Rede Voltaire

China se torna banqueiro da região latino-americana

Os créditos outorgados pela economia chinesa tem se convertido em instrumento de política externa. Ao mesmo tempo que permitem estreitar relações com aliados fundamentais, reduzem a influência das instituições financeiras sob respaldo dos Estados Unidos em algumas regiões estratégicas.

| Cidade do México (México)
+
JPEG - 15.7 kb

Ao longo de 2014, os bancos chineses conferiram créditos para América Latina no total de 22,1 bilhões de dólares, de acordo com a base de dados publicada por Diálogo Interamericano [1]. Diante da desaceleração da economia mundial e o aumento das tensões geopolíticas, para China se tornou imperativo fortalecer seus vínculos com os países que possuem recursos naturais abundantes (petróleo, gás, metais, minerais, água, biodiversidade, etc.).

Quase todos os empréstimos emitidos corresponderam às entidades China Development Bank e China Ex-Im Bank, ainda que também tenham participado o ICBC e o Bank of China. Apesar de não levarem em conta os créditos abaixo de 50 milhões de dólares, a cifra reportada constitui um aumento de mais de 70% em comparação com os 12,9 bilhões de dólares emprestados em 2013.

De 2005 (quando a base de dados elaborada por Diálogo Interamericano começou seus primeiros registros) até 2014, a China concedeu empréstimos aos países latino-americanos no montante de 119 bilhões de dólares [2]. Os créditos da China superam o montante concedido pelo Ex-Im Bank dos Estados Unidos, o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Banco Mundial, situação que contribui para fragilizar a hegemonia financeira de Washington na região [3].

A oferta massiva de crédito manifesta a estreita cooperação que a China cultivou com os países latino-americanos e caribenhos (CELAC, formada por 33 países). O presidente da China, Xi Jinping, anunciou que para 2020 está previsto que o comércio entre as duas partes alcance os 500 bilhões de dólares anuais, com investimentos acima dos 250 bilhões de dólares [4].

É necessário destacar a construção de associações estratégicas com alguns países sul-americanos, que concentram 90% dos créditos outorgados no ano passado: o Brasil se consolidou como o principal receptor com 8,6 bilhões de dólares, seguido por Argentina com 7 bilhões, Venezuela, com 5,7 bilhões, e finalmente o Equador, com 820 milhões de dólares.

Após a crise das empresas informáticas nos Estados Unidos, os bancos centrais dos países industrializados impulsionaram a expansão do crédito em escala global. O aumento dos preços das matérias-primas, desde 2002, fez da América Latina uma das regiões favoritas para os investidores em busca de espaços de alta rentabilidade.

A mais de 6 anos da explosão da crise financeira de 2008 e frente à extrema volatilidade dos mercados financeiros, produzida pelo aumento da fragilidade sistêmica, os chineses acabaram se tornando os banqueiros favoritos das economias emergentes todas as vezes que, em comparação com os bancos estadunidenses e europeus, oferecem empréstimos com menos condicionalidades e taxas de juros mais baixas. De acordo com estimativas realizadas por Fred Hochberg, o presidente do Ex-Im Bank dos Estados Unidos, as entidades estatais chinesas distribuíram aproximadamente 650 bilhões de dólares pelo mundo, nos últimos 2 anos.

No entanto, também existe o lado perverso da moeda. Tudo parece indicar que os créditos chineses em troca de entregas futuras de matérias-primas, mais do que apontar para o desenvolvimento tecnológico, estão orientados para projetos de investimento vinculados à extração (agricultura, mineração, energia, etc.) e com isso correm o risco de aprofundar o padrão primário-exportador das economias latino-americanas e multiplicar as ameaças de pilhagem contra os povos originários.

Por outro lado, em uma entrevista ao Deutsche Welle, Kevin Gallagher, o acadêmico responsável pela base de dados de Diálogo Interamericano, adverte sobre os riscos crescentes para os países da América Latina no momento de liquidar oportunamente suas dívidas com o gigante asiático [5].

A queda das moedas da região frente à moeda estadunidense, assim como a deflação persistente (queda de preços) no mercado de matérias-primas, impulsionaram o aumento das importações e, em consequência, a diminuição dos saldos superavitários (conta corrente) das economias mais orientadas à exportação. Previsivelmente, a rentabilidade dos projetos de investimento vinculados à extração diminuirá de maneira significativa nos meses vindouros.

É que se a desaceleração dos países emergentes toma força, possivelmente fará fracassar o espírito de cooperação econômica Sul-Sul entre China e América Latina. Em meio à crise, existe o perigo de que os bancos chineses apliquem, de diversas formas, os mecanismos de coerção imperial aplicados tradicionalmente pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) na região latino-americana.

[1] «China-Latin America Finance Database», Kevin P. Gallagher y Margaret Myers, Inter-American Dialogue.

[2] «China keeps credit flowing to Latin America’s fragile economies», Kevin P. Gallagher y Margaret Myers, The Financial Times, February 27, 2015.

[3] «China Kicks World Bank To The Curb In Latin America», Kenneth Rapoza, Forbes, February 26, 2015.

[4] «Despite US-Cuba Detente, China Forges Ahead in Latin America», Shannon Thiezzi, The Diplomat, January 9, 2015.

[5] «Chinese loans helping Latin America amid oil price slump», Deutsche Welle, February 27, 2015.

Ariel Noyola Rodríguez

Ariel Noyola Rodríguez Economista formado pela Universidade Nacional Autônoma do México (UNAM). Integrante do Centro de Investigação sobre a Globalização, Global Research, com sede no Canadá. Suas reportagens sobre a economia mundial são publicadas no semanário Contralínea e suas colunas de opinião são transmitidas pela rede internacional de notícias Russia Today. O Clube de Jornalistas do México entregou a ele o Prêmio Nacional de Jornalismo na categoria Melhor Análise Econômico e Financeiro por seus trabalhos difundidos ao longo de 2015 na Rede Voltaire.

 
EUA irá instalar uma nova base militar no Peru
EUA irá instalar uma nova base militar no Peru
América do Sul sob ameaça
 
Rede Voltaire

Voltaire, edição internacional

Este artigo encontra-se sob licença creative commons

Poderá reproduzir livremente os artigos da Rede Voltaire desde que cite a fonte, não modifique o conteúdo e não os utilize para fins comerciais (licença CC BY-NC-ND).

Apoiar a Rede Voltaire

Utilizando este site poderá encontrar análises de elevada qualidade que o ajudarão a formar a sua compreensão do mundo. Para continuar com este trabalho necessitamos da sua colaboração.
Ajude-nos através de uma contribuição.

Como participar na Rede Voltaire?

Os participantes na rede são todos voluntários.
- Tradutores de nível profissional: pode participar na tradução de artigos.