Rede Voltaire
Tradução

Marisa Choguill

66 artigos
 Por que os Estados Unidos estão de repente se retirando da Síria? Bucareste (Roménia) | 21 de Dezembro de 2018
A Força Aérea dos EUA está condenada à derrota se confrontar-se com o Exército Árabe Sírio o qual, agora, tem em sua posse materiais antiaéreos russos, os melhores do mundo. A única opção viável dos EUA é retirar-se, poupando-se de humilhações.
A história está-se repetindo. Uma vez antes, no Iraque, os Estados Unidos haviam usado combatentes curdos, prometendo-lhes um Estado, antes de deixá-los ser massacrados por Saddam Hussein. Hoje, os EUA deixam outros curdos, a quem também prometeu um Estado, a enfrentar a Turquia sozinhos. Em poucos meses a guerra terá acabado. Após oito anos de lutas e dezenas de milhares de mercenários islâmicos sacrificados, o sonho da OTAN de destruir as estruturas de Estado da Síria terá falhado.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Lições e Consequências da Primeira Guerra Mundial: de Volta para o Futuro? 4 de Junho de 2014
O centenário da primeira guerra mundial é um momento para uma reflexão sóbria e profunda sobre as causas e consequências desta tragédia humana. Tem havido alegações de que a aprendizagem pode ser ‘uma visão perfeita’ [‘20/20’ em inglês= fácil após a ocorrência – NT]; mas, estando hoje tão distante do evento real em si, parece que a aprendizagem através das polêmicas polarizada de hoje é míope. A história está sendo reinterpretada para marcar pontos políticos a curto prazo, e esquece-se de que a intenção britânica do conflito original era para uma transformação a longo prazo e profética do arranjo (na época, reconhecido como ‘global’) das potências européias. Claro, nem tudo saiu como previsto e aconteceram ‘zebras’ [‘dark horses’: acontecimentos inesperados; o mesmo que ‘zebras’, ‘azarões’ – NT] para contrabalançar esses planos cuidadosamente concebidos e/ou colher dividendos imerecidos. Não importa que cem anos já tenham passado; o objetivo geoestratégico é o mesmo – as Potências Marítimas devem utilizar todos os (...)