A seguir ao ataque ao Capitólio, em 6 de Janeiro de 2021, o Pentágono encomendou um estudo sobre os movimentos extremistas possivelmente infiltrados nas Forças Armadas. Um manual fora já distribuído ao Exército terrestre, em Junho de 2020, identificando 21 grupos de supremacistas.

Numa apresentação audiovisual da DARPA (Defense Advanced Research Projects Agency-Agência de Projectos de Pesquisa Avançada de Defesa), utilizada durante o seminário convocado, no início de Março, pelo Secretário de Defesa dos Estados Unidos, General Lloyd Austin, um diagrama mostrou os principais grupos extremistas a que as Forças Armadas devem fazer face hoje em dia : O Ku Klux Klan, o Hamas, a Alcaida, a seita Christian Identity e… os Católicos.

Segundo o conselho jurídico da associação First Liberty, Mestre Michael Berry, que foi ouvido pela Comissão das Forças Armadas da Câmara dos Representantes, em 24 de Março de 2021, o Pentágono consideraria as posições da Igreja Católica sobre questões de género inaceitáveis. Assim, ele teria concluído que os Católicos são susceptíveis de cometer atentados contra os Exércitos dos EUA, os quais aceitam pessoas transgénero (NB. A Igreja Católica não tem nenhum problema com as pessoas transexuais, unicamente com a ideologia de género).

O Presidente Biden é católico, mas em ruptura com a maioria do clero dos EUA. Sobre o mesmo assunto, ler :
- “Biden, comandante dos « crentes verdadeiros »”, Thierry Meyssan, Tradução Alva, Rede Voltaire, 16 de Fevereiro de 2021.
- “A Igreja Católica dos EUA dividida face a Biden”, Tradução Alva, Rede Voltaire, 18 de Fevereiro de 2021.

Tradução
Alva