O doutor Luís Estruch, vice-titular do Ministério da Saúde Pública (MINSAP) anunciou na véspera à imprensa que a vacina injetável Pandemrix, desenvolvida na Bélgica, foi doada pela Organização Mundial da Saúde, que destinou 10 milhões de dólares para esse fim.

Aclarou que a primeira etapa se estenderá até 20 de abril e incluirá a grávidas e todas as gestantes registradas no momento de começar a campanha, independentemente de sua idade gestacional, e as paridas até 42 dias após o parto.

Salientou que serão vacinadas, aliás, as crianças maiores de seis meses com fatores de risco por doença crônica ou imunodepressão (incluídos menores de 18 anos com malformações cardiovasculares, doenças oncológicas, hematológicas e fibroquísticas).

Outros grupos de imunizados serão os limitados físico-motores e mistos, pacientes transplantados, diabéticos insulinodependentes, pessoas vivendo com HIV, com insuficiência renal crônica e os asmáticos grau III e os de grau II menores de 18 anos.

Contempla também os trabalhadores na atenção direta a escolares, os matriculados no ensino especial e nas creches maiores de seis meses de idade, trabalhadores e pacientes de hospitais psiquiátricos, lares de idosos e centros psicopedagógicos ou lares de impedidos.

Receberão o inmunôgeno os trabalhadores da saúde vinculados com a atenção a pessoas vulneráveis a essa epidemia e os de fronteira, portos, aeroportos, aeronáutica civil, turismo de saúde, e esportistas de alto rendimento, entre outros.

Na segunda etapa, do dia 03 ao 15 de maio, será fornecida a segunda dose a crianças desde os seis meses, até nove anos, de idade, que receberam a primeira.

Durante a reunião com a imprensa nacional, servidores públicos do MINSAP explicaram os detalhes desta campanha, que se desenvolverá em 498 áreas de saúde do país e conta com o pessoal preparado para levar a cabo a tarefa com a maior organização.

Estruch insistiu na necessidade de continuar as medidas de prevenção para evitar o contágio desse vírus, que no mundo já matou mais de 17 mil pessoas.

Gilberto Espineira, funcionário do Departamento Ideológico do Comitê Central do Partido Comunista de Cuba, agradeceu à OMS pelo donativo da vacina, e elogiou o papel dos meios de divulgação na promoção e publicidade das medidas preventivas que contribuíram a enfrentar essa pandemia.

Fonte
Agence Cubaine de Nouvelles

Agencia Cubana De Noticias