O presidente da Conferência Islâmica da Espanha, Ayman Adlbi (foto), e o tesoureiro da Mesquita Central de Madrid, Mohamed Hatem Rohaibani, foram detidos por financiamento do terrorismo.

A Conferência Islâmica da Espanha é o único órgão representativo dos muçulmanos em Espanha reconhecido pela lei [1]..

Os dois homens montaram um sistema de colecta de fundos pretensamente humanitário, na realidade exclusivamente destinado a financiar a Alcaida na Síria. A sua organização havia já transferido 144.710 euros.

As doações, em geral de 30 euros por mês, que eram rotuladas como sendo destinadas a «órfãos», na verdade destinavam-se a jiadistas.

A polícia gravou conversas telefónicas em código que não deixam quaisquer dúvidas sobre a organização desse tráfico [2].

Ayman Adlbi fora eleito para a presidência da Comissão Islâmica de Espanha em 2020. Ele seria membro do ramo sírio da Confraria dos Irmãos Muçulmanos. Ele teria fugido da Síria e ter-se-ia instalado em Espanha após o fracasso da tentativa de Golpe de Estado organizado pela sua sociedade secreta, em 1978 (a chamada «Revolta de Hama»), com a ajuda dos Estados Unidos. Ele teria obtido a nacionalidade espanhola durante a Guerra Fria.

Tradução
Alva

[1] Ley 26/1992, de 10 de noviembre, por la que se aprueba el Acuerdo de Cooperación del Estado con la Comisión Islámica de España, Boletín Oficial del Estado (#272), 12 de noviembre de 1992.

[2] “Instrucciones para donar a la yihad: «Pones huérfanos y ya está»”, Manuel Marraco, El Mundo, 6 de abril de 2021.