O Estado-Maior russo comunicou os resultados da análise de três drones que tentaram atacar a base aérea de Hmeimim e que foram forçados a pousar [1].

- Seria impossível fabricar localmente esses drones. Obrigatoriamente, eles foram importados.
- A utilização destes drones necessita um treinamento apropriado. Os fornecedores vieram, portanto, formar os jiadistas ou, então, estes foram se treinar no exterior.
- As bombas artesanais equipando os drones pesavam cerca de 400 gramas. Elas foram concebidas à base de nitrato quaternário e de bolas de metal. Não existe produção local desse explosivo. Vários Estados produzem o explosivo, inclusive a Ucrânia.
- As coordenadas dos programas de controle destes drones são mais precisas do que as que podem ser obtidas a partir de fontes públicas. Os jiadistas tiveram, pois, acesso a informação aérea ou de satélite.

Tradução
Alva

[1] «Premières attaques de drones simultanées sur un champ de bataille», por Thierry Meyssan, Réseau Voltaire, 9 janvier 2018.