O Centro de Intercepção do FE em Sandagergård (ilha de Amager)

A imprensa dinamarquesa acaba de publicar uma série de revelações sobre a participação do Estado numa vasta operação de espionagem das suas próprias administrações e das suas empresas privadas de defesa pelos Estados Unidos.

Acontece que em 1992 o Presidente Bill Clinton pediu ao Primeiro-Ministro dinamarquês da época, Poul Nyrup Rasmussen, acesso ao núcleo da rede Internet do seu país. Este, atlantista convicto, autorizou. Os procedimentos das relações entre a NSA (National Security Agency) e a FE (Forsvarets Efterretningstjeneste) foram fixados por escrito.

Este dispositivo permite aos EUA interceptar toda e qualquer actividade na Internet, de todos os Dinamarqueses, bem como as actividades de estrangeiros que passem pela Dinamarca.

Durante o mandato de Barack Obama (ou seja, após as revelações de Edward Snowden e o compromisso dos EUA em não espiar mais os seus aliados), os Estados Unidos conseguiram assim truncar o concurso público dinamarquês de aviões de combate e impor o F-35 em detrimento da indústria dinamarquesa e europeia.

O grande público considera, erradamente, este caso como sendo de espionagem. Na realidade, isto foi autorizado pelo Primeiro-Ministro e posto em prática pelo Serviço dinamarquês de Inteligência Militar e Electromagnética. Trata-se da continuação do dispositivo montado após a Segunda Guerra Mundial pela CIA (EUA), depois pela OTAN (EUA + Reino Unido), sob a designação de rede Stay-behind (Gladio). Sob pretexto de lutar contra a União Soviética, os Anglo-Saxónicos deram-se ao direito de interferir nos assuntos internos dos países aliados, chegando ao ponto de mandar assassinar um Primeiro-Ministro ou de organizar Golpes de Estado. A filial da rede Stay-behind dinamarquesa, Absalon —pretensamente dissolvida em 1989— estava, de resto, instalado no coração da FE (Forsvarets Efterretningstjeneste) [1]. Tudo leva a crer que o mesmo dispositivo está actualmente activo em todos os Estados membros da OTAN.

Tradução
Alva

[1] «La guerra secreta en Dinamarca», por Daniele Ganser, Red Voltaire , 15 de agosto de 2013. Stay-Behind og Firmaet. Efterretningsvæsen og private antikommunistiske organisationer i Danmark 1945-1989, Ministério dinamarquês da Justiça.