Rede Voltaire

Turquia quer estender-se para a Grécia

+

Ao receber a 21 de Novembro de 2016 o Secretário-Geral da NATO, Jens Stoltenberg, o Presidente turco, Recep Tayyip Erdoğan, anunciou pela segunda vez a sua intenção de renegociar o Tratado de Lausanne fixando as fronteiras do seu país e da Grécia.

Em 1923, os vencedores da Primeira Guerra Mundial tinham aceite renegociar o Tratado de Sèvres (1920), o qual previa o desmantelamento do Império Otomano. Face à revolta de Mustafa Kemal Atatürk, eles renunciaram, nomeadamente, a criar um Curdistão. O Tratado previa uma definição puramente religiosa, tanto da Grécia (Ortodoxa) como da Turquia (sunita). O que implicava grandes transferências de populações, as quais custaram a vida a meio milhão de pessoas.

Desde 1974 a Turquia ocupa um terço de Chipre (operação Átila), onde ela afirma ter criado a «República Turca do Norte de Chipre», Estado esse que ela é a única a reconhecer. Israel está muito presente nesta zona, mesmo não reconhecendo oficialmente esta «República».

Chipre é um Estado neutro abrigando bases militares britânicas em perpetuidade. A Grécia e a Turquia são ambos membros da OTAN, uma aliança militar suposta de garantir a integridade territorial dos seus membros.

Reagindo à primeira declaração do Presidente turco sobre a renegociação das suas fronteiras, o seu homólogo grego, Prokopis Pavlopoulos, recordou que o Tratado de Lausanne é internacionalmente reconhecido e que as fronteiras do seu país com a Turquia são também, elas, as da União Europeia com a Turquia.

Em 2023, a Turquia irá celebrar o seu centésimo aniversário (e o do Tratado de Lausanne que a criou). O Presidente islamita Erdoğan pretende demonstrar a sua superioridade sobre o seu predecessor laico Atatürk gestão ao ensaiar expandir o território do seu país.

Tradução
Alva

Rede Voltaire

Voltaire, edição internacional

Este artigo encontra-se sob licença creative commons

Poderá reproduzir livremente os artigos da Rede Voltaire desde que cite a fonte, não modifique o conteúdo e não os utilize para fins comerciais (licença CC BY-NC-ND).

Apoiar a Rede Voltaire

Utilizando este site poderá encontrar análises de elevada qualidade que o ajudarão a formar a sua compreensão do mundo. Para continuar com este trabalho necessitamos da sua colaboração.
Ajude-nos através de uma contribuição.

Como participar na Rede Voltaire?

Os participantes na rede são todos voluntários.
- Tradutores de nível profissional: pode participar na tradução de artigos.