JPEG - 13.5 kb

O Palácio Miraflores amanheceu em festa nesta segunda-feira com a "gigantesca" vitória dos candidatos do governo nas eleições regionais, da qual sai fortalecido o governo do presidente Hugo Chávez.

O primeiro boletim "extraoficial" emitido pelo Conselho Nacional Eleitoral (CNE) indica que os candidatos do governo receberam a maioria dos votos em 20 dos 22 Estados em que foram disputadass as eleições para governador, prefeitos e deputados.

"Tivemos uma vitória monumental, gigantesca. A revolução chegou para sempre e isso não tem volta atrás", disse Chávez na madrugada desta segunda-feira, onde centenas de apoiadores do governo cercarvam a sede do governo desde o início da tarde, confiantes na vitória.

O governo recuperou cinco dos oito Estados que estavam sob comando da oposição: Anzoátegui, Apure, Monagas, Bolívar e Miranda. A oposição venceu em Nova Esparta e se manteve em Zulia, principal Estado petroleiro. Além dos estados, os candidatos chavistas ganharam outros postos importantes: a prefeitura metropolitana de Caracas e se manteve na administração no munípio Libertador, o maior da capital do país. Em Chacao, Baruta e El Hatillo, redutos da classe média, os candidatos de oposição foram reeleitos.

Opoisção alega fraude

No estado Miranda, o atual governador, Enrique Mendonza, que perdeu para o candidato do governo Diosdado Cabello (53% a 47%), afirma que saírá às ruas "se preciso for", para defender sua vitória. "Espero que o CNE não siga tentando criar confusão (...) é um intento de fraude, que se pretende fazer no estado Miranda e em outras regiões do país". Mendonza um dos principais líderes da oposição vem perdendo credibilidade junto aos simpatizantes da oposição desde o referendo revogatório de 15 de agosto, quando denunciou uma suposta fraude sem apresentar provas.

A derrota já era admitida por líderes dos partidos opositores já antes das eleições. "Temos que admitir que o chavismo tem a maioria dos votos", afirmou dias antes do pleito, Alberto Quiróz Corradi, um dos representantes da opositora Coordenadora Democratica. Chávez, por sua vez, convocou os candidatos de oposição a reconhecer os resultados e a "respeitar o árbitro" e indicou quais caminhos o governo deve traçar nesta nova etapa.

"Agora temos que fincar os joelhos na terra para entrar em uma nova etapa onde o processo bolivariano tem que travar uma luta de morte contra a corrupção, o burocratismo e a ineficiência", afrimou o presidente.

No domingo em que o candidato de esquerda do partido Frente Amplio venceu as eleições presidenciais no Uruguai, Chávez parabenizou seu futuro homólogo pela vitória. "É mais um caminho para a construção de uma nova América Latina. Um novo mundo está nascendo e é impresncindivel para a vida de todos e todas", disse o presidente venezuelano.