A informação é do jornal Granma, que publica um comentário sobre a questão, salientando tão paradoxal decisão, num país que implementou medidas extremas contra os viajantes provenientes de 14 países chamados “patrocinadores do terrorismo”, entre os quais Cuba foi arbitraria e absurdamente incluída.

Para surpresa geral, os advogados de Posada solicitaram que a juíza autorizasse o proceder alegando que seu cliente não pode usar um vôo comercial porque é classificado como ‘terrorista’, fato desmentido por eles mesmos em inúmeras ocasiões anteriores.

O artigo explica que os Estados Unidos têm um arsenal de leis e regras que proíbem a suspeitos de terrorismo utilizarem aeronaves comerciais, sem contar as medidas que o governo lançou recentemente, pelas que milhares de viajantes que chegam àquele país são submetidos a um controle mais rigoroso nos aeroportos.

A informação ao respeito foi dada pelo jornalista Tracey Eaton em seu blog ’Along the Malecon’. Segundo Eaton, o antigo agente CIA voará para El Paso em 03 de fevereiro em um jato Hawker para oito passageiros.

A aeronave pertence a Alberto Herreros quem pagará os custos de transporte, especificaram os advogados do terrorista.

Recordemos que Luis Posada Carriles é autor confesso do atentado em pleno vôo a um avião comercial da Cubana de Aviación que causou a morte da tripulação e os passageiros todos, um total de 73 pessoas.

Pelo referido crime e muitos outros, a Venezuela solicitou a extradição do Posada Carriles; no entanto, ele continua a gozar de liberdade nos Estados Unidos onde ele está protegido pelas autoridades locais.

Fonte
Agence Cubaine de Nouvelles

Agencia Cubana De Noticias