Acionado pela Assembleia Geral da ONU, o Tribunal Internacional de Justiça confirmou, em 25 de Fevereiro de 2019, a manipulação do processo de independência das Maurícias e de sua soberania sobre o arquipélago de Chagos [1].

A Assembleia Geral da ONU havia adotado, em 22 de Maio de 2019, uma Resolução instando o Reino Unido a abandonar, dentro de um prazo de seis meses, o Arquipélago de Chagos que ocupa ilegalmente e a devolvê-lo às Maurícias [2].

No final deste período, o Reino Unido nada empreendeu e ocupa ilegalmente o arquipélago.

Em um comunicado, o Foreign Office inflexível precisou : «O Reino Unido não tem qualquer dúvida quanto a sua soberania sobre os Territórios Britânicos do Oceano Índico (BIOT), os quais de maneira contínua estão sob soberania britânica desde 1814 ( ...) As Maurícias jamais tiveram soberania sobre os BIOT e o Reino Unido não reconhece esta reivindicação».

Segundo a Oposição trabalhista: «O governo se considera acima das leis internacionais».

O arquipélago inclui a ilha de Diego Garcia, onde estão localizadas uma base militar britânica e uma gigantesca base militar dos EUA. O Reino Unido e os Estados Unidos não cessam de denunciar o expansionismo chinês nesta região.

Tradução
Alva

[1] “O Tribunal Interno da ONU declara que Londres e Washington ocupam ilegalmente a base de Diego Garcia”, Tradução Alva, Rede Voltaire, 28 de Fevereiro de 2019.

[2] “A ONU insta Londres a restituir o arquipélago de Chagos, incluindo Diego Garcia”, Tradução Alva, Rede Voltaire, 26 de Maio de 2019.