceitar a ideia que estas guerras não são mais do que meios para Washington cortar as Rotas da Seda. Só nessa altura será possível desenovelar os muitos interesses em jogo, e estabilizar todas as áreas habitadas.

Tradução
Alva

Fonte
Al-Watan (Síria)

Thierry Meyssan

Thierry Meyssan Intelectual francês, presidente-fundador da Rede Voltaire e da conferência Axis for Peace. As suas análises sobre política externa publicam-se na imprensa árabe, latino-americana e russa. Última obra em francês: Sous nos yeux. Du 11-Septembre à Donald Trump. Outra obras : L’Effroyable imposture: Tome 2, Manipulations et désinformations (ed. JP Bertrand, 2007). Última obra publicada em Castelhano (espanhol): La gran impostura II. Manipulación y desinformación en los medios de comunicación (Monte Ávila Editores, 2008).

 
Na ONU, a incapacidade USA de admitir a realidade
Na ONU, a incapacidade USA de admitir a realidade
Quatro vetos sucessivos sobre a mentira de Khan Sheikhun
 
Rede Voltaire

Voltaire, edição internacional

Este artigo encontra-se sob licença creative commons

Poderá reproduzir livremente os artigos da Rede Voltaire desde que cite a fonte, não modifique o conteúdo e não os utilize para fins comerciais (licença CC BY-NC-ND).

Apoiar a Rede Voltaire

Utilizando este site poderá encontrar análises de elevada qualidade que o ajudarão a formar a sua compreensão do mundo. Para continuar com este trabalho necessitamos da sua colaboração.
Ajude-nos através de uma contribuição.

Como participar na Rede Voltaire?

Os participantes na rede são todos voluntários.
- Tradutores de nível profissional: pode participar na tradução de artigos.