Rede Voltaire

Pentágono : cyber-ataques podem ser considerados « actos de guerra »

+

Num relatório secreto de cerca de trinta páginas, o Pentágono classificou qualquer cyber-ataque que venha a paralisar as suas instalações ou instalações estratégicas (pipe-lines, centrais nucleares, etc.) como « actos de guerra ».

O Pentágono considera que, contrariamente á imagem hollywoodesca que este mesmo financiou, cyber-ataques desta envergadura não podem ser realizados por indivíduos, mas apenas com o apoio de Estados.

Este relatório foi aprovado e o Pentágono está assim habilitado a lançar mísseis para eliminar hackers inimigos.

Entretanto, esta decisão causa problemas de reciprocidade : se os EUA consideram cyber-ataques como actos de guerra, os seus adversários poderão igualmente reivindicar o direito á resposta militar para cyber-ataques perpetrados contra eles pelos EUA. A militarização do cyber-espaço participa na escalada.

Por exemplo, o ano passado os EUA e Israel desorganizaram o sistema nuclear civil iraniano com o vírus Stuxnet.

Uma dúzia de páginas extraídas do relatório podem vir a ser desclassificadas no próximo mês.

===

« Cyber Combat : Act of War. Pentagon Sets Stage for U.S. to Respond to Computer Sabotage With Military Force », por Siobhan Gorman e Julian E. Barnes, The Wall Street Journal, 31 Maio 2011.

Tradução
David Lopes

Rede Voltaire

Voltaire, edição internacional

Este artigo encontra-se sob licença creative commons

Poderá reproduzir livremente os artigos da Rede Voltaire desde que cite a fonte, não modifique o conteúdo e não os utilize para fins comerciais (licença CC BY-NC-ND).

Apoiar a Rede Voltaire

Utilizando este site poderá encontrar análises de elevada qualidade que o ajudarão a formar a sua compreensão do mundo. Para continuar com este trabalho necessitamos da sua colaboração.
Ajude-nos através de uma contribuição.

Como participar na Rede Voltaire?

Os participantes na rede são todos voluntários.
- Tradutores de nível profissional: pode participar na tradução de artigos.