Segundo a Reuters, a CIA congelou toda a ajuda aos «rebeldes» sírios, muito embora estes sejam atacados pelos «jiadistas» [1].

Até agora, os membros da OTAN distinguiam os «rebeldes» dos «jiadistas». Por vezes, eles referem-se a «moderados» e «extremistas». Na realidade, os «rebeldes moderados» jamais foram menos violentos do que os «jiadistas extremistas». Assim, num vídeo de propaganda, um comandante do Exército Livre Sírio («moderado») comeu o coração e o fígado de um soldado sírio e ameaçou dar o mesmo destino a todos os alauítas. Esta distinção semântica remete para um documento do MI6, anterior à guerra contra a Síria, no qual os serviços secretos britânicos observam que as populações do Médio-Oriente Alargado são todas anti-imperialistas. No entanto, afim de restabelecer a colonização, convêm apoiar-se em grupos «moderadamente» anti-imperialistas e combater os mais «extremistas» com os quais será impossível controlar a região.

A Administração Trump encara acabar com todos os jiadistas, quer eles sejam catalogados de «extremistas» ou de «moderados».

Tradução
Alva

[1] “Exclusive : CIA-backed aid for Syrian rebels frozen after Islamist attack - sources” («Exclusivo : Ajuda da CIA para os rebeldes Sírios congelada após ataque de Islamistas – fontes»- ndT), Tom Perry, Suleiman Al-Khalidi and John Walcott, Reuters, February 21, 2017.