A epidemia de coronavírus que começou no início de Dezembro de 2019, em Wuhan (China), foi precedida dois meses antes por um exercício do Fórum de Davos com a ajuda do Johns Hopkins Center for Health Security e da Fundação Bill & Melinda Gates .

Este exercício foi realizado em Nova Iorque, a 18 de Outubro de 2019. Tratou-se, explicitamente, de planificar (planejar-br) a reacção de empresas transnacionais e de governos a uma epidemia de coronavírus.

Participaram neste exercício 15 líderes mundiais, entre os quais os dois responsáveis oficiais chinês e norte- americano de luta contra as epidemias.

- Latoya Abbott, Responsável pelos riscos do grupo hoteleiro norte-americano Marriott International.
- Sofia Borges, vice-presidente da Fundação das Nações Unidas
- Brad Connett, presidente do grupo Henry Schein (principal produtor de material médico no mundo)
- Christopher Elias, responsável de desenvolvimento global na Fundação Bill & Melinda Gates
- Tim Evans, antigo director do departamento de Saúde do Banco Mundial.
- George Gao, director do Centro chinês de contrôle e de prevenção de doenças.
- Avril Haines, antiga directora-adjunta da CIA e antiga Conselheira de Segurança Nacional do Presidente Barack Obama.
- Jane Halton, antiga Ministra australiana da Saúde, administradora do ANZ (Banco da Austrália e da Nova-Zelândia).
- Matthew Harrington, director da Edelman, a mais importante firma de relações públicas do mundo.
- Martin Knuchel, director de situações de crise do grupo de transporte aéreo Lufthansa.
- Eduardo Martinez, conselheiro jurídico da mais importante sociedade de logística postal no mundo, UPS, e director da UPS Foundation.
- Stephen Redd, director-adjunto dos US Centers for Disease Control and Prevention.
- Hasti Taghi, vice-presidente do grupo de comunicação, NBC Universal
- Adrian Thomas, vice-presidente do gigante farmacêutico Johnson & Johnson
- Lavan Thiru, governador do Banco central de Singapura

Tradução
Alva