Rede Voltaire

Um estado estrangeiro paga os salários dos funcionários de Gaza

+

O emirado do Catar deverá transferir 21 milhões de euros para pagar os salários dos funcionários de Gaza.

Os funcionários palestinianos residindo na Faixa de Gaza já não são pagos pela Autoridade Palestina há mais de seis meses, no seguimento da ruptura de relações entre o Presidente Mahmoud Abbas e o Hamas. De facto, embora sejam reconhecidos como um Estado único por vários membros da ONU, os territórios palestinos estão divididos em duas entidades políticas distintas.

Criado com a ajuda de Israel, o Hamas foi proclamado durante a «Primavera Árabe», «ramo palestiniano dos Irmãos Muçulmanos»; título ao qual renunciou mais tarde.

Muito embora o emirado do Catar seja teoricamente um Estado estrangeiro, é —com a Turquia— um dos dois protectores da confraria dos Irmãos Muçulmanos. Portanto, acha-se com direito a exercer o Poder em Gaza por intermédio do Hamas.

Uma primeira remessa de 15 milhões, em dinheiro, chegou dia 8 de Novembro de 2018 ao local. Foi entregue ao Hamas e não à Autoridade Palestiniana, embora seja ela a única autoridade legítima.

Tradução
Alva

Rede Voltaire

Voltaire, edição internacional

Este artigo encontra-se sob licença creative commons

Poderá reproduzir livremente os artigos da Rede Voltaire desde que cite a fonte, não modifique o conteúdo e não os utilize para fins comerciais (licença CC BY-NC-ND).

Apoiar a Rede Voltaire

Utilizando este site poderá encontrar análises de elevada qualidade que o ajudarão a formar a sua compreensão do mundo. Para continuar com este trabalho necessitamos da sua colaboração.
Ajude-nos através de uma contribuição.

Como participar na Rede Voltaire?

Os participantes na rede são todos voluntários.
- Tradutores de nível profissional: pode participar na tradução de artigos.