A revista Newsweek publicou, na sua edição de 7 de novembro de 2014, o testemunho de um jihadista do Emirado Islâmico [1]. Ele garante que há um acordo permitindo aos combatentes do E.I. atravessar a fronteira. Ele indica também que os comandantes do E.I. falam turco, e conferenciam permanentemente por rádio com as autoridades turcas. Por fim, ele sublinhou que o exército turco ajuda o E.I. a combater contra os curdos.

No mesmo artigo, um reponsável do PYG (curdos da Síria-ndT) garante que a Turquia não se fica só por este tipo de apoio, mas fornece igualamente armas ao E.I.

A Rede Voltaire revelou :
- (1) de janeiro a maio, a França e a Turquia combateram o Emirado Islâmico,
- (2) a partir de junho os dois estados têm-no apoiado junto com os Estados Unidos e a Arábia Saudita. Assim, as armas de que o E.I. dispôs para entrar no Iraque tinham-lhe sido oferecidas pela Arábia Saudita e tinham sido encaminhadas, em junho, através de um comboio especial fretado pelo MIT (serviços secretos turcos)
- (3) desde setembro, a Turquia ajuda o E.I. a eliminar os Curdos da Síria.

Tradução
Alva

[1] “‘ISIS Sees Turkey as Its Ally’: Former Islamic State Member Reveals Turkish Army Cooperation” (Ing- «"ISIS vê a Turquia como seu aliado" : Ex-Membro do Estado islâmico revela cooperação do Exército Turco»-ndT), por Barney Guiton, Newsweek, 7 de novembro de 2014.