O PKK publicou a acta da reunião realizada em Amã, a 1 de junho de 2014, para lançar o ataque conjunto do EIIL e do governo autónomo do Curdistão iraquiano.

Segundo Özgür Gündem [1], a reunião teria sido preparada aquando de uma viagem de Massoud Barzani, em 27 de maio, a Amã. Ela teria sido realizada sob os auspícios dos Estados Unidos, da Arábia Saudita, do Catar, de Israel e da Turquia.

Entre os doze participantes estariam:
- Salah Qallab , chefe do S. de Inteligência da Jordânia
- Azad Bervari, do Partido Democrático do Curdistão (clã Barzani)
- Masrour "Jomaa" Barzani, chefe do S. Inteligência do Governo local do Curdistão
- Ezzat Ibrahim al-Douri (antigo vice-presidente do Baath, sob Saddam Hussein) movimento Naqchbandis
- Mullah Krekar, Ansar al-Islam
- Um delegado da Ansar al- Ahlu Sunnah.
- Um delegado das Brigadas da Revolução de 1920.

A proclamação do Califado não teria sido evocada aquando desta reunião.

O PKK, que considera este «Curdistão» como uma abominação imperialista, apela aos seus membros para pegar em armas contra ele.

Estas revelações confirmam a análise de Thierry Meyssan sobre a coordenação entre o EIIL e governo local do Curdistão [2]

Tradução
Alva

[1] "Yer: Amman, Tarih: 1, Konu: Musul" Akif Serhat, Özgür Gündem, 6 de Julho de 2014.

[2] «Washington relança sua proposta de partição do Iraque», por Thierry Meyssan, Al-Watan (Síria), Rede Voltaire, 16 de junho de 2014.