Rede Voltaire

Juan Guaidó começou a pilhar os bens venezuelanos

+

O Presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, Juan Guaidó, não apresentou justificativos dos custos das suas viagens ao estrangeiro como a Constituição lhe exige.

Perante a sua recusa, o Fiscal Geral da República, Elvis Amoroso, accionou a Justiça que determinou a sua suspensão das funções de deputado e 15 anos de inelegibilidade por corrupção.

Ele realizou mais de 91 viagens para fora do país, por um custo superior a 310 milhões de bolívares (cerca de US $ 94.000 dólares), sem justificar o financiamento. Isso teria sido feito com dinheiro apreendido pelos Estados Unidos e pelo Reino Unido dos activos venezuelanos no estrangeiro.

Juan Guaidó —que já não se considera Presidente da Assembleia Nacional, antes se auto-proclamou Presidente da República— considera que o mandato do Fiscal Geral já não é válido e, portanto, opôs-se ao seu pedido. Os seus representantes pessoais assumiram o controle de bens nacionais apreendidos pelos Estados Unidos e pelo Reino Unido, com os quais financiam uma mini-administração no exílio e o recrutamento de comandos na Guatemala, nas Honduras e em El Salvador.

Tradução
Alva

Rede Voltaire

Voltaire, edição internacional

Este artigo encontra-se sob licença creative commons

Poderá reproduzir livremente os artigos da Rede Voltaire desde que cite a fonte, não modifique o conteúdo e não os utilize para fins comerciais (licença CC BY-NC-ND).

Apoiar a Rede Voltaire

Utilizando este site poderá encontrar análises de elevada qualidade que o ajudarão a formar a sua compreensão do mundo. Para continuar com este trabalho necessitamos da sua colaboração.
Ajude-nos através de uma contribuição.

Como participar na Rede Voltaire?

Os participantes na rede são todos voluntários.
- Tradutores de nível profissional: pode participar na tradução de artigos.