Segundo o advogado de Posada Rhonda A. Anderson, ainda não ficou claro como e quanto o ex-agente da CIA poderá ser libertado, mas tudo indica que ele deverá voltar a cidade texana de El Paso, onde deverá encarar em 11 de maio desse ano um julgamento por fraude migratória.

A única agência federal que, na pessoa de seu porta-voz Dead Boyd, expressou certa preocupação pela situação e ainda estuda variantes para impedir que o terrorista, conhecido como o Bin Laden do Hemisfério Ocidental, possa obter sua liberdade, é o Departamento da Justiça, já que nem a Casa Branca, nem outros órgãos de poder dos Estados Unidos, têm agido.

Muito pelo contrário, percebe-se uma clara cumplicidade do governo dos Estados Unidos, particularmente do presidente George W. Bush, que procura sair ileso dessa situação, devido a possíveis revelações comprometedoras que o terrorista ameaçou fazer.

Como é amplamente sabido, Posada é o responsável da explosão em pleno vôo do avião da Cubana, em que morreram 79 pessoas (jovens membros do time de esgrima) e autor intelectual de uma série de explosões a bomba, que comoveram Havana em 1997. Por causa de uma delas faleceu o jovem italiano Fabio di Celmo.

Washington não reage às petições venezuelanas de extradição, ao tempo que nenhum país demonstrou interesse de acolher o terrorista, mesmo quando o governo norte-americano tentou promover essa variante.

15 dias atrás, a juíza de distrito Kathleen Cardone, libertou Posada, que ingressou nos EUA de forma ilegal, sob fiança de USD 300,000, mas essa decisão foi apelada pela Procuradoria, obtendo uma resposta positiva. No entanto, hoje, o terrorista, pode gozar do benefício da liberdade no momento em que o país está de luto pela morte de 32 de seus jovens e mais que nunca expressa sua rejeição por tais atos.

Fonte
Agence Cubaine de Nouvelles

Agência Cubana de Notícias