O Presidente do Estado autoproclamado do Artsaque (ou Artsakh-ndT), Arayik Harutyunyan (foto), acusou Israel, em 11 de Outubro de 2020, de ter participado activamente na «guerra de 4 dias», em 2016, e de se ter implicado, com pleno conhecimento de causa, na de 2020.

Segundo ele, a intenção genocida da Turquia e do Azerbaijão é indiscutível tendo em vista o que as populações destes dois Estados cometeram em 1894-95 e em 1915-23 em relação aos não-muçulmanos e particularmente aos ortodoxos Arménios.

Israel forneceu armas ao Azerbaijão três dias antes do desencadear das hostilidades e ainda três dias após o início da guerra [1]. Actualmente, oficiais israelitas (israelenses-br) estão a dar assessoria ao Exército do Azerbaijão sobre a utilização dessas armas.

Para o Presidente Harutyunyan, Israel, que clama ser o refúgio dos sobreviventes da «solução final», não pode ignorar o genocídio que se prepara. Se fosse honesto, aquele que clama querer prevenir um qualquer outro genocídio, retirar-se-ia imediatamente do conflito.

Tradução
Alva

[1] “O Azerbaijão armado por Israel contra o Artsakh”, Tradução Alva, Rede Voltaire, 6 de Outubro de 2020.