1.- Qual sua avaliação sobre o andamento da reforma agrária em 2004? O que faltou e o que teve de bom?

JPEG - 6.7 kb
João Pedro Stedile

- O processo de reforma agraria do governo Lula, anda a passos de Tartaruga. Não conseguiu honrar com o compromisso do Presidente Lula com os movimentos sociais firmado em novembro de 2003, que previa assentamento de 430 mil familias nos tres anos, e que priorizaria as 200 mil familias acampadas. Não cumpriram as metas O Incra continua atuando como bombeiro. Falta recursos, por culpa da politica economica. Faltam servidores para cumprir a meta. Falta uma diretriz do plano nacional de reforma agraria, que em sua estrategia geral, foi abandonado.

O que teve de bom, foi a implantação do seguro agricola, e a ampliação dos recursos do pronaf, ainda que nao cheguem a maioria dos assentados, mas pelo menos ampliou para os agricultores familiares.

2.- As medidas provisórias editadas para liberar plantio e comercialização dos transgênicos e a lei de biossegurança que ainda tramita no Congresso parecem deixar claro que, de agora em diante, os brasileiros terão de conviver com os organismos geneticamente modificados. Quais aspectos políticos e econômicos se pode extrair desse quadro?

- A atuação do governo federal em relação a liberação de sementes transgênicas, foi uma vergonha!. O governo ficou refem dos interesses das transnacionais, como a Monsanto, sygenta, etc. dos interesses do Governador Rigoto( PMDB-RS) que o pressionou todo tempo, e dos fazendeiros, lumpens, que sonharam em ganhar dinheiro fácil com as sementes transgênicas, e passados dois anos, ja estão amargando as consequencias. Primeiro porque a soja transgênica não é mais produtiva do que a convencional. Segundo porque a Monsanto cobrou e levou dos agricultores gaúchos nada menos do que 80 milhoes de reais na ultima safra, cobrando o,60 por saco de soja. E agora anuncia que vai cobrar 1,20 ao saco.

Isso vai representar 5% do preço da soja. É a volta do feudalismo, da renda- trabalho, em que uma transnacional cobra sem fazer nada. Sem vender um grama de semente, sem plantar um grão.

Por trás da questão das sementes transgências, mais além da precaução que devemos ter em relação ao meio ambiente e a saude, cada planta transgênica precisa ter um estudo específico não se pode generalizar. Nós temos o problema do controle das trasnacijonais sobre nossa agricultura, pois as sementes transgênicas permitem a propriedade privada das sementes, da vida. O que esta em jogo é a soberania da agricultura brasileira, é o direito dos agricultores poderem cultivarem suas proprias sementes ou não.

E o governo nao entendeu nada disso, e fez o jogo como patinho, das trasnacionais. Patrocinadas pelo seu portavoz dentro do governo, o ministro da agricultura, o sr. Roberto rodrigues, ou como o governador do Paraná, Roberto Requiao prefere chama-lo de Ministro RR, numa referencia a soja rondup, que usa a mesma sigla da soja RR.

3- Quem são os culpados pelo fato da situação dos brasileiros não ter se alterado substancialmente em 2004? Ou o senhor não concorda com essa afirmação?

- O Brasil vive uma grave crise. Uma crise historica. Uma crise de destino. O país, a sociedade e o govenro não tem um projeto de desenvolvimento. Nao tem um projeto nacional. Vejam que não estou falando de projeto socialista. Estou falando que a sociedade brasileira carece de um plano de voo. O avião esta andando e não sabe para onde ir. Isso é grave. Os puxa-sacos de plantão, simplesmente argumentam que a inflação esta controlada, que a economia voltou a crescer... isso tudo não representa nada para nosso povo. Para onde vamos? é a pergunta chave!. E o que vamos fazer para que cada brasileiro tenha assegurado trabalho, terra, moradia e educação. Só isso o povo precisa.

Completando a falta de projeto, temos a continuidade da politica economica neoliberal, cantada em prosa e verso, elogiada pelo presidente e por muitos ministros, como se fosse a solução. A atual politica economica só agrava os problemas do povo. E no futuro quando analisarmos as estatisticas passadas, vamos nos dar conta que foi o periodo recente de nossa historia que houve maior concentraçao de renda..

4- O crescimento que teve o agronegócio nos últimos anos impede que a agricultura familiar se apresente e consolide-se como um modelo de desenvolvimento para o Brasil? Qual modelo o país deve seguir para crescer?

- A agricultura familiar é um sucesso no Brasil, pois consegue produzir alimentos e sobreviver, sem nenhum suibsidio, ao contrario de outros paises. É o setor que gera empregos e produz pro mercado interno. Para alimentar o povo!

O chamado modelo do agronegocio é de interesse de apenas umas 100 mil fazendas, no maximo, que possuem acima de 500 hectares. Se dedicam a produzir dolares. Se dedicam a exportação. Acontece que a burguesia brasileira sua gemea ideologica do agronegico, passou dois anos fazendo propaganda constante na televisão, projetando como saidda. É saida para os capitalistas das grandes fazendas. Mas não é saida, nem solução para o povo brasileiro.

Felizmente os preços agricolas no mercado internacional estão baixando, o mercado consumidor externo, nao cresce, e assim devagarzinho vai caindo a ficha que o agronegocio não passa de mera propaganda ideologica para combater a reforma agraria e a agricultura familiar. Vou dar apenas dois exemplos para mostrar como não é um modelo de desenvolvimento. Nos ultimos dois anos, o agronegocio desempregou 600 mil pessoas no campo, segundo as estimativas estatisticas que tenho lido. E nos nossos acampamentos sentimos que muitos sem terra vieram acampar despejados pelo avanço do "modernismo" das fazendas do agronegócio.

Segundo exemplo: em 1975-80 no auge do crescimento da soja, em que os pequenos agricultores tinham acesso a credito subsidiado, a industria de tratores vendia em média, 65 mil tratores por ano. Agora, passados trinta anos e com todo essa propaganda da televisão, todas as fazendas em todo Brasil compraram apenas 36 mil tratores. Aonde está o desenvolvimento ?

5.- O senhor ficou surpreso com o crescimento da economia em 2004? Qual impressão o senhor teve ao ouvir do presidente Lula que quem se surpreendeu com o crescimento da economia em 2004 ficará ainda mais surpreso com os próximos dois anos?

- A economia brasileira sofre de um processo explicado pelos economistas como falta de planejamento. E continua numa crise prolongada em que apresenta um processo ciclico de dois anos de pequenos crescimento e dois anos de queda. Assim, nos ultimos vinte anos, desde 1984, teve esse comportamento. Não há nenhum indicador ou situação que justiique que a economia vai se comportar diferente. Agora, o Palloci (Ministro da Fazenda) e a turma de tucanos que ainda manda no ministerio da fazenda e no banco central, tiveram sorte, pois justamente nesses ultimos dois anos, coincidiu, sem nenhum interferencia do governo, que a economia brasileira cresceu. Mas nada garante que nos proximos dois anos, nao baixe.

O principal é sabermos que a atual politica eocnomica, prioriza pagamento de juros, os bancos, as exportações. E que o governo recolhe 90 bilhoes de reais, de renda de todos os 177 milhões de brasileiros em impsotos, e transfere para 8 mil ricos que sao donos dos titulos da divida publica interna. E isso é concentração de renda. Isso é tomar dinheiro publico para especulçação. Imaginem 90 bilhoes de reais aplicados em reforma agraria, educação, infraeestrutura, indústria de base ?

O Presidente pode pensar o que quiser. Eu acho, como Carlos Lessa, (ex-presidente do BNDES demitido) que ele esta sendo enganado. Nosso dever, como amigos é dizer que a politica esta errada.

6.- Na sua opinião, que peso as eleições municipais de 2004 tiveram para o país?

- Nenhum O resultado das eleições municipais nao alterou a correlação de forças entre as classes sociais brasileiras. Todos os partidos puderam dizer que ganharam !. E prefeitura no Brasil, mesmo em São Paulo, nao altera a correlação de forças. Embora nas capitais tenham um simbolismo político grande. Mas o que altera correlação de forças é povo organizado, lutando por seus direitos.

7. 2004 foi um ano bom ou ruim para o MST? Por que?

- Foi um ano médio. Foi bom, porque continuamos nosso trabalho de acúmulo de forças, aumentando os acampamentos, aumentando os cursos de formação, aumentando as alianças com outros setores sociais. Realizamos inumeras atividades massivas, desde a jornada do abril vermelho, as jornadas comemorativas dos 20 anos do MST, diversas conferencias em conjunto com outras forças sociais Foi bom, porque devagazrinho vamos recolocando a reforma agraria na pauta politica.

Foi ruim, porque a reforma agraria esta parada. Foi ruim, porque o governo se iludiu com agronegócio. Foi ruim, porque as forças conservadores usaram de toda propaganda possivel para criar a falsa idéia de que o agronegocio traz progresso. Nao sei aonde está o progresso. O fazendeiro, maior produtor de feijão do Brasil, em regime de agronegócio, mandou assassinar 4 fiscais do ministério do trabalho, se elegeu prefeito e saiu da cadeia. O maior produtor de soja do mundo, é o maior predador da pre-amazonia, e abocanhou muitos milhares de hectares de terras publicas no Mato Grosso.

O agronegocio é tão moderno e dá tanto lucro, que o ministro da agricultura está fazendo pressão para colocar no orçamento de 2005, 2,2 bilhoes de reais, a título de subsidio para reparar os prejuizos dos exportadores agrícolas !!

Enquanto isso, nós tínhamos um orçamento em 2004, de 1,7 bilhões para a Reforma agraria, mas o Ministro Palloci, reteve a metade, para pagar apenas o aumento das taxas de juros que o proprio governo aumentou, para ele mesmo pagar aos banqueiros. E hoje temos a mais alta taxa de juros reais do mundo. E nos ainda temos coragem de fazer piada de portugues.

Ao jornal semanal “Correio da Cidadania”