O Presidente Biden anunciou, em 14 de Abril de 2021, a retirada das tropas dos EUA do Afeganistão [1].

No entanto, não se trata da aplicação do programa do seu antecessor (retirada das tropas e término da «guerra sem fim»). Joe Biden, aliás, nunca evocou o abandono da estratégia Rumsfeld/Cebrowski.

Segundo o Secretário da Defesa, o General Lloyd Austin, os EUA continuarão a pagar os salários do Exército e da Polícia afegãs e deverão tomar a cargo o equipamento da Força Aérea e das Forças Especiais. Não se deverá propriamente falar de uma «retirada», mas, antes de uma «operação de redução». O Pentágono tem a vontade de recolocar os seus soldados noutras frentes.

Parece que o Pentágono pretende prosseguir a «guerra sem fim» no Afeganistão da mesma forma como a iniciou no Líbano: sem tropas dos EUA, jogando apenas com as divisões locais.

De passagem, ouviu-se mais uma mentira: segundo o Presidente Biden e o Secretário de Estado Blinken, os Estados Unidos cumpriram a sua promessa. Eles «levaram Osama bin Laden à justiça» (sic).

Tradução
Alva

[1] «Anuncio de retirada militar de Estados Unidos de Afganistán», por Joseph R. Biden Jr., Red Voltaire , 14 de abril de 2021.