Rede Voltaire

Cessar-fogo na Síria assinado pelos jiadistas à excepção da al-Qaida e do Daesh (EI)

+

Rede Voltaire — Um cessar-fogo foi concluído na Síria, anunciou o Presidente russo Vladimir Putin, em presença dos seus ministros dos Negócios Estrangeiros e da Defesa. A Rússia e a Turquia assumiram-se como garantes. A República islâmica do Irão que participou na elaboração do acordo coloca-se discretamente na reserva.

Três documentos foram assinados pela República Árabe Síria e sete grupos rebeldes, entre os quais Ahrar al-Cham.
- O primeiro prevê um cessar-fogo (excluindo a al-Qaida e o Daesh) no conjunto do território a partir da meia-noite, de quinta-feira 29 de Dezembro de 2016, hora local.
- O segundo precisa as medidas visando o cumprimento da trégua e a implementação das forças russas.
- O terceiro define as condições para as negociações de paz, que serão realizadas em Astana (Cazaquistão). O Irão e Egipto serão associados a estas negociações e os Estados Unidos poderão juntar-se, uma vez o Presidente eleito, Donald Trump, investido (ou seja, após 20 de Janeiro de 2017).

Ao apadrinhar este acordo com a República islâmica do Irão, a Turquia —membro da OTAN— renunciou à sua ambição de se tornar o líder do mundo sunita e afastou-se dos Estados Unidos.

A Coligação nacional de forças da Oposição e da revolução anunciou que apoiava este acordo.

No início do mês, o Catar retirou-se da guerra contra a Síria. Ele entrou no capital da Rosneft, a maior empresa do mundo, e associou a sua política energética à da Rússia.

Este acordo estava em discussão desde há um mês. As partes que se lhe opõem tentaram fazê-lo falhar assassinando o Embaixador da Rússia em Ancara, depois bombardeando, a 28 e 29 de Dezembro, a Embaixada da Rússia em Damasco.

Os Estados Unidos, a França e o Reino Unido não participam neste cessar-fogo. Washington foi acusada pelo Presidente Erdoğan de continuar a apoiar a Al-Qaida e o Daesh(EI), o que a Embaixada dos EUA em Ancara desmentiu. No entanto, o Presidente cessante Barack Obama assinou, a 23 de Dezembro, a lei orçamental da Defesa autorizando a entrega de armas à «oposição» (sic) na Síria.

A Arábia Saudita, que não comentou o acordo, anunciou vir em ajuda dos refugiados sírios. O Reino deverá distribuir a ajuda humanitária exclusivamente a partir das mesquitas que instalou nos campos de refugiados.

O Presidente Putin deu ordens ao seu Ministro da Defesa para reduzir a presença militar russa na Síria. No entanto, a Rússia continuará a sua ação contra o terrorismo (al-Qaida e Daesh).

A guerra contra a Síria custou a vida a pelo menos 300. 000 Sírios. Ela foi planificada pelos Estados Unidos e seus parceiros da Otan, e financiada pelas monarquias do Golfo.

Tradução
Alva

Rede Voltaire

Voltaire, edição internacional

Este artigo encontra-se sob licença creative commons

Poderá reproduzir livremente os artigos da Rede Voltaire desde que cite a fonte, não modifique o conteúdo e não os utilize para fins comerciais (licença CC BY-NC-ND).

Apoiar a Rede Voltaire

Utilizando este site poderá encontrar análises de elevada qualidade que o ajudarão a formar a sua compreensão do mundo. Para continuar com este trabalho necessitamos da sua colaboração.
Ajude-nos através de uma contribuição.

Como participar na Rede Voltaire?

Os participantes na rede são todos voluntários.
- Tradutores de nível profissional: pode participar na tradução de artigos.