Rede Voltaire

O Exército russo serve-se de manobras da OTAN para treinar em condições próximas ao combate real

Deve ver-se nisto uma forma de humor ou um desprezo pelo perigo? O Exército russo acaba de utilizar as manobras da OTAN «Escudo do Mar 2019» no Mar Negro para realizar o seu próprio treino em situação realista.

| Bucareste (Roménia)
+
JPEG - 24.8 kb

Funcionários ucranianos declararam que a sua marinha de guerra, assim como um grupo de navios da OTAN, preparavam-se para atravessar o Estreito de Kerch sem a aprovação da Rússia. Com esta manha, os Ucranianos pensam que vão enrolar a Rússia.

Ao mesmo tempo, grandes exercícios de forças navais da OTAN chamados «Escudo do Mar 2019» acabam de ter lugar no Mar Negro. Os Estados membros da OTAN puseram em prática procedimentos de combate contra os submarinos, os navios de superfície e aeronaves adaptados à região. O seu cenário simula uma operação de resposta a uma crise no quadro de uma resolução do Conselho de Segurança das Nações Unidas (CSNU).

Quatorze navios de guerra romenos, os caças Mig 21 e F-16 romenos, o contra-torpedeiro (destroyer) neerlandês Evertsen, a fragata canadiana Toronto, a fragata espanhola Santa Maria, a fragata turca Gelibolu e o navio auxiliar francês Var participaram nestas manobras.

Desde o dia 8 de Abril, o 4º Exército do Ar e a Defesa Antiaérea, assim como a Frota Naval russa do Mar Negro, realizaram manobras de cooperação no quadro do plano de controle já estabelecido. Aviões de assalto Su-25SM, 20 bombardeiros tácticos Su-34 e Su-24 e aviões Su-30 simularam o avanço da defesa antiaérea e o ataque contra navios cruzando a fronteira russa. O cenário envolvia a destruição de dois navios de guerra inimigos, de um destroyer e de uma fragata. As características dos navios escolhidos correspondiam às da composição do grupo naval da OTAN que participa no «Escudo do Mar 2019».

Os navios de guerra russos efectuaram missões para defender a infra-estrutura costeira da Península da Crimeia, assim como para se oporem aos grupos navais inimigos.

Ainda no quadro da verificação de capacidades de combate, quatro caças Su-27SM do 38º Regimento Aéreo em Belbek, na Crimeia, escoltaram dois bombardeiros estratégicos Tu-160 que evoluíram no espaço aéreo do mar Negro. Estes aviões T-160 fazem parte da 22ª Divisão de bombardeamento aéreo da Base Aérea de Engels. Os Su-27SM treinaram a interceptar alvos aéreos em várias direcções de ataque. Os bombardeiros Tu-22M3 de longo alcance foram usados nestes exercícios, até ao momento.

A verificação do nível de preparação das forças militares russas foi realizado no meio dos exercícios «Escudo do Mar 2019», que providenciaram às forças russas a possibilidade de realizar missões de treino em condições próximas a reais condições de combate. O exercício das forças militares russas é uma mensagem clara enviada às forças da OTAN a fim de as manter longe das águas territoriais da Federação da Rússia no Mar Negro e, especialmente, da ponte do Estreito de Kerch.

Tradução
Alva

Este artigo encontra-se sob licença creative commons

Poderá reproduzir livremente os artigos da Rede Voltaire desde que cite a fonte, não modifique o conteúdo e não os utilize para fins comerciais (licença CC BY-NC-ND).

Apoiar a Rede Voltaire

Utilizando este site poderá encontrar análises de elevada qualidade que o ajudarão a formar a sua compreensão do mundo. Para continuar com este trabalho necessitamos da sua colaboração.
Ajude-nos através de uma contribuição.

Como participar na Rede Voltaire?

Os participantes na rede são todos voluntários.
- Tradutores de nível profissional: pode participar na tradução de artigos.

A invasão turca do Rojava
Tudo o que vos escondem sobre a operação turca «Fonte de Paz» (3/3)
A invasão turca do Rojava
Thierry Meyssan
O Curdistão, imaginado pelo colonialismo francês
Tudo o que vos escondem sobre a operação turca «Fonte de Paz» (2/3)
O Curdistão, imaginado pelo colonialismo francês
Thierry Meyssan
A genealogia da questão curda
Tudo o que vos escondem sobre a operação turca «Fonte de Paz» (1/3)
A genealogia da questão curda
Thierry Meyssan