Rede Voltaire

A Itália é uma base dos EUA para a África

| Roma (Itália)
+
JPEG - 21.6 kb

Enquanto os holofotes político-midiáticos se voltam para a Síria, no centro de uma colossal operação psicológica para fazer com que os agredidos apareçam como agressores, fica na sombra aquilo que ocorre em outras partes do Oriente Médio e na África.

Estados Unidos, Arábia Saudita, Catar, Kuweit e Emirados – que há cinco anos conduzem a guerra na Síria com forças terroristas infiltradas e agora acusam o governo sírio de crimes de guerra patrocinando a mostra fotográfica Caesar que se inaugura esta semana em Roma – continuam a provocar massacres de civis no Iêmen. Na guerra participa o Comando central estadunidense com ataques “antiterrorismo”, oficialmente documentados, efetuados no Iêmen dom drones e caças-bombardeiros.

Ainda mais na sombra, na sobertura da mídia, ficam as operações militares dos EUA na África, sob a condução do Comando África (Africom), que tem na Itália dois importantes comandos subordinados.

O US Army Africa (Exército dos EUA para a África), cujo quartel general é a caserna Ederle de Vicenza (Veneza), “fornece o comando das missões e emprega forças para o teatro de operações”, fornecendo ao mesmo tempo assistência militar aos parceiros africanos para garantir “segurança e estabilidade” no continente.

As US Naval Forces Europe-Africa (Forças Navais dos EUA para a Europa e a África), cujo quartel general é a base de Capodichino em Nápoles, são constituídas por seis task force formadas pelos navios de guerra da Sexta Frota baseada em Gaeta. Sua “área de responsabilidade” cobre a Rússia, a Europa e a África (exceto o Egito que entra na do Comando central), incluída metade do Atlântico do Polo Norte à Antártida. Estão sob as ordens da admirala Michelle Howard, que ao mesmo tempo é a chefe do Comando da força conjunta aliada (JFC-Naples) com quartel general em Lago Patria (Nápoles).

Com essas forças, inclusive os caças dos porta-aviões e drones armados com base em Sigonella, os EUA estão intensificando as operações militares na África. Os ataques aéreos, efetuados em agosto na Líbia com a motivação de conter o avanço do chamado Estado Islâmico (ameaça que foi agigantada), servem na realidade ao plano de reconquista e recolonização da Líbia, onde operam há tempos forças especiais estadunidenses e europeias. Mas este é apenas o ponto saliente do “grande jogo” africano.

Entre as suas muitas “missões”, o Africom está construindo no Níger uma base de drones armados, oficialmente para combater o “terrorismo”. Essa base serve às operaçções militares que os EUA conduzem há anos, com a França, na região do Sahel, na África, sobretudo no Mali, Níger e Chade. Países dos mais pobres do mundo (com uma taxa de analfabetismo que no Níger é de 70% entre os homens e de 90% entre as mulheres), mas riquíssimos em matérias primas – coltan e ouro no Mali, urânio no Níger, petróleo no Chade – exploradas pelas multinacionais estadunidenses e francesas que temem a concorrência das empresas chinesas, que oferecem aos países africanos condições muito mais favoráveis.

Outra operação militar dos EUA, com drones e forças especiais, está em curso na Somália, país de primeira importância geoestratégica.

Ao mesmo tempo, o US Army Africa penetra no continente com programas de “cooperação para a segurança” cujo verdadero escopo é formar elites militares a serviço dos EUA. Com o mesmo escopo os navios de guerra das US Naval Forces Africa percorrem a costa africana para fornecer “assistência à segurança marítima”. Não se negligencia nem mesmo a assistência espiritual: o capelão do barco anfíbio de assalto Wasp celebrou por videoconferência do Mediterrâneo a Santa Missa para os marinheiros do navio de guerra Santo Antônio engajada em uma missão na África.

Tradução
José Reinaldo Carvalho
Editor do site Resistência

Fonte
Il Manifesto (Itália)

Este artigo encontra-se sob licença creative commons

Poderá reproduzir livremente os artigos da Rede Voltaire desde que cite a fonte, não modifique o conteúdo e não os utilize para fins comerciais (licença CC BY-NC-ND).

Apoiar a Rede Voltaire

Utilizando este site poderá encontrar análises de elevada qualidade que o ajudarão a formar a sua compreensão do mundo. Para continuar com este trabalho necessitamos da sua colaboração.
Ajude-nos através de uma contribuição.

Como participar na Rede Voltaire?

Os participantes na rede são todos voluntários.
- Tradutores de nível profissional: pode participar na tradução de artigos.