Rede Voltaire

Jamal Khashoggi e o complô falhado contra MBS

+

O jornalista saudita Jamal Khashoggi desapareceu no consulado da Arábia Saudita em Istambul, a 2 de Outubro de 2018.

Segundo a imprensa dos EUA, uma armadilha ter-lhe-ia sido estendida por ocasião de uma reunião para lhe fornecer novos documentos de identidade, tendo em vista o seu novo casamento. Uma quinzena 15 agentes dos Serviços Secretos sauditas que teriam vindo para interrogá-lo, tê-lo-iam torturado, morto, depois desmembrado. Os seus restos teriam sido repatriados para a Arábia Saudita.

Desde então, a Turquia e os Estados Unidos pedem esclarecimentos à Arábia Saudita, a qual desmente as acusações da imprensa dos EUA.

Jamal Khashoggi era sobrinho do principal traficante de armas do escândalo Irão-Contras, Adnan Khashoggi (1935-2017), considerado como o homem mais rico do mundo no início dos anos 80. Mais tarde, Jamal tornou-se o protegido do antigo Chefe dos Serviços Secretos sauditas, que acabou Embaixador em Londres, o Príncipe Turki ben Faiçal. Depois passou ao serviço do Príncipe Al-Waleed bin Talal, o qual foi longamente torturado no Ritz-Carlton aquando do golpe palaciano de Novembro de 2017.

No decurso dos últimos anos, Jamal Khashoggi defendeu os Irmãos Muçulmanos e Israel, razão pela qual fora contratado pelo Washington Post.

De acordo com as nossas informações, vários membros da família real, cujos bens foram total ou parcialmente confiscados durante o golpe palaciano de novembro de 2017, preparavam uma operação contra o Príncipe herdeiro, Mohammed bin Salmane (dito «MBS»). Jamal Khashoggi participava neste complô.

A Turquia tinha instalado um sistema de escutas no Consulado saudita de Istambul, violando a Convenção de Viena. Muito embora não possam ser publicados, os registos gravados de que Ancara dispõe contêm informações, extraídas sob tortura, relativas ao complô contra o Príncipe herdeiro.

Tradução
Alva

Rede Voltaire

Voltaire, edição internacional

Este artigo encontra-se sob licença creative commons

Poderá reproduzir livremente os artigos da Rede Voltaire desde que cite a fonte, não modifique o conteúdo e não os utilize para fins comerciais (licença CC BY-NC-ND).

Apoiar a Rede Voltaire

Utilizando este site poderá encontrar análises de elevada qualidade que o ajudarão a formar a sua compreensão do mundo. Para continuar com este trabalho necessitamos da sua colaboração.
Ajude-nos através de uma contribuição.

Como participar na Rede Voltaire?

Os participantes na rede são todos voluntários.
- Tradutores de nível profissional: pode participar na tradução de artigos.