JPEG - 20 kb

Armados com metralhadoras, os policiais invadem a casa, assustando os moradores que ainda dormiam. Na presença da imprensa local, os agentes tiram da casa um bebê de um ano, mais duas menores e três adultos, todos com roupas íntimas. No ato da prisão, as pessoas não sabiam do que se tratava.

No dia anterior, o presidente Gonzalo Sánchez de Lozada, em depoimento nacional, afirmava que, frente aos conflitos sociais que sacudia o país, era preciso defender a democracia com armas.

Um dos detidos do dia 10 era Francisco José Cortés Aguilar (Pacho), camponês e líder sindical colombiano que já estivera na Bolívia outras vezes para seminários e encontros com movimentos campesinos. A primeira voz de prisão que recebeu foi sob a acusação de fazer parte das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc). Logo, a sentença era de envolvimento com o Movimento Revolucionário Tupac Amaru, do Peru. Depois, passaram a citar o Sendero Luminoso.

Provas forjadas

Por fim, após citarem também o Exército de Libertação Nacional da Colômbia (ELN), nos altos do processo ficou registrado que Pacho estava no país criando um grupo guerrilheiro, já com 250 integrantes, de ideologia política subversiva. Três horas depois da detenção, a polícia apresentou supostas provas que teria encontrado na casa: drogas, munição, bandeiras e materiais impressos do ELN da Colômbia. Durante o processo judicial, o Estado indiciou 48 pessoas, acusou 18, mantendo preso apenas Pacho Cortés.

Durante um mês, o colombiano ficou no presídio de San Pedro, em La Paz. Transferido para o presídio de segurança máxima de Chonchocoro, em El Alto, a 4,1 mil metros de altitude, lá ficou durante 52 dias confinado, sem luz do sol, com um banho a cada 4 dias. Depois de um pedido da comunidade internacional feito por movimentos de direitos humanos da Colômbia e da Bolívia, conseguiu o direito de 1 hora de sol por dia, durante nove meses.

Em seguida, transferido às celas normais, Pacho foi escolhido representante dos presos internacionais - argentinos, peruanos, chilenos, colombianos, brasileiros, a maioria enquadrada na Lei 1.008, do narcotráfico. Presos políticos bolivianos quase não havia, diz.

"Para muitos, eu era um preso de respeito. Assim, pude ajudar muita gente, inclusive na defesa de seus direitos humanos. Transmiti minhas idéias, incentivei as pessoas a superar as dificuldades", relata o líder camponês. Em um mês, um motim é organizado, e Pacho é acusado de comandá-lo. A administração do presídio volta a isolá-lo, e ele fica muito doente, devido às condições insalubres. A comunidade internacional, agora fortalecida pela Via Campesina de diversos países, volta a se manifestar em frente às embaixadas bolivianas de cada país. Envia cartas à Presidência da Bolívia.

Pacho recebe visitas de delegações européias. A campanha próliberdade ganha dimensão internacional, e ele volta a San Pedro, onde as condições eram melhores. Em pouco tempo, consegue a liberdade condicional, que é o cárcere privado onde está há nove meses.

Abaixo, a entrevista com Francisco José Cortés Aguilar (Pacho), feita na prisão, no dia 16 de setembro, em La Paz.

- Como é o cotidiano neste cárcere privado?

- O cárcere tem um pequeno quarto, onde durmo; uma pequena sala de estudos; um posto policial onde vivem dois guardas; uma pequena cozinha; banheiro com chuveiro. Não há pátio. Portanto, é um espaço bastante reduzido, mas muito bem controlado. Fico aqui com duas escoltas. Quando vem gente, fazemos café, mascamos coca, conversamos.

- Recebe visitas?

- Vêm muitos jovens universitários que querem trocar idéias, averiguar quem sou. Mas a mim não importa quem venha, mas que minhas idéias cheguem às pessoas. Os policiais que estão aqui compartilham a luta comigo. Alguns estão há quatro ou cinco meses comigo. Eles também sofrem. Até mais do que eu, porque onde ficam faz mais frio. Ao meio dia cozinhamos, comemos juntos, os três, ou quem mais esteja. À tardezinha, fazemos uma sopa. Cafezinho. Não há mais que fazer.

- Por que você está preso na Bolívia?

- No mundo globalizado política e economicamente, imposto pelo capitalismo, matamse os pobres. Por isso, quando surgem lideranças contra este sistema, são presas sob qualquer pretexto. Nos chamam de terroristas, ou de narcotraficantes, delinqüentes, ou nos matam. Minha história, desde jovem, é envolvida com comunidades campesinas. Depois de me casar, fomos para o leste do país, onde comecei a trabalhar como professor rural.

- Além de ensinar, o que mais fazia?

- Apoiava e assessorava a organização da comunidade, buscando soluções para as necessidades básicas da região, planos de desenvolvimento alternativo. Chegamos a ter 450 cantões organizados, trabalhando juntos. Minha detenção obedece a interesses políticos do capitalismo. Por isso hoje, depois de cumpridos 29 meses, não me dão a liberdade.

- Apesar de toda mobilização internacional?

- As Nações Unidas acabaram de decretar neste ano que Francisco Cortés é um preso detido arbitrariamente. Muitos dirigentes foram afastados de suas terras, têm que buscar refúgio em outros países. Muito foram presos, como eu. E muitos tiveram que oferecer suas preciosas vidas por lutar contra este sistema. Minha luta, primeiro, foi pela liberdade dos povos. Agora, é pela minha, inclusive.

- A luta continua, então?

- Sim, pelos homens e mulheres que lutam por um mundo melhor. Porque Francisco Cortés não morreu. Meu cárcere continua sendo minha trincheira de luta.

- Como está seu processo judicial?

- Na etapa de preparação para o início do julgamento no tribunal, para definir a sentença. Entramos com um recurso contra o Quinto Tribunal de Sentença, para trocar o tribunal e os juízes, porque eles são comprados pelo Ministério Público boliviano e pela embaixada estadunidense. Trabalham para os interesses da globalização política e econômica do mundo, para o capital. E neste tribunal eu já estou condenado. Eu já tenho oito mil dólares pagos como fiança, obtidos através da solidariedade da comunidade internacional, tenho trâmite de arraigo.

- O que é isto?

- Uma declaração que não fujo do país. Tenho contrato de trabalho, matrícula para estudar jornalismo em uma universidade. Já apresentamos todos os requisitos exigidos pela lei, mas a Justiça não tem feito nada.

- Afinal, por que você está preso?

- Até Yerko Kucock, ministro do Interior no governo de Gonzalo Sánchez de Lozada, declarou publicamente que Francisco Cortés deixava sua consciência pesada por estar detido injustamente, e que os advogados de defesa deveriam lhe procurar. Meu caso foi usado para justificar a guerra contra os movimentos sociais, o investimento em armamento, cadeias e modernização das forças armadas. Para justificar uma guerra na Bolívia, que não existe.

- O país está em paz, então?

- Na Bolívia não há terrorismo, só um povo que clama por Justiça, que tem fome, não tem emprego, um povo que tem sido governado por regimes ditatoriais, apoiados em um poder capitalista. Temos o terrorismo de Estado. Faz dois ou três anos que umas 150 pessoas morreram vítimas do Estado, mil pessoas foram feridas, companheiros expulsos das suas regiões. Eu estou encarcerado porque sou uma vítima do terrorismo de Estado.

- Quais as suas perspectivas para a eleição de dezembro?

- Qualquer que seja o partido que ganhe a eleições, meu cálculo é que governará só um ano. Governar, na Bolívia, continua sendo um problema, face às duas forças em cena - a social e a da direita. Pela esquerda, sobe o Evo Morales, pela direita, Tuto, ou qualquer outro. Se Evo ganha, a classe média, a oligarquia, as empresas, alguns meios de comunicação vão começar a bloquear o país política e economicamente, partir para a violência militar e a repressão aos movimentos sociais. Vão fazer de tudo para derrubar Evo.

- E se a direita ganhar as eleições?

- Se as coisas continuarem como estão, não restará ao povo senão continuar derrubando presidentes. Há muitos interesses em jogo, a Bolívia tem muitas riquezas naturais e há muita gente interessada em se apropriar delas. Por isso, estão transformando o país em um pólo turístico, para viver bem às custas dos pobres. Sendo assim, não tenho muita esperança com as eleições.

- Quais as alternativas que vê?

- Tenho dito aos companheiros e companheiras que tratem de curar o câncer eleitoreiro, que comecem a semear planos alternativos de desenvolvimento integral e equilibrado. Por exemplo, bons colégios agropecuários, boas universidades agrárias; hospitais que incentivem o uso de medicamentos naturais, baseados em plantas medicinais e no saber do povo, e não baseados nos medicamentos de morte, químicos. Desenvolver projetos hidrelétricos, para que o povo tenha sua própria eletricidade e não tenha de pagar às transnacionais nem ao governo. Implementar projetos de economia solidária, onde a produção e a comercialização sejam feitas pelas comunidades; alternativas orgânicas para que toda contaminação química seja afastada dos cultivos.

- E o que pensa da nacionalização?

- Eu aconselharia aos bolivianos a não nacionalizar os hidrocarburantes, mas que adotem uma lei para nacionalizar cada um dos recursos naturais sobre e sob seu solo. Caso contrário, teremos presos, mortos e feridos para nacionalizar petróleo e gás, outros mais para nacionalizar a água, a terra, a madeira. O caminho não é este. O povo tem de batalhar pesado para que todos os recursos naturais da Bolívia sejam dos bolivianos, administrados por ele. Se uma empresa estiver interessada em negociar algo, que negocie uma parte, administrar, explorar ou processar, mas sempre na condição de contratada pelo Estado, e por determinado tempo.

- A assembléia constituinte será no final do ano que vem?

- A constituinte não resolve nada. Os problemas se resolvem na luta de um povo. A verdadeira democracia é distribuir a riqueza entre os pobres, fazer com que os hidrocarbonetos se convertam em universidades, hospitais, estradas, tudo que for produzido se transforme em bem-estar social para os povos e os pobres. Por isso digo que os pobres têm que organizar empresinhas, começar a partir da economia solidária, lentamente construir um mundo melhor desde a base. Não há alternativa. Os governos são conjunturais em qualquer parte do mundo, e existem muitos companheiros que chegam ao poder e se perdem, se vendem à burguesia. Então nós temos de fazer o contrário, ir organizando projetos que até incluam burgueses e a oligarquia trabalhando pelo povo. Porque é melhor ganharmos todos juntos.

- Qual o verdadeiro objetivo do combate ao narcotráfico que vem sendo feito na América do Sul?

- Há alguns anos, EUA, Alemanha, Inglaterra etc. se dedicavam à guerra pelo petróleo e pelos recursos naturais do mundo. Depois, disseram que não era muito rentável, que havia outros negócios importantes como as comunicações, e investiram em mega-projetos de comunicações. Hoje, dizem que os recursos naturais, as comunicações e as demais riquezas têm que dar mais rentabilidade, inclusive o narcotráfico. Como? Com o melhor negócio que surgiu nos últimos anos, que é a guerra. A guerra é rentável, por isso a promovem em qualquer país onde os EUA tenham interesses. Signifi ca venda de armas, de sistemas de comunicação, de medicamentos químicos, empregos para os países ricos, alimentação para os soldados, aviões, barcos.

- Quais são os seus planos? O que faria se fosse libertado hoje?

- Tenho um compromisso social com duas linhas. Uma, é continuar a luta pelos direitos humanos e pela paz na América do Sul, ajudando a construir um mundo melhor. Depois da prisão vem a morte, e dela não podemos nos esquivar. Mas antes quero deixar registrada uma série de idéias que, no futuro, outras gerações vão poder aproveitar. Que realmente brilhe, não só para mim, mas para todos, nossos filhos e futuras gerações uma liberdade digna e justa. É isto que vou fazer se me deixarem ficar na Bolívia. À Colômbia não posso voltar, não tão cedo. Lá, corro risco de vida. É possível que vá ao Brasil, talvez à Venezuela, possivelmente Cuba. Eu não tenho pátria. Penso que, para um lutador, a pátria é o mundo onde vivemos. Não há fronteiras.