O Chanceler do Reich Adolf Hitler e o embaixador da Polónia, Józef Lipski (à direita na foto).

Intervindo diante do Estado-Maior militar russo, em 24 de Dezembro de 2019, o Presidente Vladimir Putin declarou ter tomado conhecimento de documentos de arquivo apreendidos aquando da queda de Berlim, em 1945.

Eles atestam que em 1938 a Polónia, do Marechal Józef Piłsudski, havia pensado e planeado (planejado-br) com o Reich alemão a deportação de judeus polacos (poloneses-br) e alemães para a África.

Relacionam-se provavelmente com o «plano Madagascar», o qual foi objecto de uma comissão paritária entre os dois Estados, a Comissão Lepecki. Este projecto foi uma iniciativa do Ministro francês dos Negócios Estrangeiros, Georges Bonnet [1], o qual, encantado pela política judaica do Reich, havia proposto ao seu homólogo, Joachim von Ribbentrop, deportar os judeus franceses e alemães para esta longínqua colónia. Ele foi abandonado no início da Segunda Guerra Mundial devido à impossibilidade de transportar os judeus para o destino, por causa da marinha britânica.

O Presidente Putin ligou esta lembrança ao negacionismo histórico do actual governo polaco e à votação pelo Parlamento Europeu de uma resolução responsabilizando a União Soviética pela Segunda Guerra Mundial [2].

Tradução
Alva

[1] Georges Bonnet era um Ministro da ala direita do Partido Radical. Ele apoiou os Acordos de Munique e assinou um Compromisso franco-alemão de colaboração pacífica. Ver : «Ce jour que l’Occident préfère oublier» («O dia que o Ocidente prefere esquecer»-ndT), por Michael Jabara Carley, Strategic Culture Foundation (Russie) , Réseau Voltaire, 4 octobre 2015.

[2] «El Parlamento Europeo atribuye la Segunda Guerra Mundial a la Unión Soviética», Red Voltaire , 19 de septiembre de 2019.