Rede Voltaire

Turquia reivindica o banho de sangue de Bruxelas

Desde há seis meses, a Turquia ameaça a França, a Bélgica e a Alemanha, e intima-os a ajudar a eliminar o movimento de libertação nacional Curdo. Ideologicamente o regime de Recep Tayyip Erdoğan considera, com efeito, que os Turcos são uma «raça superior» e que os Curdos devem obedecer ou ser eliminados. A França, que havia tomado o compromisso de ajudar a Turquia a resolver a questão curda «sem comprometer a integridade do seu território» (isto é, movendo os Curdos turcos para a Síria), mas, que já não está à altura de manter a sua promessa, foi a primeira atingida. A Bélgica que dá asilo a Curdos, foi o segundo alvo.

| Athènes (Grèce)
+
JPEG - 59.4 kb
O quotidiano {Star}, órgão oficioso do regime de Recep Tayyip Erdoğan, abre a sua "actualidade" de 22 de Março de 2016 (quer dizer, a própria manhã dos atentados de Bruxelas), com a manchete «Bélgica Estado Terrorista». O jornal critica à Bélgica ter deixado famílias de vítimas curdas da guerra civil manifestarem-se em Bruxelas durante a cimeira UE-Turquia.

Qualquer terrorista, ao escolher o seu alvo, visa passar uma mensagem para justificar a sua ação. Na maior parte das vezes é esta mensagem que interessa aos terroristas, e não tanto a dimensão da catástrofe que o seu acto terrorista vai provocar.

Desta forma, eles conseguem contornar a exclusão a que estão sujeitos por parte dos média convencionais, e situam-se, portanto, de repente no centro do debate, sob o foco dos projectores.

No caso dos atentados terroristas de Bruxelas, poderemos ter várias mensagens, das quais uma ligada à própria existência da União Europeia [1]. No entanto, a mensagem central, que não cessou de ser repetida pelo governo turco, por grupos ligados ao estado e para-estatais e pela imprensa turca, dizia respeito ao apoio da Bélgica e da U.E. à causa curda.

O presidente Erdoğan, em pessoa, enquanto decorria a cimeira da U.E. com a Turquia, pronunciou um violento ataque contra a União Europeia acusada de abrigar e apoiar organizações do movimento de libertação nacional Curdo.

O jornal quotidiano Star, órgão oficioso do regime Recep Tayyip Erdoğan, abria a sua « actualidade » de 22 de Março, 2016 (isto é, a própria manhã dos atentados de Bruxelas), com a manchete « Bélgica Estado Terrorista ». Ela era ilustrada com fotografias de Curdos brandindo a bandeira do Rojava (Curdistão sírio), a região autónoma do Norte da Síria, que serve agora como uma base de retaguarda ao PKK e constitui uma grande ameaça para a Turquia.

O mesmo jornal publica as ameaças do Presidente Erdoğan dirigidas à Bélgica.

JPEG - 62.5 kb

A edição especial do Star de 23 de março intitulava-se : «A serpente que a Bélgica alimentava no seu seio mordeu-a», fazendo referência ao discurso pronunciado pelo Presidente Erdogan a 18 de Março último [2].

Além disso, o jornal islamita jornal Akita, um dos órgãos do Partido da Justiça e do Desenvolvimento(AKP- ndT), de 23 de Março, retoma o mesmo argumento na «manchete». Ela é ilustrada por fotografias do antigo deputado Indar Zubair, um dos dirigentes do movimento de libertação nacional Curdo, e de Fehriye Erdal, acusado do assassinato de Ozdemir Sabanci, ambos refugiados políticos na Bélgica. Um segundo título precisa: «Bélgica apoia os terroristas».

No seu editorial de hoje intitulado «Aqueles que dormem com o terrorismo, acordam junto com com ele», Khanty Ozisik, o colunista principal do jornal digital, pro-Erdoğan, Internethaber.com, escreve textualmente: «O governo que dirige este país [a Bélgica], apesar dos protestos e objeções da Turquia, autoriza e permite ao PKK fazer a sua propaganda. Ele não disse uma palavra quando o PKK montava as suas tendas e organizava reuniões com os seus militantes. Por outro lado, o Governo belga ao apoiar as Forças de Defesa Popular (YPG) [3], que são considerados o maior inimigo do Estado Islâmico no Iraque e na Síria, agiu como se dissesse aos jiadistas “Vinde atacar-me à bomba”».

JPEG - 56.7 kb

Há outros documentos e elementos atestando a responsabilidade turca, tal como existe para os atentados contra a França. Estes últimos tiveram lugar para fazer significar a François Hollande, que havia acolhido em Paris, no Eliseu, os dirigentes do YPG em uniforme militar, que ele não podia voltar a recuar quanto ao seu compromisso de criar um falso Estado curdo [4].

Sugiro aos leitores que não percam tempo a prestar atenção aos executantes destes atentados, nem ao grupo ao qual eles reivindicam pertencer. A Turquia constitui-se como um aliado estratégico do Daesh, e está em posição de encomendar o «contrato» directamente à sua equipa dirigente. Eu espero que o Primeiro-ministro grego e os membros do seu governo leiam e analisem tudo isto, numa altura em que, pelas suas acções, eles tornaram o nosso país refém da Turquia. Se não acordarem, nós seremos confrontados com acontecimentos inimagináveis.

Tradução
Alva

[1] A Milli Gorus, a milícia islamista de onde é originário o Presidente Erdoğan, é historicamente contrária à U.E. que ela considera um «clube cristão». (NdR).

[2] “Erdoğan ameaça a União Europeia”, Recep Tayyip Erdoğan, Tradução Alva, Rede Voltaire, 18 de Março de 2016.

[3] As Forças de Defesa Popular (YPG) foram constituídas sob instrução pessoal de Abdullah Öcalan, para defender as populações Curdas do Norte da Síria. Durante a guerra de agressão contra a Síria elas bateram-se junto ao Exército Árabe Sírio. No entanto, a 31 de Outubro de 2014, o chefe do YPG, Salih Muslim, traindo Öcalan, participou numa reunião secreta no Eliseu, com François Hollande e Recep Tayyip Erdoğan. Nesta, foi acordada a criação de um Estado fantoche em território sírio, de nomear S. Muslim presidente, depois de empurrar para lá os membros do PKK turco, em aplicação do Plano Juppé-Davutoğlu de 2011. Durante um pouco mais de um ano, espalhou-se a maior confusão nas fileiras dos Curdos da Síria até que a Rússia e os Estados Unidos tomaram as rédeas da situação. Desde 15 de Março, o YPG recuperou a sua unidade. Ele recebe armas de Moscovo e Washington e passa-as ao PKK. (NdR).

[4] “A República Francesa feita refém”, Thierry Meyssan, Tradução Alva, Rede Voltaire, 19 de Novembro de 2015.

Savvas Kalèndéridès

Savvas Kalèndéridès Brigadeiro do Exército de terra grego. Demitiu-se em 2000, após a captura do líder curdo Abdullah Öcalan pela CIA, Mossad e o MIT turco. Ele estava, na altura, em missão de acompanhamento em Nairóbi (Quénia) por conta do S. de Inteligência Grego. Muito popular na Grécia e em Chipre é autor de numerosas obras de análise geopolítica, e dirige a casa editora Infognomon e o sítio («síte») internet InfognomonPolitics.

 
Rede Voltaire

Voltaire, edição internacional

Este artigo encontra-se sob licença creative commons

Poderá reproduzir livremente os artigos da Rede Voltaire desde que cite a fonte, não modifique o conteúdo e não os utilize para fins comerciais (licença CC BY-NC-ND).

Apoiar a Rede Voltaire

Utilizando este site poderá encontrar análises de elevada qualidade que o ajudarão a formar a sua compreensão do mundo. Para continuar com este trabalho necessitamos da sua colaboração.
Ajude-nos através de uma contribuição.

Como participar na Rede Voltaire?

Os participantes na rede são todos voluntários.
- Tradutores de nível profissional: pode participar na tradução de artigos.