Rede Voltaire
«Tendências do Oriente»

Sucessivas derrotas e grande número de baixas dos Contras na Síria

| Beirute (Líbano)
+
JPEG - 20.3 kb
O xeque Ahmad Maaz Al-Khatib foi designado presidente da Coligação Nacional, a nova organização encarregada de reagrupar os partidos da oposição síria respaldados pela OTAN e Conselho de Cooperação do Golfo.

A realidade do terreno: sucessivas derrotas e grande quantidade de baixas dos Contras

Por Ghaleb Kandil

A guerra mundial lançada contra a Síria caracterizou-se, na semana passada, por uma escalada – no terreno e nos meios de imprensa – tendente a fazer crer que a oposição armada estava lançando um ataque geral contra Damasco.

Nos dias anteriores, os Contras e os grupos takfiristas tinham montado, com grande barulho mediático, todo um espectáculo sobre o seu suposto controlo da província de Idlib, com a batalha de Maaret al-Noomane (na estrada Damasco-Alepo), e disseram ter ocupado importantes bases do Exército Árabe Sírio.

Mas deu-se uma viragem na batalha de Maaret al-Noomane. A televisão síria transmitiu imagens da rua principal dessa cidade, onde pode ver-se que os soldados sírios controlam a maioria dos bairros. Reportagens similares foram transmitidas de numerosas regiões de Idlib, província que os grupos terroristas diziam ter ocupado, incluindo a base aérea. Nas imagens, apenas dois dias atrás, podem ver-se dezenas de helicópteros assim como forças terrestres.

Assim o plano destinado a controlar a província de Idlib fracassou e os Contras sofreram uma grande quantidade de baixas. E foi para esconder esta grave derrota que os centros de operações instalados na Turquia decidiram empreender uma campanha mediática sobre supostos «assaltos decisivos». Os bandos armados esqueceram a sua derrota em Idlib e já não falam de Maaret al-Noomane ou sequer da base militar de Wadi Deif, que supostamente estava cercada e a ponto de cair nas suas mãos.

E, para desviar as atenções da catástrofe que acabam de sofrer recorreram a três tipos de operações em Damasco e arredores: em primeiro lugar, á multiplicação de atentados com carros-bomba, organizados por grupos infiltrados em vários bairros da capital. Estes ataques não surpreenderam o comando do exército sírio, que sabe perfeitamente que será longo o enfrentamento com o que resta dos bandos armados depois da destruição das suas forças principais. O objetivo dos atentados com carros-bomba é semear a confusão nas fileiras dos serviços de segurança, obter uma certa repercussão mediática e criar um ambiente de medo na população síria.

Também intensificaram a campanha de assassínios em Damasco, onde foram mortos o irmão do presidente do parlamento sírio e vários funcionários da administração pública e do Banco Central. O que não é novidade. Há muitos meses que os Contras têm vindo a cometer este tipo de crimes e os serviços de segurança perseguem as células de infiltrados que os perpetram.

E, finalmente, grupos armados móveis de várias dezenas de terroristas posicionaram-se em campo aberto o mais próximo possível da cidade para realizar vários disparos de morteiro contra bairros de Damasco, para dar a impressão de um ataque em pleno coração da capital. Na maioria dos casos o Exército sírio reagiu rapidamente, atacando esses grupos armados com a força aérea ou com tropas terrestres para liquidá-los. Mas trata-se na realidade de grupos insignificantes de apenas umas tantas dezenas de terroristas.

Ao mesmo tempo, os bandos armados activaram também grupos criados dentro dos acampamentos palestinianos para atacar as organizações palestinianas e o exército sírio. Esta nova frente foi contida rapidamente através dos comités populares criados pelos habitantes dos acampamentos e das organizações palestinianas tendo sido os grupos armados expulsos ou destruídos.

Os acontecimentos dos últimos dias demonstram em todo o caso que os Contras, teledirigidos pela aliança atlântica e financiados pelos petrodólares, não conseguiram modificar a correlação de forças, apesar dos milhares de combatentes que enviaram para o campo de batalha e que foram mortos em grande número ou capturados. Vários chefes, citados pelas agências de notícias Reuters e AFP, reconheceram que lhes era impossível conservar o controlo de toda a região que ocupavam.

Além disso, o clima popular mudou a favor do Estado sírio. A AFP reportou uma manifestação de habitantes de vários bairros de Alepo reclamando que os bandos armados saíssem da cidade. E aos terroristas «democratas» apoiados pelo Ocidente não lhes ocorreu outra coisa senão a de abrir fogo sobre aqueles civis desarmados e pacíficos, deixando um saldo de numerosas vítimas. O mesmo ambiente existe em Homs, Daraa, Deir Ezzor e em outras cidades.

Não será, pois, certamente a nova aliança, chamada a servir de nova fachada à oposição, fabricada em Doha sob a supervisão dos Estados Unidos e das petro-monarquias sob o comando de um religioso, o xeque Ahmad Maaz al-Khatib, que vai lograr modificar a correlação de forças.

Os sírios deram a sua última palavra: a independência e a soberania são as linhas vermelhas e eles estão dispostos a fazer qualquer sacrifício com o propósito de defendê-las.

Declarações e posições

Bachar al-Assad, presidente da República Árabe Síria «A invasão estrangeira da Síria, caso se viesse a verificar, seria tão grave que o mundo inteiro seria incapaz de tolerá-la. Porque se há problemas na Síria, quando nós somos o último bastião do laicismo, da estabilidade e da convivência, conduziria a um efeito de dominó que afectará todo o mundo, desde o Oceano Atlântico até ao Pacífico. O Ocidente não avançará nessa direção. Mas se o fizer, ninguém poderá prever as consequências. (…) Eu não sou um títere e não fui fabricado pelo Ocidente para sair para o Ocidente nem para qualquer outro lado. Eu sou sírio. Viverei e morrerei na Síria. (…) [O primeiro-ministro turco Erdogan] comporta-se como um sultão do Império Otomano e julga que é um califa. Com a questão síria passou da política de zero problemas para a de zero amigos. (…) A saída ou não do presidente sírio só pode decidir-se através das urnas […] A Síria não está a viver uma guerra civil. Mas sim um assunto de terrorismo e tem que ver com o apoio externo de que gozam os terroristas para desestabilizar a Síria. (…) Temos que pensar que vai ser uma guerra dura e difícil. Não se pode esperar que um pequeno país como a Síria possa vencer em questão de dias ou de semanas todos os países que estão a atacar-nos através de intermediários, como o estão fazendo os Estados Unidos, o Ocidente e vários países árabes. (…) Se cessasse o respaldo aos rebeldes a partir do estrangeiro, posso dizer que tudo terminaria em questão de semanas. Mas enquanto houver um aprovisionamento ininterrupto de armas aos terroristas, de logística e de tudo o mais, será uma guerra de longa duração.»

Tradução
Alva

Fonte
New Orient News

Pierre Khalaf

Pesquisador no Centro de Estudos Estratégicos Árabes e Internacionais de Beirute

 
Síria, Ucrânia e o novo mundo
Síria, Ucrânia e o novo mundo
«Tendências do Oriente»
 
Rede Voltaire

Voltaire, edição internacional

Este artigo encontra-se sob licença creative commons

Poderá reproduzir livremente os artigos da Rede Voltaire desde que cite a fonte, não modifique o conteúdo e não os utilize para fins comerciais (licença CC BY-NC-ND).

Apoiar a Rede Voltaire

Utilizando este site poderá encontrar análises de elevada qualidade que o ajudarão a formar a sua compreensão do mundo. Para continuar com este trabalho necessitamos da sua colaboração.
Ajude-nos através de uma contribuição.

Como participar na Rede Voltaire?

Os participantes na rede são todos voluntários.
Autores: diplomatas, economistas, geógrafos, historiadores, jornalistas, militares, filósofos, sociólogos ... poderá enviar-nos seus artigos.
Tradutores de nível profissional: pode participar na tradução de artigos.

O início da viragem do mundo
A estratégia russa face ao imperialismo anglo-saxónico
O início da viragem do mundo
Thierry Meyssan
Ucrânia, objectivo na mira
«A arte da guerra»
Ucrânia, objectivo na mira
Manlio Dinucci, Rede Voltaire
 
Os «salvadores» do Iraque
«A arte da guerra»
Os «salvadores» do Iraque
Manlio Dinucci, Rede Voltaire
 
Ofensiva global NATO
"A arte da guerra"
Ofensiva global NATO
Rede Voltaire
 
Quem é o inimigo?
Israel
Quem é o inimigo?
Thierry Meyssan, Rede Voltaire
 
A metamorfose de Bachar el-Assad
A metamorfose de Bachar el-Assad
Thierry Meyssan, Rede Voltaire
 
Extensão da guerra do gaz ao Levante
«Sob os nossos olhos»
Extensão da guerra do gaz ao Levante
Thierry Meyssan, Rede Voltaire
 
O «Curdistão», versão israelita
«Sob os nossos olhos»
O «Curdistão», versão israelita
Thierry Meyssan, Rede Voltaire