JPEG - 36.9 kb

Levantar a bandeira antiimperialista e articular redes capazes de canalizar as ações de resistência para a construção “indispensável”, de um “outro mundo possível”. Essa é a tarefa que levam para casa os cerca de 17 mil jovens que ocuparam a capital venezuelana entre 8 e 15 de agosto, durante o 16º Festival Mundial da Juventude.

Houve espaço para tudo. No Acampamento Internacional, no histórico bairro de resistência “23 de janeiro”, amplas e profundas discussões entre os grupos sobre as políticas neoliberais na América Latina, o Plano Colômbia, desafios dos movimentos sociais do campo e da cidade e a necessidade de unificar a luta dos camponeses com os trabalhadores da cidade.

Nas conferências e seminários, prevaleceu o mesmo modelo do Fórum Social Mundial. Especialistas de renome de várias partes do mundo trataram de temas como guerra, livre-comércio, transgênicos, gênero, entre outros assuntos intrínsecos à expansão das políticas neoliberais. Nos outros espaços, shows e feiras para os mais interessados na diversão que a diversidade de jovens de 144 países pôde promover.

Inspiração

No entanto, a importância do encontro - considerado por muitos como histórico - foi a possibilidade de mostrar a milhares de jovens os caminhos percorridos pela revolução bolivariana, principal símbolo antiimperialista depois de Cuba. “O mais importante do Festival foi ver de perto o que só discutimos na teoria”, afirma Genadir Viera dos Santos, do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST).

Ao criticar a agressão de seu país ao governo venezuelano, o garçom estadunidense Milovan Fukakovie avalia que a troca de experiência com os venezuelanos o faz pensar que aqui a história será diferente do que a conduzida por Allende (Salvador Allende, presidente chileno morto por um ataque aéreo estadunidense em 11 de setembro de 1973) ou pelos sandinistas (referência à Frente Sandinista de Libertação Nacional que tomou o poder na Nicarágua em 1979). “Chávez está preparando o povo. Há consciência da importância do processo”, diz Fukakovie.

“Defender o processo venezuelano é tarefa de todos os jovens do mundo”, afirma o colombiano Miguel Cienfuentes, para quem os resultados do Festival dependerão da capacidade dos jovens de se articularem em torno da uma mesma luta: “A construção de um novo mundo”.