Rede Voltaire
« A Arte da Guerra »

Em Camp Darby, as Forças Especiais Italianas

A reorganização da base americana de Camp Darby (Itália) mascára a transferência de Forças Especiais sob o comando USA. Este dispositivo já existiu no passado. Foi ele que permitiu a criação do Gladio, o serviço de acção secreta da NATO na Itália. Desde Dezembro de 2015 (Artigo 7bis da Lei 198), o Presidente do Conselho Italiano tem a possibilidade de continuar as operações militares através de operações dos Serviços Secretos. Esta notícia confirma um pouco mais, a hipótese que afirmamos há dois meses: a NATO prepara uma onda de atentados na Europa.

| Roma (Itália)
+
JPEG - 51.6 kb
Treino do 4º Regimento de Paraquedistas italianos Ranger Monte Cervino pelas Forças Especiais US (12 de Janeiro de 2019).

A notícia não é oficial, mas já é badalada: a partir de Outubro, em Camp Darby irá ondular a bandeira italiana. Será que os Estados Unidos estão para fechar o seu maior arsenal no mundo, fora da mãe Pátria, restituindo à Itália cerca de 1.000 hectares do território que ocupam entre Pisa e Livorno? De maneira nenhuma. Não estão encerrar, mas a reorganizar a base para que possam ser armazenadas mais armas e para fortalecer as ligações com o porto de Livorno e com o aeroporto de Pisa. Na reestruturação, ficou sem utilidade, uma pequena parte da área de lazer: 34 hectares, pouco mais de 3% de toda a área. É isso que o US Army Europe decidiu restituir a Itália, mais precisamente, ao Ministério da Defesa italiano, para fazer o melhor uso possível.

Assim, foi estipulado um acordo que prevê a transferência para esta área do Comando das Forças Especiais do Exército Italiano (COM.FO.S.E), actualmente alojado no quartel de Gamerra de Pisa, sede do Centro de Treino de Paraquedismo. São as forças cada vez mais utilizadas nas operações secretas: infiltram-se à noite em território estrangeiro, identificam os alvos a ser atingidos, eliminam-nos com uma acção relâmpago, saltando de aviões ou descendo de helicópteros, depois retiram-se sem deixar rasto, excepto mortos e destruição.

A Itália, que os usou principalmente no Afeganistão, deu um decisivo passo em frente para o seu fortalecimento quando, em 2014 se tornou operacional , o COM.FO.S.E, que reune sob comando unificado, quatro regimentos: o 9º Regimento de Assalto Col Moschin e o 185º Regimento de Aquisição de Objectivos Folgore, o 28º Regimento de Comunicações de Pavia e o 4º Regimento de Páraquedistas Alpine Rangers. Na cerimónia inaugural de 2014, foi anunciado que o COM.FO.S.E manteria uma “ligação constante com o U.S. Army Special Operation Command”, o comando americano mais importante para operações especiais, composto por cerca de 30 mil especialistas utilizados, principalmente, no Médio Oriente. Em Camp Darby - especificou no ano passado, o Coronel Erik Berdy, Comandante do US Army Italy- já está a ser realizado o treino militar conjunto de militares americanos e italianos.

A transferência do COM.FO.S.E para uma área de Camp Darby, que, formalmente, pertencente à Itália, permitirá integrar, para todos os efeitos, as Forças Especiais italianas com as dos Estados Unidos, empregando-as em operações secretas, sob o comando USA. Tudo sob a capa do segredo militar. Não pode deixar de vir à mente, neste momento, a história das operações secretas de Camp Darby: as investigações dos Juízes de Direito, Casson e Mastelloni, mostraram que Camp Darby tem desempenhado, desde os anos sessenta, a função de base da rede golpista constituída pela CIA e pelo SIFAR no quadro do plano secreto Gladio. As bases USA/NATO - escreveu Ferdinando Imposimato, Presidente Honorário do Supremo Tribunal Federal - forneceram os explosivos para os massacres da Piazza Fontana, Capaci e Via d’Amelio. Nessas bases reuniam-se “terroristas negros, funcionários da NATO, mafiosos, políticos italianos e maçons, na véspera dos atentados”. No entanto, nem no Parlamento nem nas autoridades locais, ninguém se preocupa com as implicações da transferência das Forças Especiais italianas, de facto, para o interior de Camp Darby, sob comando USA.

Os municípios de Pisa e Livorno, que passaram, respectivamente, do Partido Democrata para a Lega e para o M5S, continuaram a promover, com a Região Toscana, “a integração entre a base militar USA, de Camp Darby e a comunidade circundante”. Há poucos dias, foi decidido integrar os sites Web das administrações locais com os de Camp Darby. A rede do Camp Darby estende-se, cada vez mais, pelo território italiano.

Tradução
Maria Luísa de Vasconcellos

Fonte
Il Manifesto (Itália)

Este artigo encontra-se sob licença creative commons

Poderá reproduzir livremente os artigos da Rede Voltaire desde que cite a fonte, não modifique o conteúdo e não os utilize para fins comerciais (licença CC BY-NC-ND).

Apoiar a Rede Voltaire

Utilizando este site poderá encontrar análises de elevada qualidade que o ajudarão a formar a sua compreensão do mundo. Para continuar com este trabalho necessitamos da sua colaboração.
Ajude-nos através de uma contribuição.

Como participar na Rede Voltaire?

Os participantes na rede são todos voluntários.
- Tradutores de nível profissional: pode participar na tradução de artigos.