Rede Voltaire

A Rússia recorreu a armas da era soviética na guerrilha urbana da Síria

A guerra contra a Síria e o Iraque mobilizou mais de 250.000 mercenários. Mas esses homens estavam muitas vezes mal preparados para o material sofisticado que possuíam. Eles voltaram, pois, a antigas técnicas de combate que obrigaram as forças nacionais a adaptarem-se.

| Bucareste (Roménia)
+
JPEG - 65.7 kb
UR-77 Meteorit

Entre as armas russas mais eficazes que foram testadas na Síria, há uma que data da época soviética. A ocupação dos centros urbanos sírios pelos islamistas fez-se graças a dezenas, ou mesmo centenas de pontos de apoio.

Cada ponto de apoio era o equivalente a uma companhia de infantaria disposta em vários edifícios situados nos cruzamentos principais. Os edifícios estavam conectados a túneis subterrâneos onde eram armazenados suprimentos e munições suficientes para um ano.

Havia neles muitos atiradores especiais, mísseis anti-carro guiados, canhões sem recuo, e o perímetro estava cercado por campos minados e engenhos explosivos improvisados.

Quando entraram nesses centros urbanos, as tropas do Exército sírio ficaram bloqueadas. A única solução era neutralizá-los um a um. Os bombardeamentos aéreos sobre os pontos de apoio não eram eficazes, destruindo apenas os andares superiores.

Assim sendo, a neutralização dos pontos de apoio era extremamente difícil, levando à morte de muitos soldados, destruindo centenas de blindados e o Exército sírio.

Com o envolvimento da Rússia na Síria, a neutralização dos pontos de apoio dos rebeldes tornou-se mais fácil graças ao fornecimento de um meio de combate apropriado, o UR-77 Meteorit (Zmey Gorynych). As vitórias relâmpago conseguidas pelo Exército sírio devem-se à utilização intensiva dos sistemas russos UR-77.

O UR-77 Meteorit é um veículo blindado montado sobre o chassis do canhão autopropulsado 2S1 Gvozdika da era soviética. No lugar da torre, os Russos montaram uma unidade de lançamento com 1 tonelada de carga explosiva com uma disposição linear (LDCS): Linear Demolition Charge System (Sistema de Carga de Demolição Linear-ndT). A carga é catapultada por foguetes a uma distância de até 100 metros à frente do veículo. A detonação do explosivo é feita com um temporizador automático.

À partida, o UR-77 estava concebido para criar brechas nos campos de minas, para permitir à infantaria e aos blindados avançar. Mas o UR-77 revelou-se muito eficaz na luta contra os mercenários na Síria.

Em 1991, aquando da primeira Guerra do Golfo, os Britânicos usaram o sistema Giant Viper contra as fortificações iraquianas na fronteira entre o Kuwait e a Arábia Saudita. A infantaria da marinha Norte-americana utilizou igualmente estes sistemas, os M58, em 2005, durante os combates contra os rebeldes iraquianos em Falluja.

Tradução
Alva

Este artigo encontra-se sob licença creative commons

Poderá reproduzir livremente os artigos da Rede Voltaire desde que cite a fonte, não modifique o conteúdo e não os utilize para fins comerciais (licença CC BY-NC-ND).

Apoiar a Rede Voltaire

Utilizando este site poderá encontrar análises de elevada qualidade que o ajudarão a formar a sua compreensão do mundo. Para continuar com este trabalho necessitamos da sua colaboração.
Ajude-nos através de uma contribuição.

Como participar na Rede Voltaire?

Os participantes na rede são todos voluntários.
- Tradutores de nível profissional: pode participar na tradução de artigos.

A invasão turca do Rojava
Tudo o que vos escondem sobre a operação turca «Fonte de Paz» (3/3)
A invasão turca do Rojava
Thierry Meyssan
O Curdistão, imaginado pelo colonialismo francês
Tudo o que vos escondem sobre a operação turca «Fonte de Paz» (2/3)
O Curdistão, imaginado pelo colonialismo francês
Thierry Meyssan
A genealogia da questão curda
Tudo o que vos escondem sobre a operação turca «Fonte de Paz» (1/3)
A genealogia da questão curda
Thierry Meyssan