A declaração do Ministério cubano das relações exteriores, publicado em Granma chama de “injusta, arbitrária e controversa” a atitude do governo americano para com a “conduta exemplar do país na luta contra este mal” e também reafirma a sua condena de todos os atos de terrorismo em todas as suas formas e manifestações.

O MINREX, rejeita o mecanismo pelo qual Washington, usurpa o direito para certificar o comportamento dos outros estados e criar listas seletivas, que por sua vez permitem que autores de ações terroristas contra Cuba. Isso demonstra a dupla moral dos E.U.

Lembra também que nosso estado, juntamente com outro 12 países assinou a Convenção internacional para a repressão do terrorismo e dá estrito cumprimento às suas obrigações ao abrigo das resoluções #1267, 1373 e 1540 do Conselho de segurança das Nações Unidas.

Neste espírito de Cuba coopera, mesmo ativamente com o Governo dos Estados Unidos, por exemplo, três vezes (em novembro e dezembro de 2001 e março de 2002) convidou os estadunidenses a fazerem parte de um projeto de cooperação na questão do combate ao terrorismo e em julho de 2009, reiterou a sua disponibilidade para colaborar nesta área.

Cuba deu ao FBI em 1997, 1998, 2005 e 2006 provas substanciais sobre os autores intelectuais de explosões em vários estabelecimentos turísticos cubanos, que trouxeram a morte de um cidadão italiano.

Além disso, forneceu acesso às autoridades americanas aos executores desses atos, detidos em Cuba e suas testemunhas.

O MINREX em sua Declaração insta o governo dos Estados Unidos da América, como prova da sua genuína adesão ao combate ao terrorismo, a agir com firmeza contra todos aqueles que já cometeram algum ato criminoso contra Cuba usando o território norte-americano como base.

Lembre-se que desde há dois domingos a Administração de segurança de transporte dos EUA instaurou novas medidas de controle para os visitantes provenientes de chamados “países patrocinadores do terrorismo internacional”.

Estes incluem Cuba, Irã, Síria, Sudão, Argélia, Afeganistão, Iraque, Líbano, Líbia, Nigéria, Paquistão, Arábia Saudita, Somália e Iémen.

Fonte
Agence Cubaine de Nouvelles

Agencia Cubana Noticias