Rede Voltaire

A Casa Branca converte-se à democracia

Um passo considerável acaba de ser dado pela Administração Trump : os seus diplomatas mais destacados anunciaram reconhecer o direito dos Sírios à Democracia. Admitem que eles soberanamente escolheram Bachar el-Assad como Presidente. Acaba, assim, a retórica da «democratização» forçada que acompanhou todas as aventuras militares das administrações precedentes.

| Damasco (Síria)
+
JPEG - 44.1 kb
Nikki Haley

Lentamente a Administração Trump coloca em acção a sua nova política para o Próximo-Oriente.

Depois de ter reformado o Conselho de Segurança Nacional, depois de ter trocado informações com o exército russo, depois de ter interdito aos seus homens continuar a apoiar os jiadistas onde quer que seja, e após ter lançado verdadeiros ataques contra eles no Iémene, no Iraque, na Líbia e na Somália, o novo Presidente dos Estados Unidos fez anunciar que punha um final à ingerência do seu país na vida política síria.

A embaixatriz dos EUA no Conselho de Segurança, Nikki Haley, não se limitou a anunciar que o derrube do Presidente al-Assad não mais era «uma prioridade» para Washington, ela afirmou claramente que apenas o Povo sírio tinha o direito de escolher o seu presidente; afirmações imediatamente confirmadas pelo Secretário de Estado, Rex Tillerson.

Para medir o caminho percorrido, lembremos que desde 2012 o plano Feltman previa a revogação da soberania do Povo sírio.

Vamos repetir : com Donald Trump, a Casa Branca finalmente converteu-se à Democracia, ou seja, ao «Governo do Povo pelo Povo, para o Povo» de acordo com a famosa fórmula de Abraham Lincoln. Os Estados Unidos estão em vias de se tornar uma potência normal. Eles abandonam a sua ambição imperialista. Eles renunciam à doutrina Wolfowitz de domínio global. Eles reconhecem, de novo, que todos os homens são iguais, sejam eles ocidentais ou não.

A estupefacção dos Estados membros da OTAN está à altura do acontecimento : como eles não param desde o 11-de-Setembro de utilizar o conceito de «democracia» a contra-senso, ficaram sem palavras.

Por fim, o Ministro Francês dos Negócios Estrangeiros (Relações Exteriores-br), Jean-Marc Ayrault, declarou : «Será que mantemos Assad ou não mantemos Assad, não é assim que a questão se põe. A questão é a de saber se a comunidade internacional respeita os seus próprios compromissos». Tradução: a questão não é saber o que querem os Sírios, mas se os Estados Unidos e os seus aliados (os «Amigos da Síria») vão respeitar ou não a promessa da Administração Obama de restaurar um mandato francês sobre a Síria.

Para a equipe de François Hollande, uma má notícia nunca vem só e Ancara foi a primeira a abandonar Paris. Ela declarou que, na sequência da visita de Rex Tillerson, renunciava a criar uma «zona de segurança» em Manbij e Rakka; uma maneira elegante de anunciar que admite não poder estender na Síria a ocupação que ilegalmente leva a cabo em Chipre desde 1974. Terminada, portanto, a aliança franco-turca.

Seja como for, o retorno da OTAN ao Direito Internacional começou. Ela junta-se à posição da Síria, que a defende com o seu sangue, e à da Rússia e da China que a protegeram com sete vetos sucessivos no Conselho de Segurança.

A próxima etapa é aquela já expressava a Síria em julho de 2012: convencer toda a Organização do Atlântico Norte a cessar de manipular o terrorismo internacional. Quer dizer, admitir que os actuais Irmãos Muçulmanos não são uma irmandade árabe, mas, antes constituem um ramo dos Serviços Secretos britânicos; e reconhecer que eles não são muçulmanos, mas que se disfarçam por trás do Alcorão para melhor fazer avançar o imperialismo anglo-israelita.

Tradução
Alva

Fonte
Al-Watan (Síria)

Thierry Meyssan

Thierry Meyssan Intelectual francês, presidente-fundador da Rede Voltaire e da conferência Axis for Peace. As suas análises sobre política externa publicam-se na imprensa árabe, latino-americana e russa. Última obra em francês: Sous nos yeux. Du 11-Septembre à Donald Trump. Outra obras : L’Effroyable imposture: Tome 2, Manipulations et désinformations (ed. JP Bertrand, 2007). Última obra publicada em Castelhano (espanhol): La gran impostura II. Manipulación y desinformación en los medios de comunicación (Monte Ávila Editores, 2008).

 
Na ONU, a incapacidade USA de admitir a realidade
Na ONU, a incapacidade USA de admitir a realidade
Quatro vetos sucessivos sobre a mentira de Khan Sheikhun
 
Rede Voltaire

Voltaire, edição internacional

Este artigo encontra-se sob licença creative commons

Poderá reproduzir livremente os artigos da Rede Voltaire desde que cite a fonte, não modifique o conteúdo e não os utilize para fins comerciais (licença CC BY-NC-ND).

Apoiar a Rede Voltaire

Utilizando este site poderá encontrar análises de elevada qualidade que o ajudarão a formar a sua compreensão do mundo. Para continuar com este trabalho necessitamos da sua colaboração.
Ajude-nos através de uma contribuição.

Como participar na Rede Voltaire?

Os participantes na rede são todos voluntários.
- Tradutores de nível profissional: pode participar na tradução de artigos.