Rede Voltaire

A Alemanha e França ocuparão conjuntamente a presidência do Conselho de Segurança em Março e Abril de 2019

+

O Conselho de Segurança das Nações Unidas é composto por cinco membros permanentes (Estados Unidos da América, Federação da Rússia, França, República Popular da China, Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte) e dez membros eleitos pela Assembleia Geral (actualmente: a Guiné Equatorial, o Koweit, o Peru, a Polónia e a Costa do Marfim eleitos para 2018 e 2019 e a República Dominicana, a Alemanha, a Indonésia, a África do Sul e a Bélgica eleitos para 2019 e 2020).

A presidência do Conselho recai, em cada mês, alternadamente, num dos seus membros. O calendário de 2019 prevê que ela será exercida em Março pela França e em Abril pela Alemanha.

Num vídeo comum, a Alemanha e a França anunciaram que exerceriam esta presidência em conjunto.

Em termos concretos, um ou outro dos representantes permanentes, ou dos seus suplentes, poderão presidir às sessões; os dois embaixadores assinarão conjuntamente as «declarações presidenciais» (isto é, as declarações do Conselho sem valor legal); e prepararão em conjunto a sessão de reflexão geral que cada Estado exercendo a Presidência está autorizado a organizar.

Os Embaixadores podem, a qualquer momento, ser substituídos pelo seu Ministro dos Negócios Estrangeiros, e para a Alemanha pela sua Chancelerina, para a França pelo seu Presidente da República. .

Esta é a primeira vez que dois Estados decidem exercer conjuntamente a presidência do Conselho de Segurança. Ao fazê-lo, apoiam mutuamente a sua política externa.

A Alemanha e a França colocaram forças militares conjuntas no Sahel, no quadro de uma operação norte-americana validada pelo G5-Sahel (Mauritânia, Mali, Burkina Faso, Níger e Chade). A sua missão oficial é a de lutar exclusivamente contra o terrorismo, no entanto, a 5 e 6 de Fevereiro de 2019, intervieram para aniquilar os opositores do Presidente chadiano Idress Deby.

Além disso, os dois estados implicaram igualmente, de forma ilegal, forças especiais em território sírio, no território ocupado ilegalmente pelos Estados Unidos e seus auxiliares curdos, pretensamente para aí combater contra o Daesh, e outros na província de Idlib ocupada ilegalmente pela Alcaida.

Tradução
Alva

Rede Voltaire

Voltaire, edição internacional

Este artigo encontra-se sob licença creative commons

Poderá reproduzir livremente os artigos da Rede Voltaire desde que cite a fonte, não modifique o conteúdo e não os utilize para fins comerciais (licença CC BY-NC-ND).

Apoiar a Rede Voltaire

Utilizando este site poderá encontrar análises de elevada qualidade que o ajudarão a formar a sua compreensão do mundo. Para continuar com este trabalho necessitamos da sua colaboração.
Ajude-nos através de uma contribuição.

Como participar na Rede Voltaire?

Os participantes na rede são todos voluntários.
- Tradutores de nível profissional: pode participar na tradução de artigos.

A invasão turca do Rojava
Tudo o que vos escondem sobre a operação turca «Fonte de Paz» (3/3)
A invasão turca do Rojava
Thierry Meyssan
O Curdistão, imaginado pelo colonialismo francês
Tudo o que vos escondem sobre a operação turca «Fonte de Paz» (2/3)
O Curdistão, imaginado pelo colonialismo francês
Thierry Meyssan
A genealogia da questão curda
Tudo o que vos escondem sobre a operação turca «Fonte de Paz» (1/3)
A genealogia da questão curda
Thierry Meyssan