JPEG - 12.2 kb

Denúncia publicada no Jornal do Commercio de Pernambuco, no último domingo, dia 24, sobre investigação feita por representantes do governo dos Estados Unidos sobre o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) repercutiu negativamente no Brasil esta semana.

A denúncia foi feita pela Superintendente do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária(Incra) de Pernambuco, Maria de Oliveira, afirmou que foi procurada por Peter Swavely, cônsul do EUA no Estado, e Richard Thomas Reiter, segundo secretário para Assuntos Políticos da Embaixada dos EUA em Brasília, para obterem informações sobre o Abril Vermelho e sobre a ligação de membros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia em ocupações de terra.

Na quarta-feira, dia 27, movimentos sociais promoveram de um ato em apoio ao MST e divulgaram carta aberta em que afirmam que a atitude dos representantes dos EUA "fere frontalmente a nossa soberania e se caracteriza como um atentado cabal contra os Movimentos Sociais do Brasil que tecem nas suas lutas a esperança de uma sociedade com justiça social e igualdade para todos".

Diversas entidades, movimentos sociais, organizações não governamentais e parlamentares demonstraram preocupação com o ocorrido e prestaram solidariedade ao MST. Entre os presentes foi unânime o pedido ao governo brasileiro que se posicione e exija explicações sobre o fato, e que o Cônsul do país em Recife, Paul Swavely, se explique acerca do ocorrido. Deputados membros da CPI Estadual da Terra colocaram também que poderão convocar o Cônsul para depor.

"A ingerência dos EUA em assuntos internos do Brasil faz parte da práxis americana que, ao longo da história, impôs sua política através de seu poder belicista. Através da força bruta (seja militar ou econômica) os ideais neoliberais se impõem ao mundo e os que não bebem a bom gosto nesta fonte passam a ser tratados como inimigos", disse ainda a carta aberta.

E completa: "A OMC, O FMI, O BIRD, NAFTA e ALCA são instrumentos a serviço do império, prontos para impor suas vontades a qualquer País do planeta terra. A visita ao Brasil da poderosa secretária americana de Estado Condolezza Rice e suas viagens por outros países das Américas do Sul e Central, marca mais uma etapa de retomada dessa ofensiva imperialista".

Adital