O aiatola Ali Khamenei, Guia supremo da Revolução, publicou uma lista de 11 pontos não-negociáveis à atenção da delegação iraniana às conversações 5 + 1.

De acordo com as nossas informações, a delegação iraniana teria já acordado com os «Ocidentais» o modo de fazer virar o seu país para o seu campo [1]. Para acalmar o jogo quanto às fugas de informação (vazamentos-Br), o presidente Hassan Rohani declarou, à primeira cadeia de televisão russa, que ele não tinha a intenção de excluir a Rússia do mercado de gaz europeu.

Na sua nota, o Guia supremo lembra o direito de qualquer Estado à pesquisa e ao desenvolvimento de energia nuclear civil. Ele afirma que as necessidades do seu país para produzir combustível para a central (usina-Br) atómica de Busher são de 190.000 SWU («Separative Work Units» —Unidades de Trabalho de Separação -ndT) . Ora, os Ocidentais exigem a diminuição das capacidades actuais de enriquecimento do Irão, que são 20 vezes inferiores a este número. Além disso, o Guia opõe-se ao fecho(fechamento-Br) do centro de pesquisas de Fordo.

Desde 2005, os Ocidentais acusam o Irão de ser capaz de fabricar uma bomba atómica «dentro de três meses» (sic). Pelo seu lado, o Irão lembra ter desmantelado o seu programa nuclear militar durante a guerra imposta pelo Iraque, na sequência de uma fatwa (decreto religioso-ndT) do imã Khomeini proibindo o fabrico, posse e uso de armas de destruição massiva [2].

Tradução
Alva

[1] “Aviso de tempestade no Irão”, Thierry Meyssan, Tradução Alva, Rede Voltaire, 8 de Outubro de 2014.

[2] “Quem tem medo do programa nuclear civil do Irã? ”, Thierry Meyssan, Tradução Luis Nassif, Rede Voltaire, 2 de Janeiro de 2011.